nsc
nsc

Meio ambiente

SC é o primeiro estado no país a proibir agrotóxico que mata abelhas

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
19/09/2021 - 09h31
Mortandade de abelhas em 2019 motivou nova regra
Mortandade de abelhas em 2019 motivou nova regra (Foto: Divulgação Epagri)

Uma portaria publicada pela Cidasc marcou um avanço inédito no Brasil para proteção das abelhas. O Estado é o primeiro no país a proibir em definitivo a aplicação foliar (nas folhas) de fipronil, um inseticida de uso veterinário e agrícola que é usado em culturas como a da soja, e que é mortal quando em contato com as colméias.

Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

Em 2019, o agrotóxico foi apontado como responsável pela morte de mais de 20 milhões de abelhas no Planalto Norte. A perda repercutiu nacionalmente e virou motivo de grande preocupação para os produtores, já que o Estado é o maior exportador de mel do país – e 99% do que é vendido a outros países leva o selo de orgânico.

A restrição ao uso do fipronil era uma bandeira defendida desde então pela Cidasc e pela Epagri. O inseticida apareceu, nos últimos dois anos, em oito casos de mortandade de abelhas investigados pelas equipes técnicas no Estado. Isso apontava para a urgência da medida, mas a experiência do governo indicava que mexer com agrotóxicos era como colocar a mão em um vespeiro. Foi assim quando a Secretaria da Fazenda decidiu taxar os defensivos agrícolas, dois anos atrás.

Por que o alargamento da praia em Balneário Camboriú atraiu tubarões

O receio dos órgãos do Estado era a resistência dos agricultores à proibição, mas isso não se confirmou. Antes de publicar a portaria que definiu a restrição ao uso foliar do fipronil, a Cidasc avisou as cooperativas e associações de produtores rurais, e não recebeu nenhuma objeção. O produto poderá ser usado em tratamento de sementes, e a aplicação nas folhas passará a ser restrita a outros inseticidas que não prejudicam as abelhas.

Empresário de Itajaí está foragido em ação da PF contra tráfico internacional

A restrição já é recomendada internacionalmente pela indústria alemã que desenvolveu o inseticida. A mesma medida já foi adotada em outros países, como Uruguai e França, como forma de proteger as populações de abelhas. Para além da produção de mel, as colméias são responsáveis pela polinização de 73% de todas as plantas do planeta - isso significa que sua sobrevida é fundamental para a produção de alimentos. Em Santa Catarina, a saúde das abelhas está diretamente relacionada à produtividade do plantio de maçãs e ameixas. No caso das maçãs, 90% da polinização é feita por elas.

Deputado de SC diz que o Mato Grosso do Sul fica na região Sul; vídeo

Além da nova regra para uso do fipronil, o esforço da Cidasc para resolver a mortandade nas colmeias também resultou na estruturação do órgão para atender e investigar casos de mortandade de abelhas. O Estado garantiu recursos para 50 análises de amostras por ano, ate 2024 – número considerado mais que suficiente para as apurações.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz

Leia também

Teve reação à vacina da Covid-19? Saiba o que fazer

Entenda o conflito no Afeganistão com volta do Talibã ao poder em 10 perguntas e respostas​​​​

Variante Delta: veja a eficácia de cada uma das vacinas da Covid​​

Conheça os 16 animais mais estranhos e raros vistos em SC

As diferenças entre as vacinas da Pfizer, Astrazeneca e Coronavac

Nevascas históricas em Santa Catarina; veja fotos e quando aconteceram

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas