nsc
nsc

Ícone da moda

Ninguém quis a marca Sulfabril em leilão

Compartilhe

Pedro
Por Pedro Machado
09/11/2021 - 10h31 - Atualizada em: 09/11/2021 - 10h33
Conjunto de grifes é um dos últimos ativos ainda disponíveis da antiga empresa
Conjunto de grifes é um dos últimos ativos ainda disponíveis da antiga empresa (Foto: Lucas Amorelli, BD)

Ícone da moda nos anos dourados da indústria têxtil de Blumenau, a marca Sulfabril já não desperta o mesmo fascínio de outrora. Ao menos na visão do mercado. Nesta segunda-feira (8), em nova tentativa de leilão do pacote de grifes da antiga empresa, mais uma vez não surgiram ofertas, a exemplo do que já havia acontecido na quarta da semana passada.

> Receba notícias de Blumenau e do Vale pelo WhatsApp

O conjunto de grifes, que já chegou a ser avaliado em R$ 40 milhões segundo a própria empresa – quando ainda estava ativa, em 2012 –, nunca esteve tão em conta. Poderia ser arrematado por R$ 1,215 milhão nesta segunda. O ativo foi oferecido a companhias têxteis da região e até de fora do Estado, apurou a coluna. Ainda assim não houve quem se dispusesse a pagar esta quantia.

Sem propostas de potenciais investidores, parece cada vez mais distante a possibilidade de um dia peças de roupa com a marca Sulfabril retornarem ao mercado. Este é um dos últimos bens ainda disponíveis da massa falida da companhia. Imóveis e o parque fabril, na Rua Itajaí, já foram vendidos.

Pelo menos um investidor demonstrou interesse mais sério em adquirir a marca, segundo o leiloeiro Daniel Elias Garcia, mas não teve negócio. Ainda assim, ele acredita que a venda é viável e informou que vai solicitar à Justiça que marque um novo leilão, se possível ainda em 2021. O pedido será analisado pela juíza Quitéria Tamanini Vieira Peres, titular da 1ª Vara Cível de Blumenau, onde corre o processo.

Valores levantados em uma eventual venda das marcas Sulfabril serão utilizados para pagar dívidas ainda pendentes da empresa. Débitos trabalhistas do primeiro quadro geral de credores já foram quitados, mas há outros ainda pendentes, fruto de uma ação trabalhista coletiva que cobra o pagamento de insalubridade e periculosidade a um grupo de trabalhadores.

Receba notícias e análises do colunista Pedro Machado sobre economia, negócios e o cotidiano de Blumenau e região pelo WhatsApp ou Telegram

Leia também

Philips planeja dobrar número de funcionários em Blumenau em 2022

Laboratório Hemos de Blumenau é vendido por R$ 35 milhões a gigante nacional da medicina

Arezzo quer comprar Grupo Soma, dono da Cia. Hering, diz jornal

3 em cada 4 catarinenses são favoráveis ao passaporte da vacina, mostra pesquisa

Primeira tentativa de leilão da marca Sulfabril não atrai interessados

Parque fabril da Marisol vai virar condomínio industrial com espaço até para concorrentes

WEG vai investir R$ 178,2 milhões para ampliar fábrica no Espírito Santo

Sommerfest Blumenau 2022 vai exigir passaporte da vacina

Natal em Blumenau prevê chafariz com luzes e cores na Ponte de Ferro​​​

Blumenau vai ganhar um strip mall, tipo diferente de shopping

Quais são as empresas bilionárias de Santa Catarina​

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Mais colunistas

    Mais colunistas