O setor de tecnologia está cada vez mais inclusivo. Duas empresas de Florianópolis estão entre as 25 Melhores para Mulher Trabalhar, conforme o relatório DE&I+ 2022 divulgado pelo Great Place to Work (GPTW). A RD Station ficou em primeiro lugar no ranking de Mulheres e no ranking geral Étnico-Racial. A IPM Sistemas ficou na 23ª posição no ranking de Mulheres. Ambas estão no grupo de empresas de porte médio, com até 1.000 colaboradores.

Continua depois da publicidade

O relatório DE&I+ 2022 apurou ranking com as melhores notas de empresas em seis categorias: Mulheres, LGBTQIA+, Pessoas com Deficiência, Diversidade Étnico-Racial, 50+ e Atenção à Primeira Infância.

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

A RD Station, que é líder em software (SaaS) para médias e pequenas empresas e tem 900 colaboradores no Brasil e América Latina, ficou em primeiro lugar em dois indicadores que reconhecem alto desempenho em diversidade, equidade e inclusão.

Segundo a diretora de Talent Management, Naamisis Campos, a empresa faz um trabalho robusto e contínuo de inclusão. No quadro total de colaboradores, tem 53% de mulheres e elas ocupam 45% dos postos de liderança.

Continua depois da publicidade

 – Em março do ano passado, por exemplo, anunciamos um compromisso público 30/23 para aumentar para 30% a participação de mulheres no nosso time de engenharia. Um ano depois, ultrapassamos a meta de mulheres nessa área e temos também 34,6% de mulheres na liderança de tecnologia, participação que estava em 19% em 2022. Isso mostra como levamos a sério nosso trabalho nas áreas de diversidade, equidade e inclusão – afirmou a executiva em comunicação da empresa.

Entre as iniciativas de inclusão da companhia estão também o Plano de Igualdade Social (PIR) e o grupo Preto no Preto, para debater questões de raça no ambiente profissional. A empresa é líder no seu segmento no Brasil e tem clientes em 40 países.

A IPM Sistemas é uma GovTech que oferece soluções de tecnologia para cidades inteligentes, em especial para prefeituras, em todo o Brasil. De acordo com a gerente de Tecnologia & Inovação, Lúcia Mees, a IPM tem ao menos 30% de mulheres em todos os níveis e em todos os setores, do estágio até a alta gestão. Alguns setores são ocupados 100% por mulheres.

– Para nós, é uma honra enorme sermos reconhecidos como uma das 25 melhores empresas do Brasil para mulheres. Essa conquista que não é minha, de outras lideranças, ou do time de Gente: ela é de todas as mulheres que transformam o futuro de cidades e pessoas conosco. É um reconhecimento merecido a todas nós que persistimos e inovamos de verdade na intersecção dos dois mercados mais dominados pelos homens: a tecnologia e a gestão pública – disse Lúcia Mees.

Continua depois da publicidade

A empresária observou que as mulheres ainda têm participação pouco expressiva na gestão pública e de empresas de tecnologia. Citou pesquisa do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), segundo a qual apenas 18,5% dos cargos de liderança no setor público são ocupados por mulheres. No setor de tecnologia, elas estão à frente de apenas 12,5% dos cargos de gestão, segundo levantamento da Revelo.

Graduada em engenharia eletrônica e da computação pela Duke University, dos Estados Unidos, Lúcia Mees faz questão de recorrer à história para colocar em evidência o protagonismo feminino. Lembrou que Ada Lovelace foi quem desenvolveu o primeiro programa de computador e Carol Shaw foi pioneira no desenvolvimento de games.

Para Lúcia Mees, rankings como o da GPTW são importantes para impulsionar a diversidade na tecnologia e derrubar estereótipos de gênero.

Leia também

Em tempos da moda no topo das fortunas, marca de luxo abre loja em Florianópolis

Novo arcabouço fiscal é bem recebido, mas requer aumento de receita

Lucro do BRDE cresce 68,6% e chega a R$ 446,6 milhões em 2022

Puxada pela indústria, SC fica em segundo lugar na criação de vagas em 2023

Plano de ajuste fiscal de SC soma R$ 4,3 bilhões entre cortes e novas receitas

Destaques do NSC Total