nsc
dc

Polêmica

Lockdown sem salário em Criciúma não teve adesão de nenhum servidor, diz prefeitura

Medida permite que funcionários do município se afastem das atividades, mas abrindo mão da remuneração; sindicato critica medida e pede trabalho remoto

24/03/2021 - 17h45 - Atualizada em: 24/03/2021 - 17h47

Compartilhe

Jean
Por Jean Laurindo
Lockdown sem salário para servidores da prefeitura de Criciúma é alvo de polêmica
Lockdown sem salário para servidores da prefeitura de Criciúma é alvo de polêmica
(Foto: )

O lockdown voluntário implantado pela prefeitura de Criciúma não teve nenhuma adesão na primeira semana. A medida permite que servidores municipais se afastem das atividades para reduzir o risco de Covid-19, mas para isso precisam abrir mão do salário.

> Governo de SC reconhece escassez de medicamentos e pede reforço ao Ministério da Saúde

O decreto que autorizou a licença sem remuneração para servidores por conta da Covid-19 foi publicado na quarta-feira passada, dia 17, e permanece em vigor.

A presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Criciúma e Região (Siserp), Jucélia Vargas, afirma que os servidores não aderiram à medida por considerá-la um ato que joga a população contra a categoria.

Ela também afirma que a licença sem remuneração já é algo previsto no estatuto dos servidores municipais e sugere que o decreto poderia prejudicar o atendimento do município se servidores da saúde aderissem ao lockdown voluntário.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

– Ninguém pediu lockdown para ficar em casa, pediu para que quem é do grupo de risco pudesse ficar de forma remota trabalhando para se cuidar e cuidar de suas famílias. O servidor quer segurança, proteção, essa é nossa cobrança – afirmou.

> Justiça dá 48 horas para Estado informar ações contra falta de medicamentos em hospitais

Lockdown sem salário causou polêmica em Criciúma

A dirigente sindical já havia criticado o lockdown voluntário sem salário de Criciúma na semana passada, ao afirmar que a medida causou revolta no funcionalismo.

– Ninguém quer ficar em casa no sofá comendo pipoca. Todos estamos amedrontados – afirmou, na ocasião.

Ao anunciar a criação da licença, o prefeito Clésio Salvaro (PSDB) defendeu que, com os cuidados sanitários, não haveria necessidade de paralisação das atividades econômicas e do próprio serviço público.

- É muito fácil pedir lockdown, lockdown, lockdown quando a geladeira está cheia e o salário garantido – afirmou na ocasião.

O texto do decreto determina que o superior que autorizar o afastamento deverá comunicar o município para contratação de um servidor temporário para substituição, caso a equipe remanescente não conseguir assumir todas as atividades.

Até o boletim da terça-feira (23) do governo do Estado, Criciúma tinha 309 mortes por Covid-19 e 2.343 casos confirmados desde o início da pandemia. Esta semana, o município já registrou a morte de uma servidora de escola e de uma menina de 6 anos, estudante da rede municipal.

Leia também

> É falso o calendário de vacinação contra Covid-19 que circula no Whatsapp

> Bolsonaro defende a vacinação em massa e o "tratamento precoce" após reunião

> Assassinato por uso de máscara foi filmado; polícia analisa

Colunistas