nsc
an

Tragédia

"Só pensava em salvar minhas colegas", conta motorista de carro atingido por árvore em Itaiópolis

Ele sobreviveu ao acidente que causou a morte de uma mulher de 37 anos

02/07/2020 - 06h28

Compartilhe

Cláudia
Por Cláudia Morriesen
foto mostra carro que foi atingido por árvore
Carro foi atravessado pela árvore, um eucalipto de grande porte, em Itaiópolis
(Foto: )

Itaiópolis foi uma das cidades catarinenses que, nesta terça-feira (30), registrou mortes durante o ciclone que atingiu todo o Estado. Miraci Fernandes, 37 anos, morreu após o carro em que ela estava ser atingido por uma árvore, na zona rural da cidade. Alex Moreira Bueno, 20 anos, era o motorista, e sobreviveu ao acidente com apenas um arranhão na mão. Da tarde da última terça-feira, ele levará as lembranças dos 40 minutos em que correu para buscar ajuda, as memórias de uma amiga querida e uma sensação: foi contemplado com um milagre.     

"Estava sempre batalhando pelos filhos", recorda amiga de mulher que morreu durante ciclone em Itaiópolis

Miraci e Alex já se conheciam por frequentarem a mesma igreja em Itaiópolis, mas trabalhavam juntos há apenas dois dias — ela havia acabado de ser contratada pela funerária onde ele trabalha há quase um ano. Na terça-feira, deixaram a empresa com outra colega para realizar uma das atividades: vender planos funerários "de porta em porta". O céu estava claro, o dia estava ensolarado e o grupo nem imaginava que um ciclone extratropical passava pelo Estado e logo transformaria totalmente aquele dia de trabalho.

— Itaiópolis é uma cidade pequena, mas tem muitos moradores na zona rural. Por isso, fomos até uma localidade do interior, a cerca de 27 quilômetros do centro da cidade, e estávamos fazendo o caminho de volta. Foi quando eu ouvi o estouro da árvore caindo sobre o carro e vi o clarão de quando passou pela fiação elétrica — recorda Alex.

A árvore, um eucalipto, dividiu o carro. O jovem olhou para os lados, mas não conseguiu enxergar a colega que estava sentada ao lado, nem Miraci, que estava no banco de trás. Ele lembra de sair depressa do veículo e correr por cerca de 800 metros, debaixo da tempestade, para procurar ajuda. Com o rompimento da rede elétrica, não havia sinal de celular, e ele não conseguia fazer ligações nem mandar mensagens.

— Corri por uns cinco minutos até encontrar moradores daquela região. Tivemos que voltar e passar pelo local do acidente para pegar o carro e ir em busca de um local onde podíamos ligar para os bombeiros, porque ninguém conseguia telefonar. Foram mais uns 35 a 40 minutos até chegarmos a um posto. Eu só conseguia pensar em achar um jeito de salvar minhas colegas — conta ele. 

Joinville registrou ventos de 120 quilômetros por hora

Bombeiros precisaram usar técnicas de desencarceramento 

Os Bombeiros Voluntários de Itaiópolis foram acionados às 16 horas. Uma viatura de atendimento pré-hospitalar e uma unidade de resgate foram enviadas para o local. Miraci e a outra mulher estavam presas nas ferragens, e os bombeiros precisaram usar ferramentas hidráulicas para concluir o resgate. Miraci, no entanto, não havia resistido aos ferimentos e morreu no local. 

A outra vítima, ocupante do banco do carona, apresentava suspeita de fraturas, escoriações e um corte contuso na face. Nesta quarta-feira ela ainda estava internada, em observação. Alex passou por exames, mas o único ferimento que é possível de identificar é um arranhão na mão. 

Depois de chamar os bombeiros, ele ainda permaneceu no local do acidente para esperar a perícia e sua grande preocupação era que a notícia não chegasse equivocada aos pais já que, das três vítimas do acidente, apenas uma foi encaminhada imediatamene ao hospital.

— Hoje, quando acordei, não conseguia mais acreditar no que aconteceu. Parece que foi um filme, que não aconteceu comigo. Eu acredito que Deus operou um milagre na minha vida — afirma. 

Temporal causou estragos em todo o Estado; veja imagens

Uma mulher guerreira

Miraci estava no segundo dia de trabalho e completava 37 anos na terça-feira. Ela deixou três filhos, pelos quais batalhava muito para oferecer uma vida melhor. Esta característica foi lembrada pela amiga Cleunice de Fátima Squioquet em entrevista ao A Notícia: era uma mulher guerreira, que batalhava independentemente das condições de tempo para conseguir sustentar os três filhos sozinha.

Para Alex, ficou a memória de uma mulher que não parecia acreditar em perder tempo com tristeza ou mau humor.

— Ela era sensacional. Muito extrovertida, estava sempre sorrindo, não importava onde você a encontrasse. Para ela, não tinha tempo ruim — conta. 

Estragos ocorreram em todo o Estado

Fortes rajadas de vento causadas pela formação de um ciclone atingiram praticamente todas as regiões de Santa Catarina na tarde de terça-feira (30), deixando um rastro de destruição. Ao menos nove mortes foram confirmadas, e uma pessoa ficou desaparecida. O vendaval começou na região Oeste ainda pela manhã e avançou pelo Estado durante a tarde.

Em Itaiópolis, foram registradas várias diversas ocorrências por causa do vento. Houve quedas de árvores, destelhamentos e uma empresa de fumo teria ficado destruída após a queda de paredes e teto.

Outras cidades da região Norte também contabilizaram estragos causados pela passagem do ciclone. Em Joinville, Canoinhas, Corupá, São Francisco do Sul e outros municípios houve ocorrências como quedas de árvores, destelhamentos e queda de energia elétrica.

Colunistas