nsc
nsc

Transporte coletivo

Custo e impacto no “subsídio” afetam volta de todos os horários de ônibus em Joinville

Compartilhe

Saavedra
Por Saavedra
20/07/2021 - 14h34
Movimento no transporte coletivo em Joinville ainda não retomou patamar anterior à pandemia
Movimento no transporte coletivo em Joinville ainda não retomou patamar anterior à pandemia (Foto: Mauro Schlieck, CVJ, Arquivo Pessoal)

O “subsídio” pago pela prefeitura de Joinville às empresas de ônibus está provocando um impacto suplementar no transporte coletivo: se o município determinar a retomada de todos os horários e linhas reduzidos desde o ano passado, vai ter que ajudar a pagar a conta. A equação ficou clara em reunião realizada na noite de segunda-feira pela comissão de Urbanismo da Câmara de Vereadores, com participação da prefeitura e empresas, além de representantes da comunidade.

> Subsídio ao ônibus tem divergência em Joinville; repasses chegam a R$ 12,8 milhões

> Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

Antes da pandemia, os ônibus de Joinville circulavam em média 1,6 milhão de quilômetros por mês, somados. Na retomada, em setembro, os veículos passaram a rodar apenas a metade. Com o passar do tempo, mais linhas e horários foram retomados e a circulação está em 950 mil kms mensais. Se a conta for feita por ônibus em circulação, a quantidade de veículos está quase no mesmo patamar anterior à pandemia – restrição de ocupação, menor demanda de passageiros etc. justificam a situação de rodar menos com quase o mesmo número de ônibus. A movimentação de passageiros ainda está distante do patamar anterior à pandemia.

Mas mesmo com a redução no sistema, principalmente com mais intervalos entre as linhas, o transporte coletivo está operando com prejuízos. Por causa desse déficit, a prefeitura pagou R$ 13,3 milhões desde agosto do ano passado até agora. O repasse atende às decisões judiciais apresentadas pelas empresas. Em nova ação, as concessionárias apontam que o montante deveria ser ainda maior.

A Secretaria de Infraestrutura de Joinville alega que é preciso “equilíbrio” e “responsabilidade”. Na reunião na Câmara, o secretário Jorge Correia de Sá citou que os cálculos dos custos do transporte são baseados no índice de passageiros por quilômetro rodado, o IPK. Assim, maior quilometragem em linhas de reduzida demanda implica em maiores custos. O secretário alegou que a prefeitura já tem dificuldade hoje para fazer o pagamento do repasse às empresas – um montante maior seria ainda mais complicado.

O vereador Brandel Junior (Podemos) perguntou se as empresas não poderiam bancar pelo menos 50% do “subsídio” (cobertura do déficit) até o final de ano, com a prefeitura bancando o restante. A proposta seria para permitir a retomada de todos os horários. As empresas e a prefeitura ficaram de avaliar, mas não haveria como se comprometer naquele momento. “Como gestores, temos que ter a responsabilidade sobre a questão das despesas”, alegou o secretário Jorge.

> Câmara de Joinville vai se manifestar sobre voto impresso

> Prefeito de Joinville cita “visão otimista” sobre governo federal; e opina sobre voto impresso

> Prefeitura de Joinville quer adiamento no IPTU progressivo

> Joinville terá de fazer pesquisa sobre moradores de rua, com contagem

> Joinville prepara mudanças no estacionamento rotativo

> Joinville tem 21,3 mil pessoas em extrema pobreza; 57% são mulheres

Jefferson Saavedra

Colunista

Saavedra

Jefferson Saavedra traz análises e notícias exclusivas dos assuntos mais relevantes do Norte catarinense, com foco nos bastidores de todos os temas que envolvem especialmente Joinville e região, como política, segurança, mobilidade, saúde e educação.

siga Saavedra

Jefferson Saavedra

Colunista

Saavedra

Jefferson Saavedra traz análises e notícias exclusivas dos assuntos mais relevantes do Norte catarinense, com foco nos bastidores de todos os temas que envolvem especialmente Joinville e região, como política, segurança, mobilidade, saúde e educação.

siga Saavedra

Mais colunistas

    Mais colunistas