Alugar ou comprar imóveis comerciais em Florianópolis ficou mais caro durante 2023 e a cidade encerrou o ano em terceiro lugar entre as que registraram os maiores preços, atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro. É isso que mostra a pesquisa nacional FipeZap, divulgada nesta terça-feira (23).

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

O custo médio por metro quadrado para alugar um imóvel comercial em Florianópolis ficou em R$ 41.71. No acumulado do ano passado, subiu 7,25%, acima da inflação oficial do país, o IPCA, que teve alta de 4,62%, e também do índice mais usado para locação, o IGP-M, que subiu 3,18%. Em dezembro, o preço médio de aluguéis comerciais em Florianópolis subiu 0,21%, após alta de 2,24% no mês anterior, novembro.

Os bairros com metro quadrado mais caro para locação em dezembro, foram o Canto da Lagoa, com preço de R$ 66,35, seguido por Rio Vermelho, R$ 65,00 e Estreito R$ 60,37. Os mais baratos foram o Centro, por R$ 32,73 ao metro quadrado, Coqueiros por R$ 42,65 e Trindade R$ 47,20.

Para venda de imóveis comerciais, a capital de SC também fechou 2023 com o terceiro maior preço do país. O metro quadrado na cidade está custando R$ 8.210, com alta acumulada de 0,38% no ano, bem abaixo da inflação. Essa baixa variação ocorreu porque, por diversos meses, os preços caíram. Em dezembro, teve retração de -0,95% e em novembro, de -0,54%. Foi assim também em outras cidades brasileiras.

Continua depois da publicidade

Os bairros com preço mais caro por metro quadrado para venda foram Canto da Lagoa, de R$ 11.891, Rio Vermelho R$ 9.990 e Córrego Grande, R$ 9.048. Os mais baratos foram Capoeiras por R$ 7.216, Trindade R$ 7.457 e Centro R$ 7.601.

No Brasil, as maiores altas acumuladas nos preços de aluguéis para imóveis comerciais no ano passado aconteceram em Salvador (13,03%), Niterói (9,46%), Campinas (8,96%), Curitiba (7,86%), Florianópolis (7,25%) e São Paulo (6,36%).

As maiores altas para vendas, no país, foram registradas pelo FipeZap em Campinas (3,3%), Niterói (1,85%), São Paulo (1,02%), Salvador (1,01%) e Florianópolis (0,38%).

Leia também

Lei que limita reajuste do IPVA entra em vigor em Santa Catarina

Varejista de SC e gigante de eletros fazem ação voltada à eficiência energética

Aço importado causa guerra de pressões de indústrias ao governo

Como cidade de SC investe em música para tornar economia bilionária

“Representantes de 12 regiões americanas virão discutir investimentos”, diz embaixadora dos EUA no Brasil

Continua depois da publicidade

Multinacional de SC adquire empresa na Alemanha

Destaques do NSC Total