nsc
nsc

Ofensas

Carta aberta ao Concurso Brasileiro de Cervejas reacende debate sobre racismo no setor

Compartilhe

Pedro
Por Pedro Machado
18/11/2021 - 17h44
Manifestação de coletivo pede posicionamento da organização do evento
Manifestação de coletivo pede posicionamento da organização do evento (Foto: Luís C. Kriewall Filho, Especial, BD)

A AfroCerva, um coletivo formado por profissionais negros do mercado cervejeiro, divulgou nesta quarta-feira (17) uma carta aberta em que manifesta repúdio e indignação à organização do Concurso Brasileiro de Cervejas (CBC), tradicional competição do segmento que acontece todos os anos em Blumenau.

> Receba notícias de Blumenau e do Vale pelo WhatsApp

Segundo o coletivo, um dos componentes da comissão organizadora do concurso esteve envolvido em ataques racistas em grupos de cervejeiros que vieram à tona em setembro do ano passado.

“Parece óbvio que não é possível admitir esse tipo de comportamento. Mas só parece. Ainda há quem ignore a discussão da pauta antirracista e, em vez de dar exemplo, siga desrespeitando pessoas pretas, o mercado e uma discussão cada vez mais relevante pra evolução do mercado”, escreveu a AfroCerva na carta, publicada nas redes sociais.

O coletivo cobrou um posicionamento da organização, dos patrocinadores e dos apoiadores da competição.

“Este mercado, assim como a sociedade, não pode mais ser condescendente com racismo, homofobia, machismo e demais formas de preconceitos”, acrescenta a carta.

O documento não cita nomes, mas o assunto é recorrente no meio cervejeiro já há algum tempo, apurou a coluna. A manifestação pública foi a maneira encontrada pelo coletivo para tirar a discussão dos bastidores, segundo Paulão Silva, membro da AfroCerva.

— O que fica parecendo é que está todo mundo quieto esperando a poeira abaixar e voltar tudo ao normal — diz.

Para Silva, a informação apurada junto a fontes do setor foi recebida como um “soco no estômago”. O coletivo, de acordo com ele, espera uma resposta do CBC, transparência na divulgação da lista de integrantes da comissão organizadora e do corpo de jurados e o afastamento do profissional em questão.

Contraponto

Responsável pela organização do CBC, a Associação Blumenauense de Turismo, Cultura e Eventos (Ablutec) disse que não tinha sido procurada oficialmente pelo coletivo AfroCerva para tratar do assunto até a tarde desta quinta-feira (18).

À coluna, o presidente Develon da Rocha confirmou que leu a carta, mas que ainda precisava se aprofundar no tema para definir quais providências tomar. Segundo ele, a entidade repudia todo e qualquer ato de racismo.

Entenda o caso

Em 2020, a sommelière Sara Araújo foi vítima de ataques racistas e machistas – que nem valem a pena serem reproduzidos aqui – em grupos de WhatsApp onde estavam cervejeiros de todo o Brasil. Na época, o caso ganhou projeção nacional e chegou a ser tema de reportagem do Fantástico, da Rede Globo.

A situação envolveu também a cervejaria gaúcha Implicantes, cujos proprietários são cervejeiros negros. A empresa foi atacada após fazer um financiamento coletivo para retomar a produção impactada pela pandemia.

O vazamento das mensagens e a repercussão do caso provocaram mudanças na Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva). Membros da diretoria da entidade à época renunciaram aos cargos.

Receba notícias e análises do colunista Pedro Machado sobre economia, negócios e o cotidiano de Blumenau e região pelo WhatsApp ou Telegram

Leia também

Segunda maior casa enxaimel de Blumenau vai ganhar anexo para ser concedida à iniciativa privada

Malwee reforça na COP-26 o papel de protagonista no debate ambiental na indústria

Aumento do IPTU em Blumenau em 2022 será o maior em seis anos

Natal em Blumenau tem potencial para ser a Oktoberfest de novembro e dezembro​​

Colégio Visão, que tem unidade em Blumenau, é comprado por grupo de ensino do Paraná

Empresa de TI de Blumenau investe R$ 6 milhões para repaginar marca e produtos

Condomínio residencial de luxo será integrado a projeto de strip mall em Blumenau

Empresas tradicionais de Blumenau unem forças em plano de expansão dos negócios

Ninguém quis a marca Sulfabril em leilão

Laboratório Hemos de Blumenau é vendido por R$ 35 milhões a gigante nacional da medicina

Arezzo quer comprar Grupo Soma, dono da Cia. Hering, diz jornal

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Mais colunistas

    Mais colunistas