nsc
dc

Palácio do Planalto

"Ou fazemos eleições limpas no Brasil ou não temos eleições", diz Bolsonaro em nova ameaça

Presidente tem feito recorrentes afirmações falsas em relação ao pleito no país

08/07/2021 - 13h57 - Atualizada em: 08/07/2021 - 14h57

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido)
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido)
(Foto: )

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez nesta quinta-feira (8) novas ameaças em relação ao pleito do ano que vem, quando ele deve disputar a reeleição.

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

"Eleições no ano que vem serão limpas. Ou fazemos eleições limpas no Brasil ou não temos eleições", declarou a apoiadores, em frente ao Palácio da Alvorada. A fala foi transmitida por um site bolsonarista.

Bolsonaro tem feito recorrentes afirmações falsas sobre as eleições no Brasil, com acusações infundadas de que pleitos passados foram fraudados e que ele só será derrotado em sua tentativa de reeleição caso haja irregularidade semelhante.

A principal estratégia do presidente é questionar a segurança das urnas eletrônicas, sistema usado desde 1996 e considerado eficiente e confiável por autoridades e especialistas no país.

> “Não tenho como saber o que acontece nos ministérios”, diz Bolsonaro sobre compra da Covaxin

O próprio Bolsonaro foi eleito para o Legislativo usando o sistema em diferentes ocasiões, assim como venceu o pleito pelo Palácio do Planalto da mesma forma.

O mandatário defende a adoção do voto impresso -segundo ele, auditável. Tramita no Congresso uma proposta nesse sentido, mas a ideia conta com oposição de uma coalizão de partidos, alguns deles da base de Bolsonaro.

Na quarta (7), ao defender o voto impresso nas eleições de 2022, ele disse que, sem o artifício, um dos lados da disputa eleitoral questionaria o resultado e que, "obviamente", este seria o lado dele.

> Vacinação da Covid em SC: locais, fases de aplicação, idades e tudo sobre

"Eles vão arranjar problemas para o ano que vem. Se este método continuar aí, sem, inclusive, a contagem pública, eles vão ter problemas. Porque algum lado pode não aceitar o resultado. Este algum lado, obviamente, é o nosso lado, pode não aceitar o resultado", disse Bolsonaro em entrevista à Rádio Guaíba, do Rio Grande do Sul.

A declaração de Bolsonaro de quarta provocou uma reação do presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, que soltou nota para rebater o chefe do Executivo.

Na mesma entrevista, Bolsonaro fez nova defesa do voto impresso, reafirmou que apresentaria provas de que houve fraudes nas eleições de 2014 e 2018 e afirmou falsamente que, na disputa entre Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB), foi o tucano quem venceu o pleito.

> Entenda o que é uma Comissão Parlamentar de Inquérito

"O nosso levantamento aqui, né, o nosso levantamento, feito por gente que entende do assunto, que esteve presente lá dentro, acompanhou toda a votação, ele garante que sim [Aécio foi eleito]."

"E o que eu vi, eu não sou técnico em informática, mas o que eu vi, está comprovado, no meu entender, a fraude em 2014. O Aécio foi eleito em 2014", disse o presidente, sem apresentar nenhuma evidência -naquele disputa Dilma Rousseff (PT) foi reeleita com 52% dos votos, ante 48% do tucano Aécio, com vantagem de cerca de 3,5 milhões de votos.

A denúncia dos irmãos Miranda e o caso da Covaxin

Leia também 

Covaxin: entenda as suspeitas relacionadas à compra da vacina pelo governo Bolsonaro

Impeachment de presidente: entenda como funciona o processo

4 motivos para não escolher a marca da vacina contra a Covid-19

Efeitos colaterais da astrazeneca; veja os sintomas mais relatados

Colunistas