nsc
dc

Eleições 2020

Segundo turno: entenda a disputa nas principais capitais pelo Brasil

Nos demais estados, eleitores de 55 cidades retornam às urnas neste domingo para o 2º turno da corrida eleitoral

29/11/2020 - 13h00

Compartilhe

Everton
Por Everton Siemann
segundo-turno-eleicoes-2020-disputa-pelo-brasil-principais-cidades
Disputa nas principais cidades tem situações curiosas, como embate entre primos e candidato que nem sabe que está no 2º turno
(Foto: )

Nes domingo, dia 29 de novembro, eleitores irão decidir quem comandará a respectiva prefeitura a partir de 1º de janeiro de 2021 em 57 municípios do Brasil. São locais com mais de 200 mil eleitores, onde há a possibilidade do 2º turno nas eleições deste ano. Duas cidades são catarinenses: Blumenau e Joinville.

> Em site especial, saiba tudo sobre as Eleições 2020

Entre as 55 demais, 18 delas são capitais. E a disputa por votos em algumas delas é recheada de curiosidades. 

Confira a seguir detalhes da corrida pelos votos em seis grandes cidades do país:

Cuiabá tem disputa entre novato e experiente

No Mato Grosso, os eleitores da capital Cuiabá vão às urnas para definir que comandará a cidade. A disputa é entre o atual prefeito, Emanuel Pinheiro (MDB), e o novato Abílio Júnior (Podemos). Abílio tem 36 anos e concorre pela primeira vez ao cargo de prefeito, enquanto Pinheiro, aos 55, concorre à reeleição e disputa o cargo pela terceira vez. 

Candidato de Goiânia luta contra a Covid-19

Em Goiânia (GO), Maguito Vilela (MDB) e Vanderlan Cardoso (PSD) disputam a preferência dos eleitores. Vilela foi o mais votado no 1º turno, com 217.194 votos (36,02% dos válidos). Ele está internado na UTI do Hospital Albert Einsteins, em São Paulo, em tratamento contra a Covid-19. Entubado, o emedebista nem sabe que está na disputa do 2º turno. Aos 71 anos, ele está internado desde 27 de outubro. Em agosto, ele perdeu duas irmãs para a Covid-19 em um intervalo de menos de dez dias.

Porto Alegre tem campanha nas redes sociais e nas ruas 

No Rio Grande do Sul o 2º turno será disputado em cinco cidades: a capital Porto Alegre, mas Canoas, Caxias do Sul, Pelotas e Santa Maria. Na capital, Sebastião Melo (MDB) e Manuela d’Ávila (PCdoB) se enfrentam. O atual prefeito, Nelson Marchezan Júnior (PSDB), ficou em 3º lugar no 1º turno. Na reta final da campanha, Manuela e Melo investiram nas redes sociais e foram às ruas conversar com os eleitores.

> Eleições em Porto Alegre: as propostas de educação, saúde e mobilidade de Manuela D'Ávila e Sebastião Melo

Quais as medidas contra o coronavírus no segundo turno?

Disputa de família marca eleição de Recife

No Pernambuco, os eleitores votarão no 2º turno em dois municípios: Paulista e a capital Recife. Na capital, a disputa é em família: os adversários João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT) são primos. João é filho do ex-governador Eduardo Campos, enquanto Marília é neta de Miguel Arraes, patriarca da família. Antigos desgastes familiares inflamam a disputa pela prefeitura.

> Segundo turno: o que pode e o que não pode no dia da votação

Racha do voto evangélico e fake news na disputa do Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro, quatro cidades têm disputa no 2º turno: a capital, mais Petrópolis, São Gonçalo e São João de Meriti. Na capital, o atual prefeito, Marcelo Crivella (Republicanos), concorre contra o ex-prefeito Eduardo Paes (DEM). A disputa no Rio tem sido marcada pelo racha do voto evangélico e fake news.

São Paulo enfrenta disputa acirrada

Em São Paulo, eleitores de 16 irão às urnas para o 2º turno: a capital, além de Bauru, Campinas, Diadema, Franca, Guarulhos, Limeira, Mauá, Mogi das Cruzes, Piracicaba, Praia Grande, Ribeirão Preto, São Vicente, Sorocaba, Taboão da Serra e Taubaté. Na capital paulista, atual prefeito, Bruno Covas (PSDB), enfrenta Guilherme Boulos (PSOL). As pesquisas mostram uma disputa acirrada.

> Covas x Boulos: o que está em jogo no 2º turno em São Paulo

Leia também:

​​> Curiosidades que marcaram a disputa eleitoral em Santa Catarina

> Análise: eleitor mostrou ter saudade do ‘antigo normal’ na política

> Sete em cada 10 prefeitos que tentaram a reeleição se elegeram em SC; média é maior que a nacional

Colunistas