nsc
nsc

R$ 200 milhões

Impasse sobre duplicação da BR-470 chega ao limite do “vai ou racha”

Compartilhe

Evandro
Por Evandro de Assis
27/07/2021 - 09h40
Reuniões em Blumenau e Brasília indicarão se ainda há disposição para diálogo entre Estado e União
Reuniões em Blumenau e Brasília indicarão se ainda há disposição para diálogo entre Estado e União (Foto: Patrick Rodrigues)

Duas reuniões na semana que vem, em Blumenau e Brasília, levarão o impasse sobre os R$ 200 milhões do Estado na duplicação da BR-470 ao limite do “vai ou racha”. Na segunda-feira (2), na Associação Empresarial de Blumenau (Acib), lideranças empresariais, prefeitos e vereadores de todo o Vale do Itajaí receberão o superintendente do DNIT Santa Catarina, Ronaldo Carioni Barbosa. No dia seguinte, o ministro Tarcísio Gomes de Freitas será ouvido pela Comissão de Infraestrutura do Senado. O resultado das duas reuniões indicará se ainda há disposição para o diálogo entre as partes.

> Receba notícias de Blumenau e região direto no Whatsapp.

DNIT e o senador Jorginho Mello (PL) defendem distribuir os R$ 200 milhões nos quatro lotes da duplicação. O governador Carlos Moisés (sem partido), os senadores Esperidião Amin (PP), Dário Berger (MDB) e um conjunto de prefeitos e empresários, firmaram posição por concentrar todo o dinheiro nos lotes 1 e 2, entre Navegantes e Gaspar, que estão mais adiantados.

Embora as partes envolvidas não admitam, o pano de fundo do embate é eleitoral. Moisés gostaria de justificar a operação com os cofres do Estado em benefício de uma obra da União apresentando resultados tangíveis em 2022. Jorginho Mello tenta garantir que a principal melhoria na infraestrutura do Estado seja associada apenas ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Ambos preparam candidaturas ao governo no ano que vem.

A reunião na Acib, resultado da passagem de Jorginho Mello por Blumenau, tende a se tornar palco para o superintendente do DNIT apresentar argumentos técnicos pela distribuição do dinheiro nos quatro lotes. Mas Carioni será pressionado por lideranças locais angustiadas com a demora da chegada do dinheiro por causa de picuinhas políticas. 

Na terça-feira (3), caberá ao ministro Tarcísio Freitas indicar se o governo federal tem interesse em acordo — ele também será pressionado sobre a segunda pista do Aeroporto de Navegantes, deixada de fora no processo de concessão.

A queda de braço prejudica o Vale do Itajaí, mas também o Norte e o Oeste. Estão parados e igualmente ameaçados os R$ 100 milhões da BR-163 e os R$ 50 milhões da BR-280, como lembrou o colega Jefferson Saavedra.

O custo econômico e em vidas da possível perda desses recursos é incalculável. O custo político a quem for visto pela população como responsável pelo desastre, também.

Receba textos e vídeos do colunista Evandro de Assis direto no WhatsApp.

Leia também

Rayssa Leal em Blumenau teve cama improvisada, miojo e vaquinha para bancar viagem

Contrato para tapar buracos da BR-470 vai consumir até R$ 30 milhões em dois anos

Encontros em churrascaria colocam Blumenau no menu das Eleições 2022

Blumenau planeja empréstimo de R$ 320 milhões junto ao Fonplata para obras

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Mais colunistas

    Mais colunistas