nsc
dc

Executivo

Daniela Reinehr anuncia mudanças em cinco secretarias e pede "luta pela vida" contra a pandemia

Vice-governadora de SC assumiu o cargo interinamente nesta terça (30)

30/03/2021 - 15h52 - Atualizada em: 30/03/2021 - 17h58

Compartilhe

Lucas
Por Lucas Paraizo
Daniela Reinehr
Com afastamento de Moisés em processo de impeachment, Daniela poderá ficar no cargo por até 120 dias
(Foto: )

A governadora em exercício de Santa Catarina, Daniela Reinehr (sem partido), falou oficialmente pela primeira vez após assumir o cargo, nesta terça-feira (30). Ela assinou o termo de posse de manhã, em um ato sem solenidades na residência oficial da vice-governadora, em Florianópolis, e concedeu uma entrevista coletiva às 17h, no Centro Administrativo do governo.

> Como foi o governo de Daniela Reinehr durante o primeiro afastamento de Carlos Moisés

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Veja como foi a coletiva:

Daniela fez um breve discurso focado principalmente no combate à pandemia do coronavírus. A governadora em exercício disse que o período de interinidade deverá ser marcado "pela luta pela vida", e que irá buscar a união com todos os poderes.

- A nossa principal dificuldade hoje é o enfrentamento à pandemia e a busca por vacinas. A boa notícia é que a gente já tem uma maior quantidade de doses, e a expectativa que a produção aumente e a gente alcance mais cidadãos. Mas temos a necessidade de melhorar a nossa estrutura hospitalar para atender a demanda que cresceu de forma assustadora - destacou.

Com a confirmação da deputada federal Carmen Zanotto (Cidadania) como nova secretária de Estado da Saúde, Daniela sinalizou para mudanças nas medidas contra a covid-19 em SC, mas sem detalhar o que será feito. A governadora em exercício citou um foco maior em campanhas de conscientização e no incentivo para que as pessoas busquem tratamento médico no início dos sintomas.

Driblando perguntas sobre apoiar o chamado "tratamento precoce", Daniela disse apenas que incentiva a busca por cuidados médicos, e que cada profissional de saúde tem o poder de indicar o tratamento adequado.

- Estamos avaliando (novas medidas contra a pandemia). A minha propensão é de medidas restritivas, sim, mas não proibitivas - afirmou a governadora em exercício, sinalizando uma posição contrária a ações como o lockdown.

Mudanças no secretariado

Além da já confirmada mudança no comando da Saúde, com a chegada da deputada federal Carmen Zanotto, a governadora em exercício oficializou também outros quatro novos nomes para o primeiro escalão do governo:

- Dagoberto Brião na Procuradoria-Geral do Estado

- Gerson Schwerdt na Casa Civil

- Miguel Bertolini na Comunicação

- Leodegar Tiscoski na Infraestrutura e Mobilidade

Daniela deixou em aberto a possibilidade de novas alterações, mas afirmou que já conversou com alguns secretários que ela deseja que permaneçam no cargo, como o deputado estadual Luiz Fernando Vampiro na Educação e Paulo Eli na Fazenda.

Governo interino 

Essa não é a primeira vez que Daniela assume interinamente o cargo. Ela comandou o estado entre 27 de outubro e 27 de novembro de 2020, após o primeiro afastamento de Carlos Moisés (PSL). O tribunal de julgamento afastou o então governador no caso do aumento salarial dos procuradores do estado.

Com a absolvição de Moisés no tribunal de julgamento, ela retomou ao cargo de vice-governadora. Na época, o governador exonerou alguns dos nomes indicados por Daniela.

Com o novo afastamento, agora relacionado à compra dos 200 respiradores por R$ 33 milhões com pagamento adiantado, Daniela pode ficar no cargo por até 120 dias.

O tribunal de julgamento que analisou o segundo pedido de impeachment contra o governador votou por aceitar parcialmente a denúncia contra ele. Assim, Moisés foi afastado do cargo e será julgado posteriormente por suposto crime de responsabilidade.

Em caso de condenação por crime de responsabilidade, Moisés perde o cargo e Daniela assume de forma definitiva.

Leia mais

Deputado do PSL diz que Daniela deve mexer pouco no governo de SC

Veja como foi a sessão que avaliou o impeachment de Moisés no caso dos respiradores

Colunistas