nsc
dc

Coronavírus

Oeste de SC deve ter medidas drásticas contra Covid, diz secretário de saúde

André Motta embarca para Chapecó nesta segunda-feira (15) para pensar ações que amenizem a situação local

15/02/2021 - 06h59

Compartilhe

Catarina
Por Catarina Duarte
Região Oeste vive colapso no sistema de saúde
Região Oeste vive colapso no sistema de saúde
(Foto: )

Se medidas mais drásticas não foram adotadas pelas prefeituras do Oeste, os impactos da pandemia devem ser sentidos por muito tempo. Essa é a avaliação do secretário de Estado da Saúde, André Motta, sobre o colapso no sistema de saúde enfrentado na região. Motta embarca nesta segunda-feira (15) para Chapecó onde trabalhará numa força-tarefa para pensar ações rápidas que amenizem a situação atual.

— Nós estamos dando todo o apoio possível. Nossa intenção é oferecer saúde para todas as pessoas. A gente está indo para entender o impacto do que está acontecendo lá, mas se não houver decisões de gestão local, de atitudes mais drásticas e pontuais, a circulação continua alta do vírus e os impactos serão perpetuados por bastante tempo — afirmou Motta em entrevista à NSC TV na manhã desta segunda.

> Clique aqui e receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

Além de Motta, embarcam o chefe da Casa Civil, Eron Giordani, e uma equipe da Secretaria de Saúde. A ida dos secretários foi determinada pelo governador Carlos Moisés no domingo (14). O objetivo é que seja instalado um gabinete de crise para reforçar as ações do governo do Estado na região.

Novos decretos

O fim de semana teve novos decretos em Chapecó. Após afirmar que não faria um lockdown, o prefeito do município anunciou medidas mais rígidas. Igrejas, cinemas e teatros não podem funcionar. Restaurantes tiveram o horário de funcionamento alterado e podem funcionar das 10h às 14h e das 18h às 22h.

> "Estamos em estágio de colapso", afirma prefeito de Chapecó sobre situação do coronavírus

As medidas valem até o dia 22 de fevereiro e, em caso de descumprimento, os estabelecimentos podem ser interditados e até mesmo multados em até R$ 150 mil. No sábado (13), um decreto já havia proibido as aulas presenciais em escolas públicas e particulares.

Leia mais:

Casos ativos de covid-19 crescem pelo sexto dia seguido e se aproximam de 20 mil pacientes em SC

Com piora no quadro, prefeitura de Chapecó pede ajuda a médicos que atuam em Manaus

Chapecó anuncia restrições mais rígidas e fecha bares, cinemas e igrejas

Colunistas