Bola da vez no ramo supermercadista, o atacarejo não tem vez dentro do Bistek. A rede varejista até chegou a considerar a alternativa, mas decidiu não embarcar no nicho de negócio mais explorado pela concorrência atualmente. Em vez disso, o foco da empresa se voltou ao modelo tradicional, o “supermercado raiz”, nas palavras do diretor comercial Walter Ghislandi.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de SC por WhatsApp

— Não fomos para o atacarejo. Focamos essencialmente no varejo puro, o “supermercado raiz”. E estamos tendo sucesso — diz o executivo, que acrescenta que o objetivo do Bistek é ser um especialista neste modelo.

Esse “supermercado raiz”, segundo Ghislandi, é aquela loja de vizinhança, não muito grande – até 2,5 mil metros quadrados de área –, com atenção especial aos perecíveis e onde o contato com a freguesia, de classe média, é mais direto. Além disso, a rede também está atenta a formatos ainda menores, semelhantes a uma grande conveniência. Este modelo irá estrear em Balneário Camboriú, como já antecipou a coluna.

Em 2023, as vendas do Bistek cresceram 17%, para R$ 1,96 bilhão. Hoje com 25 lojas, a rede abriu três novas unidades no Rio Grande do Sul no ano passado – duas em Porto Alegre e uma em Sapiranga –, com investimento de cerca de R$ 60 milhões.

Continua depois da publicidade

Para 2024, duas novas operações estão previstas para Florianópolis – uma na Ilha, no Itacorubi, e outra no continente, que deve ficar pronta entre setembro e outubro. Mas embora seja o berço da empresa, Santa Catarina não é prioridade na expansão no momento. O crescimento do Bistek, no curto prazo, passará principalmente pelo estado vizinho, diz Ghislandi.

Uma unidade em Tramandaí (RS) deve abrir as portas ainda neste ano – com as duas operações na capital catarinense, os investimentos devem chegar a R$ 100 milhões em 2024, com geração de 450 a 500 novos empregos. Até o fim de 2025, porém, o plano é dobrar o número de lojas no Rio Grande do Sul, de cinco para 10.

— Achamos que temos um espaço muito bom para o nosso modelo — acredita Ghislandi.

Depois de um 2023 em que considerou um “ano mágico”, o diretor projeta novo crescimento para 2024, com receita estimada em R$ 2,5 bilhões. O planejamento estratégico da rede prevê a abertura de pelo menos três novas lojas por ano.

Veja o ranking das maiores redes de supermercados de SC em 2022

Continua depois da publicidade

Leia também

Primeira micromalteria do Brasil fecha as portas em SC: “Dificuldade em competir”

Blumenau tem mudança de última hora no primeiro escalão do governo

Parque da Nasa em Balneário Camboriú já tem data para abrir ao público

Fiesc coloca terreno gigante à venda em Florianópolis por R$ 20 milhões

Receba notícias e análises do colunista Pedro Machado pelo WhatsApp

Destaques do NSC Total