Em ação protocolada na última sexta-feira no Supremo Tribunal Federal, a Procuradoria-Geral da República (PGR) quer a suspensão de trechos de lei de Santa Catarina de 2013 sobre normas de prevenção e segurança contra incêndios. O pedido é para que seja afastada a aplicação pelos bombeiros militares de sanções de cassação de alvarás e atestados em imóveis residenciais já licenciados, mantendo a possibilidade de interdição em casos de alto risco. A ação, com pedido de liminar, está em análise pelo Supremo, sem decisão. Mais ações diretas de inconstitucionalidade contra leis de Santa Catarina foram apresentadas neste ano pela PGR.

Continua depois da publicidade

Clique para receber notícias de Joinville e região no WhatsApp

Na ação da PGR, é alegado que a legislação nacional prevê a interdição imediata (total ou parcial) pelos bombeiros militares ou poder público municipal de prédios e estabelecimentos nos quais foi constatada a condição de alto risco. No entanto, as regras questionadas na lei estadual 16.157/2013 permitem aplicação de sanções como cassação de atestado e alvará sem a comprovação do risco, “mas em decorrência do mero descumprimento da lei, da legislação municipal ou de determinação do CBM/SC”, alegou a procuradora-geral da República, Elizeta Ramos.

“Diante da especial proteção conferida pelas normas constitucionais aos direitos fundamentais à propriedade e à moradia, não pode o legislador ordinário, a pretexto de criação de normas de fiscalização e vistoria periódica em imóveis residenciais para prevenção e segurança contra incêndio e pânico, estabelecer restrições excessivas”, afirmou a procuradora-geral da República na ação.

Na divulgação da ação, foi informado que o objetivo não é negar a “importância” das atividades de vistoria e de fiscalização pelos bombeiros militares, “nem desqualificar a essencialidade das ações e regulações estatais de prevenção e de segurança contra incêndio que, se não observadas, podem provocar consequências extremas. “Todavia, o desempenho das funções institucionais dos órgãos de defesa civil deve se fazer de modo compatível com o texto constitucional, sem violar os direitos e as garantias fundamentais assegurados aos cidadãos”, ressaltou a procuradora.

Continua depois da publicidade

FOTOS: Castelo Excalibur passa por reforma em Joinville para ganhar novo visual

Universidade vai inaugurar polo na zona Sul de Joinville

Contrato do Palácio das Orquídeas pode ter rescisão antes do início das obras

Sinal verde de R$ 3 bilhões para SC será avaliado nesta quinta

Rotatória em forma de gota mais perto de sair em Joinville

Cidade de SC quer fazer concurso para guardas municipais

Como performance do mercado imobiliário de Joinville “ajuda” na receita da prefeitura

Destaques do NSC Total