nsc
dc

EM MEIO À PANDEMIA

Festas clandestinas e aglomerações marcam o fim de semana de Carnaval em SC

Maioria dos eventos foi registrada em regiões em situação gravíssima, o que impede abertura de bares e casas noturnas

14/02/2021 - 13h37 - Atualizada em: 14/02/2021 - 16h05

Compartilhe

Hassan
Por Hassan Farias
Aglomerações e festas foram registradas em várias cidades de SC
Aglomerações e festas foram registradas em várias cidades de SC
(Foto: )

O fim de semana de Carnaval foi marcado por festas clandestinas e aglomerações em Santa Catarina. As ocorrências foram registradas em várias cidades, como Florianópolis, Garopaba, Imbituba e São José, onde houve interdições de estabelecimentos e dispersão do público que se reunia em algumas ruas.

> Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui

Segundo o mapa de risco do Estado, atualizado no último sábado (13), 12 regiões de Santa Catarina estão em nível gravíssimo, incluindo a Grande Florianópolis. Nestes locais, as regras estaduais impedem a abertura de casas noturnas, boates, casas de shows, pubs e afins.

Santa Catarina tem 611 mil casos confirmados e 6.716 mortes por coronavírus desde o início da pandemia. Atualmente, são 19.682 pessoas continuam infectadas com o vírus, enquanto 584 mil são considerados recuperados.

Diante dessa realidade, as imagens mais impressionantes do fim de semana são de uma balada em São José, na Grande Florianópolis. Um vídeo publicado nas redes sociais mostra a formação de filas logo na entrada do estabelecimento, do lado de fora, com aglomeração e desrespeito ao distanciamento social.

> Como denunciar aglomerações e desrespeito às regras contra Covid-19 em SC

Fila na frente de estabelecimento em São José
Estabelecimento em São José teve filas na entrada, desrespeitando medidas sanitárias
(Foto: )

Em outras imagens registradas dentro da balada é possível ver as pessoas em pé próximas do palco, com as luzes dos celulares acesas, enquanto o cantor se apresenta no palco. Elas estão aglomeradas e sem usar máscaras para se proteger contra o coronavírus.

Segundo a prefeitura de São José, o estabelecimento foi interditado pela Vigilância Sanitária estadual pelo descumprimento de portaria 1024, que define regras para a retomada de baladas e casas de shows.

A reportagem tentou entrar em contato com o estabelecimento durante a manhã e tarde deste domingo (14), mas não teve retorno até o fechamento desta matéria.

Segundo a PM de São José outras cinco casas noturnas foram fechadas durante a fiscalização. Uma delas tinha cerca de 500 pessoas no local.

> Vídeos mostram aglomeração em casa de festas durante show de pagode em Blumenau

Aglomeração na rua Victor Meirelles, no Centro de Florianópolis
Aglomeração na rua Victor Meirelles, no Centro de Florianópolis
(Foto: )

Festas interrompidas em Florianópolis

Em Florianópolis, a principal aglomeração aconteceu na rua Victor Meirelles, no Centro da cidade. Segundo a Polícia Militar, cerca de 300 a 400 pessoas estavam reunidas na rua, em frente aos bares, durante a noite. Os policiais estiveram no local para orientar o público, mas tiveram de retornar para dispersar as pessoas por volta da 1 hora da madrugada deste domingo (14).

No Morro do Mocotó houve um início de baile funk, mas a PM conseguiu intervir em tempo com a apreensão do aparelho de som e banheiros químicos instalados no local. Outro registro aconteceu na Tapera, onde cerca de 60 pessoas estavam em um bar e precisaram ser dispersadas.

Segundo a PM, estão sendo realizadas blitze e barreiras de trânsito pela cidade, além de rondas preventivas no início das noites nos estabelecimentos comerciais.

> Com piora no quadro, Chapecó pede ajuda a médicos que atuam em Manaus

Rua Victor Meirelles após Polícia Militar dispersar público
Rua Victor Meirelles após Polícia Militar dispersar público
(Foto: )

Interdição de estabelecimento em Imbituba

Em Imbituba, no Sul do Estado, um estabelecimento foi fechado por causa da aglomeração no último sábado (13) na praia do Rosa. Nas redes sociais, a página "Brasil Fede Covid" publicou um vídeo da algomeração (veja abaixo). Segundo a diretora da Vigilância em Saúde, Carina Genovez Ferreira, o local foi interditado por 24 horas porque as pessoas estavam em pé na frente do palco e derespeitavam as regras sanitárias.

Ela também afirma que outros lugares foram penalizados com multa em um recebeu advertência da vigilância. A fiscalização acontece em um trabalho conjunto entre a Prefeitura, Polícia Civil e Polícia Militar, com acompanhamento do Ministério Público. Ainda há o reforço nas ruas de seguranças contratados pela prefeitura. 

- É humanamente impossível dar conta de todos os lugares com aglomerações - afirma Carina.

> Nova variante do coronavírus já foi identificada em ao menos 10 estados do Brasil

A prefeitura diz que tem ainda uma equipe de fiscais sem legitimidade para realização autuações, mas que faz um levantamento com imagens dos locais que serão incluídas em um dossiê a ser entregue ao Ministério Público.

Em Imbituba, as medidas sanitárias determinam ocupação máxiuma de até 50% da capacidade para bares e até 20% para baladas (com o público sentado). Estabelecimentos precisam fechar até 2 horas da madrugada e as caixas de som nas ruas estão sendo recolhidas pela PM.

> Pagamento de leitos de UTI Covid em SC preocupa secretaria de Saúde

Polícia Militar precisou dispersar a aglomeração na praia da Ferrugem
Polícia Militar precisou dispersar a aglomeração na praia da Ferrugem
(Foto: )

Aglomeração na praia da Ferrugem

As ruas da praia da Ferrugem ficaram lotadas por foliões na noite de sexta-feira (12), em Garopaba, no Sul do Estado. As pessoas formaram uma grande aglomeração na localidade, embora as festividades de Carnaval tenham sido canceladas pela prefeitura. No sábado (13), cenas de desrespeito aos decretos estadual e municipal voltaram a se repetir, inclusive na faixa de areia.

Imagens feitas em Ferrugem e publicadas nas redes sociais, mostram centenas de pessoas interagindo em grandes grupos no meio da rua. Ninguém cumpre o distanciamento mínimo exigido. A Polícia Militar, responsável por fiscalizar o cumprimento das regras, precisou dispersar a população.

A prefeitura não só admitiu que houve uma grande aglomeração, como afirmou que “repudia fortemente as cenas lamentáveis presenciadas”, ao se referir apenas ao sábado (13). Em nota enviada, a nova gestão também disse que presa pela saúde e pela vida, motivo porque teria reforçado as ações de enfrentamento à Covid-19.

> Opinião: SC sabota volta às aulas ao fingir que nada está acontecendo na pandemia

Colunistas