nsc
nsc

Pesca

Safra industrial da tainha em SC começa com poucos barcos e baixa expectativa

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
03/06/2021 - 11h46 - Atualizada em: 03/06/2021 - 14h28
Pesca industrial de tainha
Pesca industrial de tainha (Foto: Lucas Correia, Arquivo NSC)

A safra industrial da tainha começou esta semana, marcada por insatisfação e baixa expectativa no setor pesqueiro. Apenas oito barcos foram selecionados nas regiões Sul e Sudeste para a captura, que segue até o dia 31 de julho – sete de Santa Catarina. O Estado tem a maior frota de barcos industriais de cerco no Brasil, com mais de 120 embarcações registradas.

Pescadores comemoram lanço que capturou 15 mil tainhas em Palhoça; assista ao vídeo

O número de autorizações foi menor do que o previsto pelo governo. Portaria da Secretaria Nacional de Aquicultura e Pesca estabeleceu que 10 barcos receberiam licença. Para os armadores, não está claro por que o número de vagas não foi completado. Eles reclamam de falta de transparência.

Para os barcos licenciados, a cota de captura é de 50 toneladas, com uma tolerância de até 20%. Com sete embarcações autorizadas, Santa Catarina poderá chegar a até 350 toneladas de tainhas na frota industrial. A cota autorizada era de 605 toneladas. A ‘sobra’ foi transferida para a pesca artesanal de emalhe anilhado, que também tem cota de captura.

O Sindicato dos Armadores de Itajaí e Região (Sindipi) questionou administrativamente a escolha feita pelo governo, sem resultado. Agora, alguns empresários avaliam a possibilidade de recorrer à Justiça.

Vídeo mostra como foi cerco de tainha que terminou com 2 mil peixes capturados em SC

Ainda durante o processo de seleção, em maio, o secretário Nacional de Aquicultura e Pesca, Jorge Seif Junior, disse à coluna que foram levados em consideração os condicionantes ambientais e as orientações jurídicas para estabelecer os limites da safra.

Impasse histórico

Os impasses já são uma tradição na captura industrial da tainha. A pesca, que é feita por barcos de grande porte e a uma distância de pelo menos cinco milhas da costa, foi judicializada por questões ambientais. O Ministério Público Federal entrou com ação, no Rio Grande do Sul, questionando o impacto da pesca de grande capacidade sobre os cardumes.

Safra da tainha tem reforço na prevenção contra a covid-19, diz superintendente de Pesca de Florianópolis

O governo federal entrou em acordo para reduzir gradualmente o esforço de pesca industrial sobre a tainha, até a exclusão total da frota. 

Mas isso mudou em 2018, quando foi acatada a proposta de estabelecer cotas de captura. A ideia surgiu de um estudo conduzido pela ONG internacional Oceana, que atua no incentivo à pesca sustentável em todo o mundo.

Por meio desse sistema, os barcos autorizados têm um limite de tainhas para capturar. O controle é feito no momento em que o peixe, descarregado, chega às indústrias.

Ocorre que, logo no primeiro ano, sistema falhou e a frota industrial capturou quase o dobro do previsto. Os próprios armadores suspenderam a pesca ao perceberem que o limite havia sido extrapolado, mesmo antes de soar o sinal de alerta por parte do governo.

Essa falha teve um preço alto para o setor. Em 2019, o Ministério Público questionou a efetividade do controle, e a pesca ficou suspensa por quase duas semanas. Os 32 barcos autorizados saíram para a captura com atraso.

No ano passado, o setor precisou ‘compensar’ a captura excessiva, e apenas dez barcos foram autorizados, com base em novos estudos – desta vez, conduzidos pela Univali, em Itajaí. Desta vez, havia expectativa de aumentar novamente o número de licenças.

Defeso

A frota industrial de cerco captura tainhas há pelo menos 70 anos. Os cardumes compensavam o período de defeso da sardinha, que é o principal alvo dessas embarcações. O impacto das poucas licenças emitidas este ano só não é maior porque, desde 2020, o defeso foi alterado em caráter de teste para a maioria das espécies de sardinha.

As tainhas que são capturas pela frota industrial são destinadas, especialmente, à exportação de ovas. O modelo de captura reduz as perdas, em comparação com a pesca artesanal.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Leia também:

Santa Catarina avalia eventos-teste para Covid-19 a partir de julho

Promotor dá lição em homofóbicos em SC ao arquivar denúncia contra live 'Criança Viada'

Aeroportos de SC estão à mercê da variante indiana do coronavírus

Convocação de Moisés e Daniela é desvio de foco na CPI da Covid

Prefeitura de Florianópolis não pode suspender aulas por suspeita de Covid, decide Justiça

Ação de governadores para não depor na CPI da Covid já está no STF

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas