nsc
nsc

Análise

Prefeitos de SC gastaram menos do que deviam em educação, mas ganharão salvo-conduto

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
25/09/2021 - 10h53
Sala de aula em Santa Catarina
Sala de aula em Santa Catarina (Foto: Leo Munhoz, Arquivo NSC)

Dezoito prefeituras de Santa Catarina não gastaram o mínimo de 25% do orçamento com educação no ano passado. São municípios que – acredite se quiser – não encontraram onde aplicar recursos no ano mais desafiador que a educação já enfrentou na história recente.

Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

Os dados são da prestação de contas entregues pelos próprios municípios ao TCE. Estão nessa lista desde a pequena São Ludgero até a maior cidade do Estado, Joinville. Também estão ali Araranguá, Balneário Arroio do Silva, Gravatal, Herval do Oeste, Ibirama, Indaial, Jaguaruna, Major Vieira, Maracajá, Otacílio Costa, Passo de Torres, Rio Negrinho, São Joaquim, Siderópolis, Turvo e Xanxerê. Vale lembrar que o próprio Estado não completou os 25%, e as contas do governo Moisés foram aprovadas com essa ressalva.

Kit Covid-19 embalado para presente em SC volta à tona com CPI no Senado

Os gestores públicos que não cumprem o mínimo ganharam um voto de confiança do Senado esta semana com a aprovação em segundo turno da PEC 13/2021, que desobriga temporariamente o gasto de 25% do orçamento com educação. O placar de 61 a 14 contou com os votos dos três senadores catarinenses – Dario Berger (MDB), Esperidião Amin (PP) e Jorginho Mello (PL). Se a proposta passar pela Câmara dos Deputados – o que tende a acontecer – quem não gastar o mínimo está livre de sanções.

Por que o alargamento da praia em Balneário Camboriú atraiu tubarões

Qual é o risco de ser mordido por um tubarão nas praias de Santa Catarina

O salvo conduto valerá para este ano e será retroativo a 2020. A desculpa para fechar a torneira de verbas para a educação é a pandemia. Prefeitos e governadores dizem que arrecadaram menos, que precisaram investir em outras áreas e que é um mau negócio estar com o orçamento amarrado. A bem da verdade, a maioria dos gestores públicos gostaria de abolir o mínimo constitucional. Por isso essa gambiarra pandêmica é vista com tanta desconfiança pelos especialistas em educação e em contas públicas.

Alargamento da praia em Balneário Camboriú é 20 vezes mais rápido do que Copacabana

Um relatório publicado este mês pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), intitulado Education at a Glance 2021, mostrou que o Brasil está entre os poucos países do mundo que não aumentaram os gastos públicos com educação durante a pandemia. Países como Nova Zelândia, Espanha e Portugal aumentaram os gastos para construir novas salas de aula, aumentando o distanciamento entre os estudantes, e para contratar novos professores para aulas de reforço.

Parece o óbvio: se a educação foi duramente afetada, é preciso investimento para reduzir os danos. Mais uma vez, o Brasil faz o caminho inverso às boas práticas no que diz respeito à educação.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz

Leia também

Teve reação à vacina da Covid-19? Saiba o que fazer

Entenda o conflito no Afeganistão com volta do Talibã ao poder em 10 perguntas e respostas​​​​

Variante Delta: veja a eficácia de cada uma das vacinas da Covid​​

Conheça os 16 animais mais estranhos e raros vistos em SC

As diferenças entre as vacinas da Pfizer, Astrazeneca e Coronavac

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas