nsc
nsc

Opinião

Governo tratou crise energética como a pandemia, na base do negacionismo

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
05/09/2021 - 11h00
Conta de luz ficará mais cara com nova bandeira tarifária
Conta de luz ficará mais cara com nova bandeira tarifária (Foto: Divulgação)

A crise energética que forçou a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a lançar a bandeira tarifária mais salgada na semana que passou era conhecida há meses. Desde maio, pelo menos, os índices dos reservatórios e as previsões de chuvas abaixo do normal apontavam para um cenário preocupante, em que o risco de apagões é real.

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

São condições que governo nenhum consegue controlar. Diante disso, esperava-se que fosse reconhecido o tamanho do problema e antecipadas as necessárias medidas de mitigação, como as que estão sendo tomadas agora, tardiamente. Ao invés disso, o governo brasileiro lidou com a crise energética da mesma maneira como lidou com a pandemia: enquanto conseguiu, apontou no negacionismo.

STF manda prender caminhoneiro Zé Trovão a pedido da PGR

Respostas a crises como a que o país enfrenta são penosas e impopulares. Em 2001, uma situação muito semelhante à de hoje – que não atingiu SC da mesma forma que o restante do país "graças" às deficiências de transmissão do sistema na época – ajudaram a corroer a popularidade do então presidente Fernando Henrique Cardoso. Bolsonaro não gostaria de repetir o mesmo enredo.

Esse receio levou o governo atual a evitar a falar em racionamento (ainda não fala) e a demorar demais em apelar, por exemplo, para as termelétricas, que têm energia mais cara e impactam em aumento de bandeira – e consequentemente da inflação. A crise pesará no bolso dos brasileiros e terá impacto severo na recuperação da economia, especialmente porque representa um freio na indústria.

Polícia encontra fábrica de artefatos nazistas em SC

Raimundo Celeste Ghizoni Teive, professor de Engenharia Elétrica da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), disse que a situação é grave a ponto de termos que torcer para que a economia não cresça demais, porque o sistema não suportaria. Num cenário em que o país precisa recuperar fôlego após as perdas causadas pela pandemia, essa paralisação é preocupante. Se o problema não era evitável, melhor que fosse previsível.

Prédio balança em Balneário Camboriú com vento e causa "ondas" em triplex de R$ 17 milhões

Leia mais

Lançamento do site do Observatório da Violência Contra a Mulher
Lançamento do site do Observatório da Violência Contra a Mulher
(Foto: )

Observatório

Ao colocar no ar o site do Observatório da Violência Contra a Mulher de Santa Catarina, a Alesc passa a ser o primeiro Legislativo Estadual do país a hospedar essa importante ferramenta de informação e transparência quanto às políticas públicas para as mulheres que são vítimas de agressões. O interessante do site é reunir, num só espaço, serviços e dados que ajudarão no combate a um tipo de crime que desafia as autoridades por exigir um trabalho preventivo, multidisciplinar e especializado.

Emprego

O resultado do Caged em julho mostrou uma forte aceleração no ritmo de geração de empregos em Santa Catarina, que contrasta com os números do país. Somente neste ano, foram criadas quase 140 mil vagas de trabalho formais no Estado. Se o ritmo for mantido, SC pode fechar 2021 com o melhor resultado da história.

Retomada

No Centro Administrativo, os assessores comemoram a retomada e fazem as contas: SC gerou 259.352 postos de trabalho formais de janeiro de 2019 a julho de 2021, durante o governo Moisés. É mais do que o acumulado nos oito anos de governo Colombo – Pinho Moreira, quando o saldo ficou em 255.455 vagas. Há muitas variáveis que independem de governos nesses números, que estão muito ligados à dinâmica própria da economia do setor privado. Mas a tendência é que eles sejam usados com força em 2022.

Alargamento

Nenhuma outra obra em Santa Catarina repercutiu tanto, nos últimos tempos, quanto o alargamento da faixa de areia da Praia Central de Balneário Camboriú. Se, por um lado, expôs o impacto ambiental de uma obra de tamanhas proporções e os questionamentos quanto ao modelo pouco convencional de ocupação do espaço urbano adotado pela cidade, por outro ofereceu uma vitrine nacional que a prefeitura vem ocupando muito bem. Páginas dos principais jornais do país mostraram, nos últimos dias, como a praia mais movimentada da região Sul vai triplicar de tamanho. A tendência é que a exposição reflita em aumento do turismo – e, se a obra funcionar, em ganho político para o prefeito Fabrício Oliveira.

Curtas

- A rifa da Fazendinha, em Nova Veneza, salvou SC da vergonha que o Estado vinha passando no noticiário ao longo dos últimos dias.

- É preocupante a informação de que o governo federal reduziu em 85% a verba para vacinas em 2022. A pandemia não dá sinais de arrefecimento.

- O MPSC está de olho em apoio e incitação de policiais e bombeiros catarinenses a manifestações antidemocráticas. Desvios serão punidos.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz

Leia também

Teve reação à vacina da Covid-19? Saiba o que fazer

Entenda o conflito no Afeganistão com volta do Talibã ao poder em 10 perguntas e respostas​​​​

Variante Delta: veja a eficácia de cada uma das vacinas da Covid​​

Conheça os 16 animais mais estranhos e raros vistos em SC

As diferenças entre as vacinas da Pfizer, Astrazeneca e Coronavac

Nevascas históricas em Santa Catarina; veja fotos e quando aconteceram

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas