nsc
dc

Fiscalização

Polícia encerra festa de aniversário em São José e abordagem recebe críticas

Policiais invadiram casa e conduziram mulheres à delegacia; deputado Eduardo Bolsonaro repudiou conduta dos agentes: “bom senso zero”

14/03/2021 - 20h46

Compartilhe

Jean
Por Jean Laurindo
Deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, compartilhou postagem criticando ação da PM
Deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, compartilhou postagem criticando ação da PM
(Foto: )

A Polícia Militar encerrou uma festa de aniversário na noite deste sábado (13) em uma casa no bairro Barreiros, em São José, na Grande Florianópolis. A ocorrência terminou em discussões entre os envolvidos, teve disparos de tiro de borracha e três pessoas conduzidas à delegacia. A abordagem dos policiais vem despertando críticas nas redes sociais, que partiram até do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro.

> Apoiadores do governo Bolsonaro fazem carreatas contra lockdown em cidades de SC

O 7º Batalhão da Polícia Militar de SC, responsável pela área de São José, divulgou uma nota em que afirma que os policiais foram acionados por conta de denúncia de aglomeração, som alto e descumprimento das regras de saúde contra a Covid-19.

Segundo a PM, os moradores teriam dito que se tratava de uma festa em uma residência privada e que os agentes não entrariam no local sem mandado judicial. Logo em seguida, conforme o texto da corporação, os policiais pediram reforço para entrar na casa.

A PM argumenta ainda que os policiais teriam sido hostilizados com gestos e palavras e que houve a necessidade de disparo de balas de borracha “por causa da resistência e pela dificuldade de diálogo aos pedidos de atendimento”, segundo a nota da polícia.

Duas mulheres e uma adolescente de 13 anos foram conduzidas à delegacia. Segundo a PM, as mulheres teriam ofendido e arranhado o rosto e a nuca de policiais que atendiam a ocorrência. O aparelho de som também foi apreendido.

O comandante do 7º BPM, tenente-coronel André Rodrigo Serafin, explica que os policiais decidiram entrar na residência porque os participantes da festa teriam se recusado a baixar o som e encerrar o evento. Por conta disso, a equipe pediu reforço e entrou na casa para apreender o equipamento de som e notificar as pessoas que estavam no local para registrar a ocorrência. Foi nesse momento, segundo ele, que houve resistência e os policiais precisaram fazer disparos de balas de borracha.

O comandante argumentou ainda que a entrada na residência foi justificada porque os envolvidos estariam em flagrante delito de perturbação do sossego e descumprimento das normas sanitárias em vigor no Estado, que proíbem festas e aglomerações.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Abordagem teve críticas nas redes sociais

A abordagem dos policiais no local vem sendo criticada nas redes sociais. Além disso, também acentua ainda mais a divisão entre grupos favoráveis e contrários a medidas de maior restrição contra o avanço da Covid-19.

Perfis de movimentos conservadores criticaram a abordagem adotada pela polícia na ocorrência. As reclamações envolvem o fato de haver poucas pessoas no evento e a entrada dos policiais, com discussão, supostas agressões e condução à delegacia.

Uma das publicações foi compartilhada pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que acrescentou críticas à conduta dos policiais.

"Crime: reunir-se com amigos para celebrar aniversário? Vergonha do policial que se presta a isso, bom senso zero, senso de responsabilidade zero", escreveu.

A publicação compartilhada pelo deputado afirma que havia apenas cinco pessoas na residência. A polícia afirma que havia ao menos 12 pessoas, mas que suspeita que alguns participantes deixaram o local antes da abordagem.

A Polícia Militar afirmou em nota que um inquérito policial militar será instaurado para apurar se houve abusos por parte dos policiais. Apesar disso, após ver imagens de celulares e câmeras corporais dos policiais neste domingo, o comandante da PM de São José sinalizou apoio à ação dos policiais.

– Do que vi até agora, se viu uma ação legítima e regular da PM, numa residência em que as pessoas, talvez devido a estarem em uma festa há muito tempo, com alto consumo de bebida alcoólica, estavam alteradas e acabaram formando desrespeito, ofenderam policiais e geraram todo esse transtorno, que não aconteceu em outras 304 ocorrências geradas em São José no último fim de semana – afirmou.

> Chá de bebê com aglomeração e pessoas sem máscara é encerrado pela polícia em Chapecó

PM contabiliza 11 interdições até este domingo

O terceiro final de semana com lockdown parcial em Santa Catarina, em que apenas atividades essenciais estavam permitidas, teve 3.287 fiscalizações feitas pela Polícia Militar entre a noite de sexta-feira (12) e a tarde deste domingo (14).

Segundo o balanço parcial do comando da PM de SC, houve 11 interdições de estabelecimentos comerciais e 117 notificações. A polícia afirmou que, mesmo buscando orientar e mediar conflitos, foram registrados 27 boletins de ocorrência, 55 prisões e 335 termos circunstanciados.

No acumulado dos três finais de semana de restrições, a PM de SC contabilizava até este domingo 40.824 fiscalizações, 104 interdições e 1.506 notificações. Em todo esse período, houve ainda 106 prisões, 1.386 termos circunstanciados e 130 boletins de ocorrência.

Denúncias de aglomerações ou descumprimento das normas previstas no decreto estadual podem ser feitas pelo telefone 190 e pelo aplicativo de celular PMSC Cidadão, disponível nas plataformas IOS e Android.

Leia também

> "Somos o epicentro da nova cepa do coronavírus", diz secretário de Saúde de SC

> O que é lockdown e como a medida de isolamento serve contra a Covid-19​

> Jovens filmam própria festa clandestina e Guarda encerra aglomeração em Florianópolis

Colunistas