nsc

Giro Total

"Exigência fica lá em cima", diz Paulão sobre vôlei na Olimpíada de Tóquio

Finalista em quatro Jogos seguidos, masculino terminou fora do pódio; feminino ficou com a prata na quadra

09/08/2021 - 09h05

Compartilhe

Leandro
Por Leandro Lessa
Chico
Por Chico Lins
Paulão vôlei Giro Total CBN Diário
Paulão em entrevista ao Giro Total, na CBN Diário
(Foto: )

O Brasil chegou a 21 medalhas na Olimpíada de Tóquio - sete de ouro - e alcançou sua melhor posição no quadro geral em Jogos, com o 12° lugar. Paris-2024 já é daqui a três anos. Em um bate-papo no "Giro Total", da CBN Diário, Paulão do vôlei - campeão olímpico em 1992 - enaltece o grande resultado no Japão, mas reflete que há bastante o que se fazer pela cultura esportiva brasileira. 

> Confira o quadro de medalhas das Olimpíadas Tóquio 2020

- Ainda nos falta muito quando a gente vê o Darlan Romani treinando em um terreno baldio, e o cara chega lá e fica em quarto lugar. Acho que está de grande tamanho. Se conseguirmos investir não 1%, mas 2%, vamos fazer um barulho nesse mundo. Ainda falta uma política esportiva - disse Paulão, que confessou ficar emocionado com o gesto do arremessador de peso catarinense em homenagem à filha durante a competição. 

O medalhista cita dados de que cerca de 86% dos jovens entre 16 e 19 anos no Brasil deixa o esporte, enquanto algo em torno de 99% dos atletas americanos são oriundos de universidades. "Sou defensor do esporte educativo. Acho que a educação física tem que ser diária. Aí, não é jogar vôlei, praticar judô, (mas) é a brincadeira, é a parte motora, é se divertir na escola. É uma política que temos que aprender", defendeu Paulão.  

É preciso "lamber as feridas", diz campeão olímpico de 1992

Antes mesmo do bicampeonato olímpico do futebol, o Brasil conquistou o primeiro ouro em esportes coletivos nos Jogos em Barcelona-1992. O time titular contava com Maurício, Tande, Geovane, Marcelo Negrão, Carlão e Paulão. Nesta segunda-feira (9), completa 29 anos desta conquista histórica para o nosso país. Em um domingo de Dia dos Pais, a equipe comandada por José Roberto Guimarães bateu a Holanda na decisão por 3 sets a 0. 

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Depois da geração da prata - que tinha como uma das estrelas Renan Dal Zotto, atual técnico da seleção masculina -, viramos o "país do vôlei". Assim, como opina Paulão, ficamos "mal-acostumados" em ver nossas equipes sempre no topo. Em Tóquio, a modalidade (na quadra e na praia) contribuiu com uma medalha para o país - a prata no feminino (quadra). "A exigência fica lá em cima igual ao futebol", declarou o medalhista.  

Meio-de-rede na conquista de 1992, Paulão disse que chegou a conversar com Renan sobre os centrais. Apontando um conjunto de fatores para o quarto lugar no vôlei masculino, Paulão lembra que as outras seleções geralmente crescem diante do Brasil, e que é preciso "lamber as feridas" para perceber os erros. Já no feminino, ele destaca que as americanas não deixaram as brasileiras jogar. "Mérito para os Estados Unidos. Foi um sonoro 3 a 0", resumiu. 

Ouça a entrevista completa com Paulão do vôlei: 

O Giro Total é um programa esportivo da CBN Diário aos domingos, de 12h às 14h, ou depois da transmissão dos jogos pela manhã.

Leia também

Mina de ouro do vôlei: Nova Trento é polo formador de atletas

Pedro Barros é homenageado no bairro onde iniciou a trajetória no skate em Florianópolis

Fora do pódio em Tóquio, Darlan foca no próximo ciclo olímpico: "Vou dar 300%"

Quanto vale uma medalha de ouro?

Árbitro catarinense nas Olimpíadas vê parto dos filhos trigêmeos por vídeo: “Muita emoção”

Colunistas