Em decisão nesta segunda-feira, a Justiça Federal não aceitou a solicitação para a autorização de retomada das obras de asfaltamento de estrada entre São Francisco (Vila da Glória) e Itapoá. A posição da 2ª Vara Federal de Joinville foi tomada após manifestação do Ministério Público Federal, contrário à volta dos trabalhos enquanto não seja assinado acordo sobre o licenciamento ambiental – o Judiciário observou que o MPF é autor da ação da execução (sentença anterior determinou os estudos ambientais). As tratativas do acordo estão em andamento entre MPF, governo do Estado, Funai e prefeituras da região.

Continua depois da publicidade

Entre na comunidade exclusiva de colunistas do NSC Total

As obras entre a Vila da Glória, na parte continental de São Francisco do Sul e próxima à localidade de Vigorelli, em Joinville, e Itapoá, estão paralisadas desde 2016, após decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), a segunda instância da Justiça Federal. A sentença atendeu ao pedido do MPF, em ação de 2011, com cobrança de licenciamento pelo Ibama das obras da Costa do Encanto, da qual a pavimentação faz parte. O trecho em quase 10 km.

Naquele momento, somente a obra entre São Francisco do Sul e Itapoá foi impactada porque as demais pavimentações da Costa do Encanto estavam prontas ou nem tinham começado. Desde então, começaram as tratativas entre MPF, Estado e prefeituras sobre o licenciamento ambiental das obras paradas – e das já realizadas, assim como das intervenções pretendidas.

Em 2018, o MPF entrou com ação de execução sobre a decisão de novo licenciamento. No final do ano passado, o governo do Estado solicitou autorização para a retomada das obras com a alegação de que foi finalizada a minuta do termo de referência para os estudos ambientais das pavimentações da Costa do Encanto. Também foi informado que a Funai foi contatada para a contratação específica do componente indígenas – há comunidades indígenas no entorno de parte das estradas do programa.

Continua depois da publicidade

Na manifestação, o MPF alegou não concordou com a retomada das obras enquanto não seja assinado acordo sobre o licenciamento ambiental, homologado pela Justiça e com previsão de multas em caso de descumprimento. A posição foi tomada com a alegação de que “em mais de uma ocasião” e em “diferentes gestões”, representantes do governo do Estado não houve concordância com a realização dos estudos.

O MPF alegou ainda que o termo de referência precisa ser concluído com a manifestação da Funai, além de adequações sugeridas pelo próprio MPF. Na decisão de hoje, além de inferir o pedido, “por ora”, da retomada das obras, a Justiça Federal abriu prazo para o governo do Estado se manifestar sobre as manifestações do MPF.

Blocos de até 12 toneladas são usados na proteção de molhes em praia do PR

Instalação de novas lombadas vai levar mais tempo em Joinville

Transporte por barco em SP reduz tempo de viagem; Joinville tentou modal nos anos 2000

Onde o mapa de Santa Catarina pode ficar maior

Nova modelagem no transporte coletivo em Joinville continua à espera da licitação

Mais uma vez, licitação para alargar praia em SC não tem contratação

Como Joinville está mudando relação com a Babitonga

Destaques do NSC Total