nsc
dc

Pandemia

Moisés descarta novas restrições por Covid em SC e defende mais fiscalização

Em entrevista ao Bom Dia Santa Catarina, da NSC TV, governador disse que regras atuais seguem em vigor e que fiscalizar poderia reduzir casos ativos

10/05/2021 - 09h49 - Atualizada em: 10/05/2021 - 15h52

Compartilhe

Jean
Por Jean Laurindo
Moisés retornou ao cargo de governador na sexta-feira, após mais de 40 dias afastado por processo de impeachment
Moisés retornou ao cargo de governador na sexta-feira, após mais de 40 dias afastado por processo de impeachment
(Foto: )

O governador Carlos Moisés (PSL) admitiu que não deve aumentar as restrições de atividades econômicas e de circulação por causa da pandemia de Covid-19. Em entrevista ao Bom Dia Santa Catarina, da NSC TV, nesta segunda-feira (10), o chefe do Executivo afirmou que as regras atualmente em vigor continuarão valendo até o dia 17, quando vence o decreto assinado em abril pela então governadora em exercício Daniela Reinehr (sem partido).

> Moisés defende derrubada do veto à injeção de dinheiro do Estado na BR-470

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

O governador, que voltou ao cargo na sexta-feira, afirmou que até lá o foco do Estado deve estar na fiscalização.

– Percebemos que apesar do regramento, existem estabelecimentos, de reunião de público, inclusive, que às vezes infringem as normas. No nosso entendimento, conseguindo fiscalizar de fato todos os estabelecimentos a gente vai conseguir manter ou até diminuir o número de casos ativos, para sair desse enfrentamento – pontuou.

As regras atualmente em vigor permitem a realização de eventos sociais, corporativos, feiras, exposições e até mesmo de casas noturnas e shows. Cada atividade tem um regramento específico definido no decreto. Bares e restaurantes podem funcionar até as 23h. A concentração e aglomeração de pessoas em praias, parques e praças é proibida e a venda de bebida alcoólica para consumo no local também está vetada entre as 23h e as 6h. 

> Confira as regras atualmente em vigor em SC

Na entrevista, Moisés também falou que o Estado segue com uma estabilidade nos números da pandemia, no patamar de cerca de 20 mil casos ativos nos últimos 40 dias. O balanço deste domingo apontou a existência de 19,5 mil pacientes em fase de transmissão do vírus no Estado.

– Isso nos chama a atenção porque vai tendo um reflexo de ocupação de leitos de UTI, que ainda tem uma média de mais de 90% – afirmou.

Segundo Moisés, após conseguir reduzir o número de casos ativos e sobretudo de internações em UTIs, o governo do Estado pretende discutir com o Ministério da Saúde quais os leitos vão permanecer ativos na rede hospitalar.

– Vamos solicitar a habilitação desses leitos e pactuar com unidades hospitalares que possam exercer através dessa nova condição de trabalho as cirurgias eletivas e todas as demandas – antecipou.

> Quatro indicadores mostram como SC estacionou no combate à pandemia

Compra de vacinas centralizada

Moisés também defendeu a vacinação como forma de voltar a ter a rotina anterior à pandemia e reforçou que entende que a compra de vacinas deve ser centralizada no governo federal. Ele também falou sobre ajustes no auxílio emergencial do Estado, em discussão nas últimas semanas, e sobre outras ações da retomada do governo.

Após pouco mais de 40 dias afastado por causa do processo de impeachment dos respiradores, Moisés voltou ao governo de SC na última sexta-feira (7), após o tribunal de julgamento rejeitar o pedido, com quatro dos 10 votos pela absolvição.

Leia também

> Entenda o projeto do Estado de investir nas rodovias federais de Santa Catarina

> Em artigo, Moisés cutuca adversários e diz que impeachment foi "desapreço" a SC

> O que esperar das restrições em SC após retorno de Moisés e André Motta

Colunistas