nsc
dc

Turismo

Neve em Santa Catarina deixa Serra com expectativa de "boom" de turistas de última hora

Frio intenso mesmo sem garantia do fenômeno já estimula maior fluxo de turistas em hotéis na região

14/05/2022 - 05h00

Compartilhe

Paulo
Por Paulo Batistella
Turistas devem chegar pela Serra do Rio do Rastro e pela BR-282
Turistas devem chegar pela Serra do Rio do Rastro e pela BR-282
(Foto: )

Os municípios da Serra Catarinense já se preparam para um "boom" de turistas de última hora a partir da próxima segunda-feira (16), quando haverá previsões do tempo ainda mais certeiras sobre a possibilidade de neve. Até aqui, a chance maior está entre as madrugadas de terça (17) e quinta-feira (19).

Receba notícias do DC via Telegram

Mesmo sem garantia de neve até então, o fluxo de turistas já aumentou na região. O movimento costuma se intensificar a partir de junho, mas foi adiantado neste ano junto com a onda de frio que chegou mais cedo à Serra.

Em São Joaquim, 95% dos cerca de mil leitos oficiais de hotéis e pousadas na cidade já tinham, nesta sexta (13), previsão de estarem ocupados neste fim de semana. O turismólogo Marcelo Di Jura, da prefeitura, diz que esse número costuma ficar em 80% nesta época do ano.

— Com essa frente fria mais forte agora, deu essa alavancada também — afirmou ao Diário Catarinense.

A massa de ar polar sobre a qual ele se refere chegou à região acompanhada de maior umidade, associada a um ciclone extratropical formado na altura do oceano, segundo a Epagri/Ciram, o que explica a chance de neve.

Em Urubici, também já há alta procura pelos hotéis para esta próxima semana, em especial de turistas catarinenses, mas também de São Paulo e do Paraná.

— A gente tem uma expectativa de mais de 80% de ocupação nos nossos meios de hospedagens. Isso sendo modesta — disse a secretária do Turismo na cidade, Marinês Walkowski.

Já em Lages, que também costuma registrar episódios de neve nestas ocasiões, a média de ocupação da rede hoteleira deve ser de 80% na região central e de até 100% na zona rural, segundo a prefeitura.

Quem trabalha com hotelaria, no entanto, acredita que os números de hóspedes expressam até uma menor parte do volume de turistas que a região deve receber caso se confirme a previsão de neve.

Diretora regional da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis em Santa Catarina (Abih-SC), a empresária Mariléia Folster afirma, já com experiência de temporadas anteriores, que a maior parte dos visitantes chegará de última hora, sem necessariamente ter previsão de dormir na cidade.

— A pessoa que nunca viu a neve e estará trabalhando naqueles dias, e não tem tempo disponível para se hospedar, vai pegar o carro e subir à Serra para ver a neve e já voltar — diz ela, que também é dona de uma pousada em Urubici.

O plano de fazer um bate e volta exige, no entanto, cuidados e preparo do turista, já que, muitas vezes, trechos de rodovias na Serra ficam interditados devido à formação de gelo na pista. Isso já é um alerta em São Joaquim, segundo afirma o turismólogo da prefeitura.

— A gente recomenda que o turista venha bem agasalhado e, às vezes, até evite de vir se não tiver uma hospedagem. Porque tem muito turista que vem sem o mínimo de precaução e não sabe a realidade do que é, por exemplo, precisar enfrentar um frio de -10ºC dentro de um carro — diz Di Jura.

Esse perfil de visitante costuma envolver catarinenses, que moram mais próximos à Serra e têm se tornado frequentadores mais assíduos da região nos últimos anos.

— Durante a pandemia, o pessoal descobriu a Serra Catarinense, principalmente o turista doméstico. Em vez de ir para mais longe, decidiu vir para a região serrana — diz o secretário Antenor Arruda, que chefia o Turismo na pequena Urupema, de 2,5 mil habitantes.

A capital nacional do frio, como o secretário gosta de destacar, chega ter o fluxo de pessoas dobrado ao menos nos feriados e aos finais de semana das temporadas de inverno. Nesta aguardada janela de neve, esse volume pode não se repetir a tal ponto, já que ela irá cair em dias úteis, mas, ainda assim, deverá ser grande. 

Quem for subir à região deverá estar atento às estradas. A Serra do Corvo Branco, que chega a Urubici, ainda está totalmente interditada e sem previsão de reabertura por conta dos estragos causados pela chuva intensa no Estado há duas semanas.

Os turistas precisarão optar pela BR-282 a partir da Grande Florianópolis ou, mais ao Sul no Estado, pela Serra do Rio do Rastro, que, ao menos neste fim de semana, terá períodos de interdição devido a uma maratona que ocupará as 284 curvas da estrada até Bom Jardim da Serra.

O munícipio que terá a linha de chegada, assim como Orleans e Lauro Müller, que abrigam parte do trajeto antes da subida, já está com hospedagens lotadas para este fim de semana por causa do evento e movimentação intensa de visitantes. Parte deles pode também estender a estadia para ver a neve.

Leia mais

Buscas por "neve em Santa Catarina" no Google explodem após previsão

Apresentadora do Multishow grava dicas de viagem em três cidades de SC

SC perde 31 cidades em mapa que define verba federal no turismo

Colunistas