nsc
dc

Digital Influencer

Perita criminal de SC faz sucesso no Instagram ao revelar rotina: 'Profissão apaixonante'

No seu perfil, a "perita influencer" posta fotos de cenas do crime e bastidores do seu trabalho e treinamentos

03/06/2021 - 05h00

Compartilhe

Fernanda
Por Fernanda Mueller
Em seu perfil no instagram, Renata se descreve como "Analista de manchas de sangue"
Em seu perfil no instagram, Renata se descreve como "Analista de manchas de sangue"
(Foto: )

Não é comum você encontrar alguém no Instagram que se descreve como "analista de manchas de sangue". O perfil da perita criminal Renata Botelho Brasil, 35 anos, no entanto, não tem nada de assustador. Pelo contrário, a catarinense tem usado as redes sociais para explicar o próprio trabalho de forma didática e mostrar a importância da perícia para resolver crimes.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

No perfil pessoal no Instagram, a "perita influencer", que atua no Instituto Geral de Perícias de SC (IGP), em Rio do Sul, no Alto Vale do Itajaí, posta fotos de cenas do crime e bastidores do seu trabalho e treinamentos. Ela mostra que a profissão vai muito além do glamour que as séries de televisão norte-americanas, como CSI e Dexter, mostram. Por trás de cada investigação, são necessários muito estudo e análises baseadas na ciência. 

Renata está fazendo um experimento com luzes forenses para busca de vestígios biológicos em locais de crime
Renata atualmente está fazendo um experimento com luzes forenses para busca de vestígios biológicos em locais de crime
(Foto: )

— Eu comecei a usar o Instagram para encontrar colegas de outros estados, porque aqui a gente fica um pouco sozinho, somos apenas três peritos. Então, eu vi que as pessoas começaram a divulgar a perícia, de uma forma responsável. Ou seja, não mostrando pessoas. A gente mostra situações, não aponta, não fala de caso específico — explica. 

Tudo começou como uma forma de se conectar com colegas de profissão, mas Renata viu a oportunidade de ir além.  

— Na verdade, o que eu quero é falar que a perícia é imprescindível. Que ela é importante, que ela tem que ser isenta. Ela não pode ser influenciada pela investigação policial, que é subjetiva. Porque a gente vai provar o que realmente aconteceu usando a ciência — explica a perita. 

> Professor da UFSC usa TikTok para tirar dúvidas sobre vacina contra Covid-19

No curso de manchas de sangue, Renata analisou o comportamento de uma fonte de sangue com objetos contundentes
No curso de manchas de sangue, Renata analisou o comportamento de uma fonte de sangue com objetos contundentes
(Foto: )

O começo na carreira de perita criminal 

Natural de Florianópolis, Renata conta que começou na profissão há 11 anos por acaso. Formada em fonoaudiologia, ela passou em um concurso para perito criminal na Capital, na área de fonética, para atuar analisando e comparando a voz de suspeitos de um crime.

— Fui chamada para o concurso e entrei na academia de perícia. Na academia, a gente aprende não só sobre a área para a qual a gente foi chamado, mas também em geral. Então, eu sempre digo que eu não escolhi a profissão, que ela acabou me escolhendo. Porque nunca fui daquelas pessoas que assistia séries e tudo mais, sabe? Foi natural — conta.  

Depois de um ano atuando na área de fonética em Florianópolis, ela foi morar em Rio do Sul. Como a análise de voz é feita apenas em laboratórios nos maiores municípios do Estado, como Florianópolis e Joinville, em outras cidades os peritos precisam analisar os crimes de forma geral. Foi quando Renata começou a atuar em todas as áreas da perícia. 

— Cada vez mais eu me apaixono pela profissão, porque a gente vê que pode resolver os crimes e trazer justiça, por meio de aspectos objetivos. A gente não lida com uma investigação subjetiva, do que, por experiências próprias e pessoais, achamos que pode ter acontecido. A gente lida com provas materiais. Eu tenho que coletar os materiais, fazer uma análise científica e resolver os crimes dessa forma. Então, isso é apaixonante, sabe? — diz a perita. 

> Caso Evandro: o que aconteceu e as teorias do crime da série na Globoplay

Diferenças entre a profissão nas séries e a vida real 

Renata relata que depois que começou a trabalhar na área, passou a assistir algumas séries que fazem sucesso para ver como a profissão é retratada. Ela explica que, apesar de ser ficção, há processos semelhantes, mas o tempo que leva para a resolução dos crimes é muito maior na vida real. Além disso, todo o glamour da televisão não existe na prática.

— Há uma semelhança em relação às evidências que são coletadas, mas não é tão rápido assim. Você não coleta a amostra, vai lá no banco de dados e pronto. As coisas são um pouco mais lentas. E também não é tão glamouroso como aparece nas séries. A gente vai no meio do mato, sai toda suada e com lama no pé — conta ela. 

> Qual streaming tem o filme ou a série? Veja como pesquisar

A perita lembra que já ajudou a solucionar casos marcantes. Desde uma ocorrência de furto em que a papiloscopia (coleta de digital em local de crime) apontou o autor, até um caso de feminicídio em Ituporanga, em que o namorado matou e esquartejou a vítima. O exame pericial de reprodução simulada junto com o exame de busca de vestígios com a utilização de luminol apontou a dinâmica do crime (local de esquartejamento).

Coleta de vestígios no local do crime
Coleta de vestígios no local do crime
(Foto: )

"Perita influencer" 

As postagens de Renata no Instagram atingiram um grande público. Até a publicação desta reportagem, seu perfil tinha 8,3 mil seguidores. Hoje, ela é uma referência no Estado e influencia outras pessoas da área a postarem sobre o seu trabalho para desmistificar os processos e mostrar a importância dos profissionais da perícia: 

— Eu fui uma das primeiras do Estado a fazer, e no começo é difícil, porque existe um preconceito. Mas as pessoas me apoiaram, a minha direção também me apoia. E agora alguns servidores novos também começaram a usar o Instagram. Eu fico feliz que estou sendo referência pra isso, pra que a gente possa divulgar de forma responsável a perícia. Não falando como a gente faz, mas que o resultado daquilo é benéfico para a população.

Leia também

Como ver curtidas do Instagram e Facebook

Erosão no Morro das Pedras: fotos impressionantes mostram destruição em praia de Florianópolis

Conheça os 16 animais mais estranhos e raros vistos em SC

Colunistas