nsc
dc

Pandemia

Mutirão de vacinação contra Covid em SC é defendido por especialistas: "Doses não podem ficar paradas"

Com a primeira dose, segundo especialista, a pessoa já passa a desenvolver uma resposta imunológica

08/07/2021 - 05h00 - Atualizada em: 08/07/2021 - 10h17

Compartilhe

Clarissa
Por Clarissa Battistella
Ampla vacinação é importante para processo de imunização
Ampla vacinação é importante para processo de imunização
(Foto: )

Mesmo que signifique o esgotamento do estoque de vacinas, a rápida aplicação das doses contra a Covid por meio dos chamados mutirões é defendida por especialistas. Profissionais da saúde ouvidos pelo Diário Catarinense avaliam que, no atual momento da pandemia, é mais importante imunizar o maior número de pessoas num menor espaço de tempo.

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Saiba quando você será vacinado em SC na cidade onde mora

Nesta terça-feira (6) Florianópolis realizou um desses mutirões, o 'Vacinaço', que aplicou a primeira dose em quase 18 mil pessoas na faixa dos 40 anos. Com a ação, essas doses se esgotaram na cidade, que agora aguarda a chegada de um novo lote que será enviado pelo Ministério da Saúde.

Para a especialista em Saúde Pública, enfermeira e professora da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Felipa Rafaela Amadigi, essa estratégia é considerada correta. Isso porque, segundo ela, com a primeira dose, a pessoa já passa a desenvolver uma resposta imunológica. 

- Apesar da imunidade, no caso das vacinas com duas doses, ser garantida apenas depois da segunda dose, é importante que a gente faça ações como essa de Florianópolis porque você está garantindo que um número grande de pessoas seja vacinada em um único dia [...] município que recebe dose tem que avançar no processo vacinal, não pode ficar parado - enfatiza.

Além disso, a especilista ressalta que ações como a que ocorreu na Capital não interferem na adminsitração da segunda dose:

- Tanto é que, como exemplo, Florianópolis hoje continua fazendo a imunização com as segundas doses e a vacina das gestantes e lactantes é garantida.

Depois de vacinaço, Florianópolis não tem data para imunizar trabalhadores da indústria contra Covid

Cidade com o número mais alto de habitantes do estado de Santa Catarina, Joinville também tem feito ações para acelerar a aplicação da primeira dose da vacina contra o coronavírus. Segundo o secretário de Saúde do município, Jean Rodrigues, a estimativa é que até o final desta semana a imunização seja iniciada em 45 mil moradores.

- A gente tem capacidade nominal de 35 mil horários por semana, sem mutirão nas centrais de imunizações ou nas unidades báscias. E se chegam doses a mais, se faz mutirão. Essa semana Joinville fez mais de 45 mil agendamentos de segunda (5) a domingo (11) .

No Oeste catarinense, em Chapecó, mais de 50% da população recebeu ao menos uma dose do imunizante até o momento, segundo a prefeitura. Nos últimos quatro dias, o município fez 12 mil aplicações, quatro mil somente na terça-feira (6). A estratégia do município, assim como ocorre em Joinville, é vacinar somente através de agendamento. A exceção são as gestantes, que podem procurar postos de aplicação a qualquer tempo.

A cada nove vacinados, um não se imunizou contra a Covid-19 em Criciúma

Teste para Covid mais barato e rápido do que o PCR é desenvolvido em SC​ 

O imunologista Daniel Mansur salienta que a maioria das vacinas disponíveis no país só completam a proteção com as duas doses, mas, ainda assim, também acredita que acelerar o processo de aplicação da primeira é uma boa alternativa.

- Se estivéssemos com o número de casos controlado e em isolamento social (não estamos), acho que dar a primeira dose para o maior número de pessoas poderia ser discutido, mas não parece ser o caso - comenta. 

Vacina em Criciúma: esperou mais de 5 dias, vai para o fim da fila

Cidades têm autonomia para decidir

A especialista em Saúde Pública, Felipa Rafaela Amadigi também defende que os municípios devem ter automia para decidir sobre o modelo de aplicação das doses, pois, de acordo com ela, são as prefeituras que conhecem melhor as suas próprias realidades.

- Ninguém melhor que o município, que conhece a realidade de sua população foco. Se o município tem conhecimento sobre sua população e o quanto de vacina vai receber, ele sabe o quanto de estrutura vai ter que montar para garantir a vacinação daquelas pessoas. Portanto, considero uma estratégia acertada, porque de fato são os municípios que sempre executaram o plano e programa nacional de imunização- conclui.

Leia também

Crescimento da Covid-19 em Blumenau e região vai na contramão de Santa Catarina

As diferenças entre as vacinas da Pfizer, Astrazeneca e Coronavac

Mulheres que tomaram a vacina contra a Covid-19 devem esperar para fazer mamografia; entenda

Por que a estratégia de vacinação de Florianópolis deu certo

Colunistas