nsc
dc

Brasileiro

W.O, saída da Elephant e mais: Figueirense fica na Série B após atravessar turbilhão 

Alvinegro conquista a permanência ao empatar com o CRB 

23/11/2019 - 06h10

Compartilhe

João Lucas
Por João Lucas Cardoso
Jogadores do Figueirense comemoram permanência na Série B
Jogadores do Figueirense comemoram permanência na Série B
(Foto: )

O Figueirense alcançou a permanência e rebaixou quatro times na Série B 2019 - Criciúma, Londrina, São Bento e Vila Nova. Com o empate em 0 a 0 com o CRB nesta sexta-feira, o Figueira se livrou do rebaixamento com uma rodada de antecedência. O time chegou a ter 93,5% de chance de cair para a Série C 2020, passou 18 jogos seguidos sem ganhar e passou 14 rodadas dentro do Z4 - sendo seis na lanterna. O Alvinegro foi o ‘rei do empate’ desta Série B, com 19 igualdades

Mais do que os números, porém, foram os movimentos nos bastidores que marcaram a campanha e a salvação do Figueirense em 2019. Então com uma empresa parceira, a Elephant, mergulhou em profunda crise financeira que teve como reflexo o W.O diante do Cuiabá e greve de jogadores por causa de salários atrasados.

Confira a seguir os principais momentos do extracampo do Figueirense na Série B 2019

Sem concentração

O Figueira terminou as oito primeiras rodadas na oitava colocação, e perto do G4 da Série B 2019. As coisas pareciam correr normalmente até que o jogo contra o Brusque pela Recopa Catarinense, antes da retomada do Campeonato Brasileiro, paralisado por causa da Copa América 2019, no Brasil. Por causa dos salários atrasados - deles e de funcionários -, o grupo de jogadores se recusou a concentrar para a partida.

Saída Hemerson Maria

Após a Copa América, o então técnico do Figueirense Hemerson Maria tornou público o que acontecia dentro do clube, com falta de pagamentos e alegando falta de respeito da então administradora do Figueira, a empresa Elephant. Depois de quatro jogos desde a retomada, dois dias depois do empate em 1 a 1 com o Criciúma, marcado por desabafo do treinador após a partida, ele pediu demissão. O goleiro Denis sairiam dias depois, via judicial.

Greve dos jogadores

Mesmo com a saída do treinador e ele ter tornado público a situação interna do Figueirense, que ia além na falta de pagamentos aos atletas e funcionários, as coisas não mudaram no clube. Insatisfeitos, já sob o comando do técnico Vinícius Eutrópio, os jogadores em conjunto deixaram de treinar depois da derrota por 1 a 0 para a Ponte Preta no Orlando Scarpelli, no começo de agosto.

W.O.

Cinco depois ocorreu o episódio mais marcante da atual temporada. Em Cuiabá, para jogar diante do time da casa, na Arena Pantanal, os jogadores se recusaram a deixar o hotel em que o time estava concentrado. Horas depois, já em atraso, chegaram ao local da partidas. No entanto, sequer entraram em campo. Em manifestação pela falta de pagamento de salários, direitos de imagem, pendência com funcionários e más condições para a categoria de base, eles voltaram ao hotel e o W.O foi aplicado ao Figueirense.

Saída Elephant

A situação entre a gestão Elephant e Figueirense parecia insustentável. O Alvinegro já acumulava 15 jogos seguidos sem vencer quando o Conselho Deliberativo conseguiu um acordo para que a empresa Elephant deixasse a administração do clube. Ainda que tenha sinalizado em um primeiro momento pelo término da parceria, o presidente da Elephant, Cláudio Honigman, relutou o fim. O encerramento foi unilateral, sob a alegação de quebra de contrato.

Pedido de desistência

Insatisfeito, Cláudio Honigman enviou à CBF pedido de desistência da Série B 2019 pelo Figueirense, O documento não foi considerado válido, já que foi feito depois do término do contrato entre clube e Elephant de forma unilateral. No jogo seguinte do Figueira, a torcida alvinegra encheu o Orlando Scarpelli e cantou alto, feliz, mesmo com a derrota por 3 a 0 para o Bragantino, futuro campeão. É que o Alvinegro estava livre da gestão Elephant e de Honigman.

Reestruturação

Do jeito que deu, o Figueirense se reestruturou para a reta final. Encerrou o jejum de 18 rodadas com vitória por 2 a 1 sobre o América-MG e já com novos nomes em campo: o goleiro Pegorari, os laterais Luís Ricardo e Conrado e os atacantes Breno e Jefferson Renan. O técnico Pintado foi contratado e o Alvinegro venceu o Paraná por 2 a 1, fora de casa, e começou a arrancada invicta.

Permanência

A torcida que sofreu durante toda a Série B 2019 terminou sorrindo. A permanência na segunda divisão tem sabor de título para o Figueirense por conta de tudo que ocorreu. O empate em 0 a 0 com o CRB, na noite de sexta-feira, manteve o Figueira e ainda rebaixou Criciúma, Londrina, São Bento e Vila Nova - com uma rodada de antecedência.

Leia mais notícias e opiniões sobre o Figueirense no NSC Total.

Colunistas