nsc
nsc

UTIs cheias

Coronavírus: o alerta que vem do Oeste de Santa Catarina

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
07/02/2021 - 08h27 - Atualizada em: 07/02/2021 - 19h34
Situação das UTIs preocupa no Oeste de Santa Catarina
Situação das UTIs preocupa no Oeste de Santa Catarina (Foto: Alan Pedro/Arquivo DC)

Depois de um janeiro com queda nos índices estaduais do coronavírus, o mês de fevereiro traz um alerta. E ele vem do Oeste de Santa Catarina. Nos últimos dias, o número de leitos de UTI disponíveis para adultos não passou de quatro. Quatro hospitais da região estão praticamente saturados. No meio da semana a ocupação geral era de 97%.

> SC registra mais 14 mortes e 1,5 mil casos ativos de Covid-19

> Hospital Regional do Oeste tem fila de espera para internação

O mesmo não se reproduz para as demais regiões catarinenses. No Sul a capacidade livre de UTIs é de 50%, bem diferente do que se registrou no final de 2020. Mesmo assim, o quadro do Oeste acende o sinal de preocupação. Na Grande Florianópolis há um nítido crescimento na ocupação. O índice que ja chegou a ficar na casa dos 70% em janeiro foi aos 91% de ocupação dos leitos adultos do SUS na região da Capital catarinense.

> Vacina contra a Covid-19: Santa Catarina recebe mais 85 mil doses

> Ivermectina não é eficaz contra Covid-19, diz fabricante do medicamento

Ainda há muitas respostas em aberto sobre essa migração da doença e o fato de que se esperava um janeiro mais preocupante por conta da circulação no verão, algo que felizmente não ocorreu. O que de fato se sabe é que a pandemia continua em alta no Brasil. Os registros do Oeste precisam de resposta rápida dos gestores, tanto municipais como estaduais. Assim como a população na deve baixar a guarda antes da hora.

O governo do Estado tem o papel prepoderante de ferar mais leitos para atendimento. Contudo, os prefeitos precisam agir, e estão no cargo para isso. A doença avança e isso não pode ser ignorado.

Ritmo da vacinação

O ritmo da vacinação em Santa Catarina ainda é lento, se comparado com outros Estados. Segundo dados do consórcio de veículos de comunicação, até o meio da semana estávamos no sétimo lugar entre os que menos vacinaram. Neste processo, as prefeituras ganham protagonismo, e ao mesmo tempo responsabilidade. O que se espera é que diante da baixa quantidade de doses os erros que levam à lentidão possam ser aprendidos para melhorar o ritmo quando houve mais imunizantes.

> Vacina contra a Covid-19: Santa Catarina recebe mais 85 mil doses

> Começa pré-cadastro para vacinação de idosos contra o coronavírus em SC

Todo cuidado

As forças de segurança catarinenses ganharam uma nova missão desde a chegad das primeiras doses de vacina contra o coronavírus ao Estado. O policiamento foi reforçado junto aos pontos de distribuição, principalmente no almoxarifado da secretaria de Saúde, em São José, na Grande Florianópolis. O mesmo esquema de segurança ocorre para o transporte aos municípios e nas gerências regionais de Saúde que recebem os imunizantes para distribuição às prefeituras. Tratando-se da vacina, todo cuidado é pouco.

Leia mais:

Internado na UTI com Covid-19 desde julho, paciente de Curitibanos recebe alta; veja o vídeo

Padre diz que vacina é feita de fetos abortados, causa polêmica e pede perdão: "Retiro totalmente"

Tríplice viral: O que já se sabe sobre o estudo que avalia o impacto na Covid-19

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Mais colunistas

    Mais colunistas