nsc
an

Luto

Médico que morreu por Covid-19 é homenageado por colegas do Centrinho de Joinville

Marco Aurélio Gamborgi era cirurgião plástico e trabalhava na unidade há 15 anos

11/12/2020 - 09h29 - Atualizada em: 11/12/2020 - 09h40

Compartilhe

Hassan
Por Hassan Farias
Colegas soltaram um balão com o nome do médico como ato de despedida e homenagem
Colegas soltaram um balão com o nome do médico como ato de despedida e homenagem
(Foto: )

O médico Marco Aurélio Lopes Gamborgi, que morreu de Covid-19, recebeu uma homenagem de funcionários do Centrinho Prefeito Luiz Gomes, de Joinville. O ato simbólico foi uma forma dos colegas se despedirem do cirurgião plástico, que atuava há 15 anos na unidade.

> Quer receber notícias de Joinville e Norte de SC por WhatsApp? Clique aqui

A homenagem aconteceu na manhã da última quinta-feira (10) no pátio do Centrinho. Os funcionários e alguns pacientes se reuniram para soltar um balão com o nome do médico. Uma das músicas preferidas do cirurgião plástico foi tocada durante o ato. Os presentes usavam máscaras e aplaudiram o médico enquanto o balão subia em direção ao céu.

Veja parte da homenagem:

> "Era um anjo", diz mãe de paciente do médico Marco Aurélio Gamborgi

Marco Aurélio Lopes Gamborgi tinha 57 anos e morreu no último dia 4 após complicações por causa da Covid-19 no Hospital Onix, em Curitiba, onde estava internado. Gamborgi realizou cerca de 10 mil cirurgias em fissuras labiopalatais, parte delas no Centrinho de Joinville.

Natural de Lages (SC), o médico se formou pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná e começou a atuar como cirurgião plástico no Centrinho de Joinville, em 2005. Também atendia pacientes com lábio leporino em outras instituições, como o Centro de Atendimento Integral Fissurado Labiopalatal (Caif) e no Hospital Pequeno Príncipe, ambos em Curitiba.

Gamborgi era referência na área e foi presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - Regional do Paraná, além de voluntário e presidente do Conselho Multidisciplinar da ONG Operação Sorriso do Brasil, pelo qual operava crianças com lábio leporino em regiões sem acesso, como tribos indígenas.

Leia mais

> Joinville tem maior número de internados por Covid-19 desde o final de agosto

> Joinville corre risco de colapso do sistema de saúde, alerta responsável pelo inquérito epidemiológico

> "A população não acredita em nada e estamos perdendo vidas", diz secretário de saúde de Joinville

Colunistas