nsc
hora_de_sc

Polícia

Advogada é atacada após condenar estupro motivado por homofobia em Florianópolis

Margareth Hernandes recebeu uma série de mensagens com ameaças ao longo do fim de semana

07/06/2021 - 10h03 - Atualizada em: 07/06/2021 - 18h26

Compartilhe

Catarina
Por Catarina Duarte
Ameaças foram feitas por meio das redes sociais da advogada
Ameaças foram feitas por meio das redes sociais da advogada
(Foto: )

A presidente da Comissão de Direito Homoafetivo e Gênero da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SC), Margareth Hernandes, foi vítima de ataques virtuais após se manifestar sobre o caso de estupro registrado em Florianópolis na segunda-feira (31).

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

Segundo Margareth, as ameaças começaram após um site distorcer uma publicação feita por ela sobre o caso. Ainda no sábado (5), a advogada passou a receber mensagens de ódio nas redes sociais.

— Hoje nem tive coragem de abrir. Tinha 20 solicitações de mensagens [no Instagram] e eu nem quero abrir. Eu fiquei mal com as coisas que eles falam e fiquei com medo — contou Margareth.

Uma das mensagens chama a advogada de "escárnio humano” e “lixo”. “Vai procurar uma coisa mais útil para fazer”, completou o texto. Já uma usuário do Twitter fez uma série de publicações criticando Margareth e em uma delas comentou o caso de estupro dizendo: “Bem feito, quem mandou ser esse ser nojento?”.

A mensagem que motivou os ataques foi publicada na página pessoal da advogada. Na publicação, ela lamentou o ocorrido e criticou discursos de ódio que incentivam crimes brutais.

“É com profunda tristeza, que inicio o mês do orgulho LGBTQI com uma notícia deste timbre! (…) Mais um dia de violência no país que mais mata homo e transexuais no mundo. Essa violência que cresce assustadoramente com o incentivo de algumas igrejas, do presidente da República, de alguns prefeitos, governadores e parlamentares. Discursos de ódio são aplaudidos e por conta desses aplausos pessoas morrem de forma cruel, porque seus algozes se encontram legitimados por um governo genocida e homofóbico”, escreveu.

Na tarde desta segunda-feira (7), Margareth pretende registar um Boletim de Ocorrência contra os ataques. Ela também vai entrar com uma ação na justiça contra o site que, segundo ela, deturpou seu texto.

Com medo dos ataques, a advogada limitou os comentários de suas publicações no Instagram. O número de celular que era disponibilizado para o contato com ela também foi retirado do ar.

Polícia investiga o caso

A tortura e estupro de um jovem estão sendo investigados em Florianópolis. O crime aconteceu na segunda-feira (31) e a suspeita da polícia é de que tenha sido motivado por homofobia. Segundo informações da Delegacia Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (​DPCAMI), que a assumiu preliminarmente o caso, a vítima teve a palavra “viado” tatuada em sua perna. A Polícia Civil não divulgou detalhes sobre o caso.

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), por meio das Comissões de Direito Homoafetivo e Gênero e do Direito da Vítima, classificou o caso como “crime bárbaro”. Em nota, a entidade afirmou que prestar apoio à vítima e aos familiares, além de acompanhar a investigação com a polícia.

Leia mais: 

Live ‘Criança Viada’ é censurada pela prefeitura de Itajaí

Casal diz que sofreu transfobia após ter certidão preenchida errada em maternidade de Jaraguá do Sul

Conheça as gêmeas que realizaram cirurgia de mudança de sexo em SC

Intolerância: Aluna de psicologia ‘denuncia’ bandeira LGBT na casa do professor em SC

Colunistas