nsc
    nsc

    Saúde

    Chapecó reforçou 'tratamento precoce' um mês antes do colapso na Saúde

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    16/02/2021 - 15h18 - Atualizada em: 17/02/2021 - 09h34
    Saúde entrou em colapso na região Oeste
    Saúde entrou em colapso na região Oeste (Foto: Reprodução, NSC TV)

    Em janeiro, um mês antes do colapso no sistema de saúde causado pela explosão de casos de Covid-19, a prefeitura de Chapecó anunciou reforço do ‘tratamento precoce’ como medida de combate à pandemia. O kit de medicamentos, que contém cloroquina e ivermectina, é considerado polêmico porque não tem comprovação de eficácia contra o coronavírus e, de acordo com relatos médicos, pode levar os pacientes a terem complicações.  

    > Prefeitura de Chapecó diz que não forçou tratamento precoce e não segue “ideologias”

    O protocolo (*) foi uma das primeiras ações de governo do prefeito João Rodrigues (PSD), que assumiu o cargo na virada de ano. Foi estabelecido no dia 4 de janeiro, três dias após a posse, mesmo período em que foi emitido o decreto que flexibilizou regramentos e ampliou o horário de funcionamento para atividades não essenciais.

    O polêmico tratamento precoce já era oferecido na cidade. Mas o prefeito avisou que a ação seria reforçada, ainda na posse. Em um texto publicado no site da prefeitura, João Rodrigues falou em ‘resistência’ de alguns médicos em aderir ao protocolo.

    > Médicos relatam complicações em pacientes que usaram ‘tratamento precoce’ para Covid em SC

    - Estamos perdendo conhecidos, amigos, familiares, pessoas conhecidas na cidade e eu não vou ficar esperando. A partir de segunda-feira teremos um protocolo para tratamento precoce. Não faltou boa vontade mas há resistência de alguns. O vírus não tem partido – afirmou, na época.

    > Com distribuição de ivermectina, Itajaí tem a maior letalidade por Covid-19 entre grandes cidades de SC

    > Natalia Pasternak: coquetel de medicamentos com ivermectina é baseado em medicina fantasiosa

    O município informou que até receitas de médicos da rede privada seriam aceitas na distribuição de remédios pelo município.

    "Não faz mal"

    À coluna , o prefeito disse nesta terça-feira (16) que avalia positivamente o protocolo estabelecido no início do mandato:

    - O tratamento precoce não causa mal ao cidadão. O que pode é diminuir os efeitos de algo mais grave. Não foram todos os médicos que adotaram, é uma questão do profissional, é um direito que o médico tem e eu não posso impor isso, mas nós solicitamos que todos adotassem. No Brasil inteiro tem dado certo. Temos centenas de depoimentos de empresas em que os funcionários estavam apresentando alguns sintomas e deu resultado. Não tenho dúvida nenhuma de que é o melhor caminho.

    > Em colapso, Oeste de Santa Catarina tinha sinais de saturação desde o final de 2020

    Em janeiro, médicos de SC que atuam na linha de frente no combate à Covid-19 relataram complicações causadas pelos remédios incluídos nos kits de tratamento precoce. Os problemas incluíram agravamento de quadros cardíacos, pancreatites e piora na evolução da Covid-19 por imunossupressão. 

    > Ministério da Saúde suspendeu repasse para 40 leitos de UTI em Chapecó desde dezembro

    A crença dos pacientes na eficácia do protocolo também reduziu o acompanhamento, o que, na avaliação dos médicos, favorece o surgimento de quadros mais graves da doença.

    Ministério da Saúde sob investigação

    O tratamento precoce foi a grande aposta do governo federal para o combate à pandemia - o que levou a investimentos na fabricação e distribuição dos medicamentos. Depois que até mesmo fabricantes vieram a público afirmar que alguns desses remédios não têm comprovação de eficácia – caso da Merck, fabricante da ivermectina – o Tribunal de Contas da União (TCU) pediu explicações ao Ministério da Saúde.

    > Volta às aulas em SC: Estado libera 100% da capacidade das salas

    A situação agravou depois que, diante do caos na saúde pública em Manaus (AM), em janeiro, o Ministério apostou no reforço do tratamento precoce no Amazonas, financiando inclusive um grupo de médicos para fazer visitas promocionais em postos de saúde. Dias depois, o estado colapsou com falta de oxigênio.

    * Correção: a coluna informou inicialmente que o reforço no tratamento precoce foi estabelecido em decreto pela prefeitura de Chapecó. Na verdade, o protocolo teve o uso estimulado e incentivado pela administração municipal. A informação foi corrigida nesta publicação. 

     

    Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas