nsc
nsc

Análise

Figueirense tem que avaliar muitos erros e poucos acertos da temporada para projetar 2022

Compartilhe

Faraco
Por Faraco
21/09/2021 - 06h52
Figueirense do Estadual 2021 fracassou e praticamente foi desfeito para a Série C
Figueirense do Estadual 2021 fracassou e praticamente foi desfeito para a Série C (Foto: Patrick Floriani/ FFC)

Mesmo com a disputa aberta da Copa Santa Catarina, a realidade é que o ano do Figueirense acabou. Os resultados foram muito ruins. E não há Copa Santa Catarina que reverta o cenário. Mais claramente, mesmo vencendo a Copa Santa Catarina o ano não estará salvo - já foi muito ruim.

Importante trabalhar forte para temporada 2022. Projeto sólido e realista, sem vender ideias megalomaníacas e irreais para o torcedor. Mesmo que muitos deles estejam acostumados e gostem de ilusão, porque foram “educados” assim durante uma década inteira, não é momento disso. Expressões como “grupo de investidores”, “projeto Libertadores”, “aportes financeiros”, e “projeto imobiliário” que fiquem na gaveta agora.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

A hora e de ser simples e objetivo e, com os pés no chão, fazer futebol de verdade, tratando com o torcedor com absoluta transparência e clareza. O Figueirense precisa se organizar para entrar forte e sem remendos no Estadual e na Série C 2022.

Parceiros diferentes, times bem diferentes

Marllon vestiu a camisa 10 do Figueirense no Estadual 2021
Marllon vestiu a camisa 10 do Figueirense no Estadual 2021
(Foto: )

A temporada começou com um novo time formado para o Catarinense. Muitos jogadores desconhecidos, jovens apostas, sem quase nenhuma bagagem em maioria, e alguns mais rodados como Marllon desembarcaram no Orlando Scarpelli para jogar o Estadual. Foi um desastre. Tirando poucos destaques individuais, como o bom goleiro Emerson Júnior, que veio do Inter, e o volante Khevin, que mostrou qualidades, quase ninguém se salvou.

> José Carlos Lages, da BIS, deixou impressão de conformismo com campanha ruim na Série C

O time foi eliminado numa primeira fase em que oito equipes se classificavam de 12 ao todo. Inadmissível! Foi salvo pelo erro do Hercílio Luz, mas não passou disso. O time montado pela BIS, parceira única do futebol do Figueirense à época, era fraco. Era uma equipe que na Série C teria fortíssimos riscos de rebaixamento.

Com a Série C veio a LA Sports

Diego Tavares, trazido pela LA, foi um dos destaques do Figueirense na Série C
Diego Tavares, trazido pela LA, foi um dos destaques do Figueirense na Série C
(Foto: )

Inegavelmente o time da Série C era mais forte. Com a chegada da LA, jogadores como João Paulo, Guilherme Teixeira, Diego Tavares, André Krobel, Roberto, e o jovem Rodrigo Bassani, encorparam o Figueirense para a competição nacional. Poderia ter classificado e certamente teria condições de brigar por uma vaga na Série B.

Dois pecados foram decisivos para que o Figueirense não chegasse pelo menos a última rodada brigando por uma vaga. O primeiro deles a demora na chegada de alguns atletas. João Paulo poderia ter vindo duas semanas antes, mas debates internos seguraram a chegada do jogador. Talvez tenha custado esse resultado a mais que faltou na conta final.

> Figueirense: aproveitamento do ano é baixo e pesa neste momento

O outro pecado esteve sempre relacionado às teimosias do técnico Jorginho. Errou muito na estruturação da equipe durante o turno. Com um meio de campo esvaziado, o Figueirense em algumas partidas foi uma bagunça em campo. Uma delas custou muito caro já que foi o confronto direto com o Criciúma. Péssima atuação no Heriberto Hulse e resultado que faz a diferença agora entre a pontuação do Tigre e do Figueirense. Jorginho errou bastante e normalmente se justificava dizendo que “a bola não entrou”.

Futuro tem indefinições

O cenário não é positivo. Há muitas indefinições para 2022. Em off, uma fonte alvinegra me disse que os empresários estão se afastando. Aqueles empresários locais que ajudaram a pagar as contas básicas nos últimos tempos.

Não há sequer a certeza, por exemplo, da permanência da LA Sports, que foi o pouco de positivo que o Figueirense teve este ano. Aliás, é preciso deixar claro que se os reforços da LA não chegassem, o Figueirense poderia estar chorando um novo rebaixamento, desta vez à Série D.

Jorginho já teve todas as chances

Jorginho está perto de completar um ano de Figueirense
Jorginho está perto de completar um ano de Figueirense
(Foto: )

Não há argumento que justifique a permanência do técnico Jorginho. Perto de completar um ano de Figueirense, Jorginho não teve resultado e nem mesmo a equipe conseguiu mostrar consistência de organização e perfil de jogo. Era sempre uma surpresa a cada jogo.

Queda na Série B 2020 com quase um turno inteiro de jogos pra tentar salvar o time, eliminação na primeira fase do Catarinense 2021, com resgate somente no campo jurídico, eliminação na primeira rodada da Copa do Brasil, que valia muito em termos financeiros, e a eliminação precoce na primeira fase da Série C, que era o grande objetivo do ano. 

Pra um treinador que vendia a ideia de ser campeão da Série C, o trabalho ficou bem distante. não foi bom em nenhum momento, seja com o time mais fraco da BIS ou com o time mais encorpado da LA. O ciclo encerrou. Insistir será mais um erro.

Rodrigo Faraco

Colunista

Faraco

Jornalista e comentarista esportivo, sempre atento ao que acontece especialmente no futebol catarinense, faz análises e bastidores dos times do Estado.

siga Faraco

Rodrigo Faraco

Colunista

Faraco

Jornalista e comentarista esportivo, sempre atento ao que acontece especialmente no futebol catarinense, faz análises e bastidores dos times do Estado.

siga Faraco

Mais colunistas

    Mais colunistas