nsc
hora_de_sc

maternidade

Parto empelicado: descubra o que é e como acontece

Estima-se que a cada 80 mil partos, apenas um é considerado assim

13/02/2021 - 10h00 - Atualizada em: 13/02/2021 - 19h35

Compartilhe

Redação
Por Redação Hora
Parto empelicado é quando o bebê nasce dentro da bolsa de líquido amniótico, sem rompê-la
Parto empelicado é quando o bebê nasce dentro da bolsa de líquido amniótico, sem rompê-la
(Foto: )

Bastante raro, o parto empelicado é interessante e considerado um fenômeno natural e bonito. Isso porque o bebê ao nascer pode ser visto ainda dentro da bolsa de líquido amniótico que o protege durante as 40 semanas, em média, de uma gestação. 

> Saiba como receber notícias do NSC Total no WhatsApp

Por que o parto empelicado ocorre

O que ocorre normalmente é que a bolsa estoure, indicando que o bebê está prestes a nascer. Portanto, às vezes, a mãe vê o líquido amniótico se soltar horas ou momentos antes do parto. Quando esta película fina e transparente que envolve o feto dentro da barriga não se rompe, acontece o chamado parto empelicado. 

Nestes casos em que a bolsa permanece intacta, não há danos à mãe ou ao recém-nascido. Apesar de uma bela cena, o médico tem que, de um a três minutos, tempo em que o bebê continua recebendo nutrientes da mãe, fazer um pequeno corte na bolsa usando uma pinça específica. 

> Mulher faz parto no banheiro de casa com ajuda dos bombeiros em São Francisco do Sul

Desta forma, a bolsa se rompe, o líquido sai e o bebê é então retirado. Dali, ele segue para os procedimentos, testes e exames necessários que são realizados pelo pediatra neonatal e objetivam atestar o seu estado de saúde geral.  

Frequência deste tipo de parto

As grávidas gostam de saber os detalhes que envolvem o desenvolvimento do bebê em seu ventre e também as particularidades das diversas formas de dar à luz, assim como cada tipo de parto. 

O parto empelicado é raro. Estima-se que a cada 80 mil partos, apenas um é considerado assim. 

Um detalhe interessante é que o parto empelicado tem mais chance de ocorrer em cesarianas. A razão disso é que há maiores chances de rompimento da bolsa quando o bebê é expelido pela vagina. 

Porém, o parto empelicado também é possível em partos normais, em especial quando o bebê é prematuro. Nesta situação, o tamanho do saco amniótico é menor, permitindo que o bebê e a bolsa passem mais facilmente pelo canal vaginal.

Embora raro, este tipo de parto não traz qualquer risco para o bebê ou para a mãe e, em muitos casos, pode até ajudar a proteger o bebê de alguma infecção que a mãe possa passar.

O parto empelicado não prejudica o bebê nem a mãe

Existe até uma vantagem para os nascimentos via parto empelicado. Em alguns casos, por exemplo, quando a parturiente tem alguma doença infecciosa, o bebê não deve entrar em contato com o sangue da mãe para não se contaminar pelo mesmo agente. 

Se a mãe for HIV positivo, este tipo de ocorrência evita que o sangue da mãe toque o bebê durante o nascimento, transmitindo a doença. Ou seja, o parto empelicado impede o vínculo direto.

Outro benefício do parto empelicado é que ele protege o bebê contra possíveis traumas ou escoriações na hora do nascimento.

> “Quando descobrimos, ficamos em choque", conta mãe de trigêmeos idênticos que nasceram em Blumenau

Durante a gravidez, o líquido amniótico tem papel fundamental  

Enquanto o bebê está dentro do saco amniótico, continua recebendo todos os nutrientes e oxigênio através do cordão umbilical, não existindo qualquer risco para a sua sobrevivência.

É possível prever ou programar este tipo de parto? 

Mesmo apresentando este benefício, o parto empelicado dificilmente é programado apenas por vontade da mãe ou do médico. Ele ocorre de maneira natural e espontânea. 

A natureza é sábia ao proteger, por exemplo, o bebê prematuro mantendo-o por mais tempo dentro do saco amniótico que o ajuda a se proteger de algum trauma no parto, como hematomas e até fratura.  

Neste contexto, o que pode ser raramente verificado é o fato de a grávida ter uma doença altamente transmissível e o obstetra agendar uma cesárea pra retirada prematura do bebê, por volta da 38ª semana. 

Durante o parto, a equipe médica tenta pegar o bebê sem que haja o rompimento do saco amniótico. O objetivo é evitar o contato do recém-nascido com o sangue infectado da mãe. Mas ninguém pode garantir que a tática dê certo.  

> Bebê nasce às margens da rodovia SC-401, em Florianópolis

Casos recentes são registrados em Santa Catarina

O Estado de Santa Catarina registrou, recentemente, dois casos de parto empelicado. Um em Içara e outro em Criciúma. Ambos foram em gêmeos.

Em 8 de fevereiro deste ano, um dos gêmeos estava envolto pela placenta e com todo o líquido amniótico preservado. O parto foi feito sem problemas no Hospital São Donato, em Içara. A mãe Sabrina Euzébio de Oliveira deu à luz às 8h55 ao Caio, que teve a bolsa rompida. 

> Parto empelicado: nascimento raro é registrado no Sul de SC

Parto empelicado
Parto empelicado foi realizado em fevereiro deste ano no Hospital São Donato de Içara
(Foto: )

Depois de quatro minutos, foi a vez de Kadu, que estava uma placenta intacta. O pai dos gêmeos, Jones Alves Bauer contou que ele e a mãe não esperavam que Kadu chegasse dentro da bolsa. "Pudemos ver como o bebê fica dentro da barriga da mãe. Foi uma grande emoção", disse.

> Parto raro: bebê nasce dentro da bolsa amniótica em SC

Os gêmeos Brayan e Emanuel nasceram em 5 de novembro de 2020, no Hospital Materno-Infantil Santa Catarina, em Criciúma. Um deles estava empelicado. Brayan foi o primeiro a nascer e Emanuel veio na sequência, ainda dentro da bolsa que não se rompeu. 

O parto ocorreu sem nenhuma intercorrência e tanto os gêmeos quanto a mãe passam bem.

Leia também

Alimentação, pós parto, enxoval: dúvidas de maternidade reunidas em um único lugar, será que é possível?

Ansiedade infantil e a relação com a alimentação

Chocolate pode prevenir doenças cardiovasculares e ósseas, além de reduzir estresse

Colunistas