nsc
nsc

Opinião

Vacinação no Brasil ultrapassa EUA e explica por que a Pfizer insistiu tanto

Compartilhe

Evandro
Por Evandro de Assis
16/11/2021 - 09h03
Bolsonaro alterou a ordem natural da campanha de vacinação
Bolsonaro alterou a ordem natural da campanha de vacinação (Foto: Carolina Antunes, Divulgação)

Os índices de vacinação contra a Covid-19 do Brasil ultrapassaram os dos Estados Unidos. Quase 59% da população foi inoculada com duas doses e o país continua avançando enquanto os movimentos antivacina norte-americanos fazem estrago. Mas a boa notícia (para nós) encobre o fato de que essa era a ordem natural das coisas. O Brasil é a potência em vacinação. Por saber disso, a Pfizer insistiu tanto em vender para o Ministério da Saúde.

> Receba notícias de Blumenau e região direto no Whatsapp.

A tradição brasileira em campanhas massivas de vacinação vem desde os anos 1970, quando o governo desenvolveu o Plano Nacional de Imunizações. Vieram a Constituição de 1988, o Sistema Único de Saúde (SUS), os programas de Saúde da Família e investimentos contínuos em campanhas de conscientização — viva Zé Gotinha! Que as doses contra a Covid-19 chegariam rápido aos braços da população eram favas contadas. O mundo sabia.

Não à toa já em 14 de agosto de 2020 a Pfizer ofereceu ao Ministério da Saúde prioridade na compra do imunizante que desenvolvia em parceria com a Biontech. O Brasil era o lugar ideal para provar rápido os benefícios da vacina e criar um caso de sucesso. Interessava à farmacêutica, que usaria o modelo em sua estratégia comercial, e interessava aos brasileiros.

Mas havia um presidente antivacina no meio do caminho. Jair Bolsonaro (sem partido) faz campanha contra os imunizantes. Até hoje sustenta não ter sido vacinado. Enquanto todo tipo de espertalhão conseguia reuniões para oferecer vacinas ao Ministério da Saúde, o primeiro contrato com a Pfizer só foi fechado em março de 2021. 

Apesar dos resultados evidentes da vacinação, dois meses atrás o governo ainda tentava atrapalhá-la, suspendendo a aplicação de doses em adolescentes. No fim de outubro, Bolsonaro relacionou de maneira irresponsável vacinas e infecções por HIV.

Para não se ter dúvida de que estamos muito atrasados: o Chile ultrapassou os Estados Unidos em vacinação no mês de junho. Era esse, ou ainda melhor, o ritmo possível ao Brasil. Com capacidade instalada e um povo habituado a campanhas de vacinação, a oportunidade de emergir da crise antes de todo mundo estava posta. Foi desperdiçada.

Adiante, o desafio não acabou. Está chegando a hora de vacinar as crianças entre cinco e 12 anos — o Chile (de novo) começou há dois meses. Isso e as férias escolares darão ao país a condição de esmagar de vez o coronavírus, virar a página. Mas de Bolsonaro e seu séquito não se deve esperar ajuda.

Receba textos e vídeos do colunista Evandro de Assis direto no WhatsApp. Basta clicar aqui.

Leia também

Frota de motorhomes dispara nas maiores cidades de Santa Catarina

Contrato da Via Expressa de Blumenau não inclui 15 viadutos até a Vila Itoupava

Sensor conta quantas bicicletas passam por rua de Blumenau e resultado surpreende

Máquinas retornam à principal rua da Itoupavazinha, em Blumenau

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Mais colunistas

    Mais colunistas