nsc
dc

Omicron

Nova variante da Covid na África: o que se sabe sobre a mutação

Saiba quais países têm casos confirmados, onde foram adotadas restrições e porquê a mutação assusta estudiosos

26/11/2021 - 14h44 - Atualizada em: 26/11/2021 - 15h02

Compartilhe

Redação
Por Redação DC
Mulher usando máscara durante a pandemia da Covid-19
Variante foi classificada como "preocupante" pela Organização Mundial de Saúde
(Foto: )

A nova variante da Covid detectada na África e identificada como B.1.1.529, deixa o mundo novamente em alerta. Nesta sexta-feira (26), a mutação foi classificada como "preocupante" pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e terá o nome de "omicron".  

> Compartilhe esta notícia no Whatsapp

A OMS acredita que várias semanas serão necessárias para entender o nível de transmissão e a capacidade que a nova mutação do coronavírus têm para se propagar no organismo.    

Onde há casos confirmados da nova variante

Até o momento, foram confirmados 77 casos da variante B.1.1.529 na Província de Gauteng, na África do Sul; quatro casos em Botsuana; e um em Hong Kong, diretamente relacionado a uma viagem à África do Sul.

Nesta sexta-feira, a Bélgica também anunciou a confirmação de um caso da nova variante; o primeiro registrado na Europa.

— Temos um caso confirmado da variante. Trata-se de alguém que veio do exterior e testou positivo em 22 de novembro e não estava vacinado — disse o ministro da Saúde, Frank Vandenbroucke.

A pessoa, que não havia sido infectada pelo vírus até agora, voltou do Egito no dia 11 de novembro, de acordo com o virologista belga Mark Van Ranst.

Já no Oriente Médio, o Ministério da Saúde de Israel informou que um caso da B.1.1.529 também foi identificado no país. 

— Trata-se de uma pessoa que veio de Malauí — informaram as autoridades israelenses. 

> Variante com combinação de outras duas linhagens da Covid é encontrada na América do Norte

Outras duas pessoas que chegaram do exterior também estão confinadas no país e o Ministério da Saúde de Israel informou, por meio de um comunicado, que os três estavam vacinados contra o coronavírus. 

> Tomou remédio para reação da vacina contra a Covid-19? Veja o que pode acontecer

O que dizem os cientistas

Na última terça-feira (23), cientistas começaram a chamar a atenção para a variante que tem um grande número de mutações na proteína S (de spike, ou espícula), usada pelo Sars-Cov-2 para entrar nas células humanas.

Um dos primeiros virologistas a alertar para a B.1.1.529, Tom Peacock, do Imperial College de Londres, ressaltou que as mutações feitas na proteína S eram as "mais horríveis" já vistas, e que era a primeira vez que ele via não uma, mas duas mutações "no local de clivagem da furina".

O diretor do Centro para Resposta a Epidemias e Inovação da África do Sul (Ceri), Túlio de Oliveira, afirmou na última quinta-feira (25) que a variante surpreendeu os virologistas, porque "deu um grande salto na evolução e tem muito mais mutações do que se esperava.

A variante apresenta 50 mutações no total e mais de 30 na proteína S, as mais preocupantes, pois é a partir dela que são produzidas as vacinas. Se sua estrutura é muito alterada em relação à usada para a produção de vacinas contra Covid-19, existe a preocupação sobre a eficácia dos imunizantes. 

> O que se sabe sobre a dose de reforço das vacinas contra a Covid-19

Vacinas e a nova variante

Ainda não há pesquisas suficientes sobre como a B.1.1.529 atua e nem como ela reage às vacinas e anticorpos de quem desenvolveu imunidade natural ao vírus.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) afirmou que está monitorando de perto a nova variante, mas que é "prematuro" dizer se seriam necessárias vacinas atualizadas para combatê-la. 

— A EMA considera prematuro no momento prever a necessidade de uma vacina adaptada com uma composição diferente para lidar com essa variante emergente —, disse a agência em nota à AFP.

> Reações da segunda dose da Pfizer; veja os sintomas mais relatados

A variante é mais contagiosa?

Ainda não é possível saber o nível de contágio da B.1.1.529. O diretor do Centro para Resposta a Epidemias e Inovação da África do Sul (Ceri), Túlio de Oliveira, afirmou que a B.1.1.529 "tem potencial para se espalhar muito rapidamente", e que os cientistas estão trabalhando "24 horas por dia" para entender os efeitos da nova variante em cinco pontos: transmissibilidade; efeito das vacinas; possibilidade de reinfecção; severidade da doença e diagnóstico.

> Nova variante do coronavírus detectada na Colômbia é monitorada pela OMS

Quais países restringiram viagens? 

Uma das principais preocupações que envolvem a propagação de doenças infectocontagiosas, como a Covid-19, está ligada às viagens para o exterior. Reino Unido, Itália, Alemanha, França, República Tcheca e Israel são exemplos de países que decidiram proibir a entrada de pessoas vindas de países do Sul da África. 

No Brasil, a Anvisa emitiu uma nota técnica com recomendações ao governo para restringir temporariamente voos e viajantes vindos da África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue. O Governo Federal ainda não anunciou se as orientações serão acatadas.

Variantes do SARS-CoV-2

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) faz um trabalho de monitoramento constante às linhagens do coronavírus presentes no país. Por serem muito simples, os vírus como o SARS-CoV-2 mudam mais rápido do que outros microorganismos, sendo classificados em linhagens por pequenas diferenças no material genético. 

Veja as variantes em circulação no Brasil

  • Variante Alpha, identificada na Inglaterra
  • Variante Beta, identificada na África do Sul
  • Variante Gama, identificada em Manaus
  • Variante Delta, identificada na Índia 
  • Variante Mu, identificada na Colômbia
  • Variante Lambda, identificada no Peru

*Com informações da Folhapress e AFP

Saiba mais sobre as variantes da Covid-19

Leia também

Quais os riscos de não tomar a segunda dose de vacina da Covid-19

Reações da vacina contra Covid: entenda como acontecem

Pode beber depois de tomar a vacina da Covid-19?

Colunistas