nsc
    dc

    Economia

    Entenda a crise na Petrobras após intervenção de Bolsonaro e reação do mercado

    Presidente reclamou de reajustes de gasolina e diesel e decidiu trocar comando da estatal, o que causou queda no valor da empresa, na bolsa e alta do dólar

    22/02/2021 - 14h29 - Atualizada em: 22/02/2021 - 15h41

    Compartilhe

    Jean
    Por Jean Laurindo
    Petrobras virou foco de crise após reajustes recentes dos combustíveis e mudança na presidência anunciada por Bolsonaro
    Petrobras virou foco de crise após reajustes recentes dos combustíveis e mudança na presidência anunciada por Bolsonaro
    (Foto: )

    A Petrobras passou a ser o alvo de mais uma crise no governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A polêmica começou após mudanças na estatal anunciadas por Bolsonaro por descontentamento com os sucessivos aumentos no preço dos combustíveis. As medidas, no entanto, despertam críticas de economistas, afetaram o valor de mercado da companhia e são consideradas possíveis intervenções na gestão e um risco à política de preços atual, o que iria contra os preceitos liberais defendidos pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

    > Estela Benetti: o pior da crise da Petrobras ainda está por vir

    A polêmica começou com a série de reajustes nos preços do diesel e da gasolina anunciados pela Petrobras desde o início de 2021. De janeiro até agora, já foram quatro reajustes na gasolina, com acréscimo acumulado de 34,7% desde o começo do ano, e três do diesel, com elevação de 27,7%. Em Florianópolis e em Blumenau, o preço da gasolina nos postos já passa de R$ 5 desde a última semana.

    A alta nos combustíveis desencadeou críticas de setores como os caminhoneiros, que chegaram a bloquear rodovias no início do mês e prometeram novos protestos. Os aumentos também provocam temor de desgaste na popularidade e possível reflexo na elevação de preços em outros setores que dependem do transporte, como o de alimentos.

    Descontente com a situação, o presidente Bolsonaro voltou as atenções à estatal. Na sexta-feira da semana passada (19), afirmou que “jamais iria interferir na Petrobras”, mas na mesma fala disse que haveria mudanças na empresa e que “o povo não pode ser surpreendido com certos reajustes”. Ele já vinha criticando os aumentos e disse que o último acréscimo estaria “fora da curva”.

    Ainda na sexta-feira, Bolsonaro anunciou a indicação do general Joaquim Silva e Luna, atual diretor da Itaipu Binacional, para ser o novo presidente da Petrobras, no lugar do atual comandante da companhia, Roberto Castello Branco. A medida precisa ser aprovada pelo conselho de administração da Petrobras, que tem a próxima reunião marcada para esta terça-feira (23), mas que pode discutir o assunto somente em uma futura assembleia. Castello Branco foi indicado por Paulo Guedes e tem mandato até 20 de março.

    > Bolsonaro anuncia general como novo presidente da Petrobras

    Presidente também zerou imposto de combustíveis

    Além da troca na presidência, Bolsonaro também informou na semana passada que iria zerar os impostos federais, como PIS e Cofins, do óleo diesel por 60 dias, a partir de 1º de março. O presidente também estuda apresentar um projeto ao Congresso para alterar o ICMS (imposto estadual) sobre combustíveis. Uma possibilidade seria estabelecer um valor fixo e outra, cobrar o tributo nas refinarias, onde o valor do produto é menor, e não mais nos postos, como ocorre hoje.

    Atualmente o preço dos combustíveis é corrigido pela Petrobras conforme a variação do dólar e do petróleo no mercado internacional. Essa política garantiu uma recuperação financeira de perdas de outros períodos à Petrobras e teria ajudado a empresa a recuperar valor no mercado de ações.

    Nesta segunda, Bolsonaro voltou a fazer críticas à Petrobras em conversa com apoiadores. Disse que a estatal "só tem um viés", e que seria atender aos interesses de "alguns poucos grupos no país". Disse que "é um direito seu" não reconduzir o atual presidente e reclamou até mesmo do atual presidente da companhia estar supostamente trabalhando em regime de home office durante os últimos meses, por causa da pandemia do novo coronavírus.

