nsc
dc

Atletismo

Fora do pódio em Tóquio, Darlan foca no próximo ciclo olímpico: "Vou dar 300%"

Catarinense termina na quarta colocação no arremesso de peso nas Olimpíadas

05/08/2021 - 00h55 - Atualizada em: 05/08/2021 - 01h01

Compartilhe

Guto
Por Guto Marchiori
Darlan Romani teve como melhor marca na final 21m88
Darlan Romani teve como melhor marca na final 21m88
(Foto: )

Assim como aconteceu no Rio de Janeiro, há cinco anos, Darlan Romani ficou fora do pódio no arremesso de peso nas Olimpíadas de Tóquio 2020. O catarinense de Concórdia terminou na quarta posição na final disputada na madrugada desta quinta-feira.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Em meio a emoção de não ter alcançado o objetivo, Darlan teve dificuldade para encontrar palavras, porém, garantiu que o foco já está no próximo ciclo olímpico.

- Não tem muito o que falar. Só quero agradecer a torcida de todos. Mais uma vez eu sou quarto, mas não quero mais isso na minha vida. Tem um novo ciclo, dessa vez mais curto. Se eu dava 200%, agora vou dar 300%. Obrigado Brasil - disse o atleta à TV Globo.

História repetida

Darlan ainda viu semelhança com a disputa no Rio de Janeiro, mas reconheceu a qualidade dos principais concorrentes na prova. O catarinense teve como melhor arremesso 21m88.

- Mais uma vez a história se repete. Os meninos estão de parabéns. Crouser mais uma vez com 23 metros. Os caras são bons, não tem muito o que falar. Foi uma excelente competição. Eu acredito que poderia ter arremessado mais. Tenho que parar para analisar - completou.

A medalha de ouro ficou com Ryan Crouser, dos Estados Unidos, que alcançou 23m30, batendo o recorde olímpico que pertencia a ele mesmo. A prata também foi para o americano Joe Kovacs (22m65). Fechando o pódio, Tomas Walsh, da Nova Zelândia, ficou com o bronze ao arremessar 22m47. 

> Confira o quadro de medalhas dos Jogos de Tóquio

Leia também:

> Como acompanhar as Olimpíadas na NSC

> Veja os catarinenses que já conquistaram medalhas olímpicas

> Relembre as aberturas mais marcantes das Olimpíadas

Colunistas