    > Receba notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

    Petrobras teve queda de 20% após anúncio de troca

    Preço da gasolina já sofreu quatro reajustes desde o início do ano
    Preço da gasolina já sofreu quatro reajustes desde o início do ano
    (Foto: )

    As críticas à política de preços e a mudança na presidência da Petrobras são encaradas como um sinal de possível intervenção política de Bolsonaro na estatal, o que iria contra os preceitos liberais da economia, uma bandeira clara do ministro da Economia, Paulo Guedes, e defendida até mesmo pelo presidente em algumas ocasiões. O gesto também é encarado como um aceno aos caminhoneiros, que vinham reclamando dos aumentos no diesel, mas que estaria desagradando o mercado.

    Mais do que isso, a estratégia de alterar o comando da companhia e pressionar por mudanças nos preços provocou reações negativas do mercado e fez o valor da Petrobras despencar 20% nesta segunda-feira (22). Em cifras o valor de mercado teria caído cerca de R$ 70 bilhões, segundo informação do portal G1. Até mesmo outras companhias com participação estatal, como Eletrobras e Banco do Brasil, tiveram redução de valor.

    A bolsa de valores brasileira, B3, também teve queda de mais de 5% até o início da tarde desta segunda. Já o dólar registrou forte alta, passando de R$ 5,38 a R$ 5,53 no maior valor registrado na manhã desta segunda.

    Indicado por Bolsonaro para presidir a Petrobras nos próximos dois anos caso o conselho de administração aprove o nome, o general da reserva Silva e Luna tem 71 anos, é doutor em Ciências Militares e hoje é diretor-geral da Itaipu Binacional. Ele foi ministro da Defesa durante a gestão do ex-presidente Michel Temer.

    Reajuste em imposto força o terceiro aumento na gasolina em SC em 2021

    Intervenção é ruptura na política econômica, diz economista

    O economista Guilherme Alano, sócio da empresa Siglo Investimentos, diz que a interferência na Petrobras teve dois reflexos. O primeiro diretamente ligado à Petrobras, com a queda de valor de mercado da companhia, que representa um prejuízo para a população, já que se trata de uma empresa estatal. O segundo efeito ocorre em outras empresas estatais, que também perdem valor por causa de um receio de que o governo comece a interceder também nessas companhias, modificando a gestão atual mais identificada com o livre mercado.

    Além disso, a crise com a troca da presidência da Petrobras eleva o dólar, que é um custo de produção da Petrobras e, portanto, pode piorar ainda mais a situação dos reajustes dos combustíveis. Todo esse cenário de risco e “mudança de regra no meio do jogo” afugenta também investidores estrangeiros, que podem buscar mercados mais previsíveis e com maior segurança jurídica, segundo o economista.

    – O reflexo não é só na Petrobras, é tudo que essas medidas representam. O que acontece agora foi uma ruptura na condução da política econômica que, aos trancos e barrancos, estava sendo adotada. Temos uma guinada neste início de 2021 totalmente oposta ao que era conduzido durante a campanha e, de certa maneira, no primeiro ano do mandato – afirma.

    A expectativa agora é para saber como devem ser os próximos gestos da administração Bolsonaro diante da crise decorrente da mudança na Petrobras. Segundo Alano, o governo pode repetir o histórico recente de buscar amenizar o tom após anúncios que causam maior impacto na economia, ou então surpreender e partir para uma guinada mais estatizante na segunda metade do mandato.

    – Agora o governo tem essas duas opções. Ou ele vai "assoprar", dizer que faz uma intervenção leve, mais para a questão pública dele, para dizer aos caminhoneiros, ao público de baixa renda que interveio, mas não fazer nada. Ou então ele pode de fato fazer essas mudanças mais drásticas – projeta.

    Leia também

    > Se dependesse dos deputados de SC Daniel Silveira estaria solto

    > Coronavírus: Governadores do Sul se reúnem diante do avanço da doença

    > Aumento do preço da gasolina pela quarta vez em 2021 preocupa

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Economia

    Colunistas