nsc
dc

FRIO DESUMANO

Família de Florianópolis tapa frestas de casa com papelão para se proteger e mostra lado cruel do frio

“O jeito é se esquentar com o calor do corpo do outro”, conta Rosimar Passos, moradora; SC vive onda de frio extremo com até -8,9°C na Serra

30/07/2021 - 15h59 - Atualizada em: 30/07/2021 - 19h51

Compartilhe

Por Ângela Bastos
Situação vivida pela família Lopes expõe a dificuldade enfrentada pelas famílias carentes de Florianópolis em tempos frios.
Situação vivida pela família Lopes expõe a dificuldade enfrentada pelas famílias carentes de Florianópolis em tempos frios.
(Foto: )

Madrugada de 30 de julho de 2021. Na Ilha de Santa Catarina, a segregação espacial imposta pela geografia que aparta moradores foi derrubada pela massa de ar gelado.

Fez um grau centígrado.

Severa como nunca enquanto sequência de dias, a onda de frio atingiu de forma implacável os mais expostos. Se foi uma surra em quem estava nas camas de cimento do asfalto — como moradores de rua — também foi um açoite nos que vivem nos morros de Florianópolis. Houve até formação de geada, fato raro em uma cidade litorânea.

> Receba notícias de Florianópolis por WhatsApp. Saiba como

Lá em cima, nos altos da Rua José Boiteux, no Maciço do Morro da Cruz, a família Lopes usou roupas, papelão e jornal para tapar as frestas nas paredes da casa de cinco cômodos. É o lado desumano do frio extremo que atinge Santa Catarina nesta semana. No lugar vivem duas mulheres idosas. A matriarca Adelaide, 95 anos, está acamada, enquanto Neusa, 59 anos, convive com problemas de saúde física e mental.

> SC amanhece com frio extremo de -8,9 °C e abaixo de zero em todas as regiões; veja fotos

São ainda mais três moradores adultos, uma criança de quatro anos e um bebê de 11 meses. Fora do conceito de sem-teto e tampouco de moradores de rua, os Lopes ocupam uma casa que retrata o quadro de precarização das condições de moradia de milhares de pessoas em Florianópolis.

Rosimar e Letícia enfrentam o frio e o vento que passa nas frestas.
Rosimar e Letícia enfrentam o frio e o vento que passa nas frestas.
(Foto: )

Úmida e espremida por uma barreira que pode desabar, a residência está próxima de um mato que torna o lugar mais inóspito:

— À noite, aqui, é congelante. Mal o sol vai embora e a gente começa a tremer —conta Rosimar Passos, 42 anos, casada e mãe das crianças.

Para amenizar a situação, Rosimar coloca os meninos para dormir com ela e o marido:

— Nos esquentamos um com o calor do corpo do outro.

Já durante o dia, a tática é diferente:

— Quando tem farinha, a gente faz pão e o forno deixa a casa mais quentinha.

“Se chove, pinga dentro, se venta, treme tudo”

Não são apenas os mais velhos que sentem o frio cortante. Letícia Lopes, 17 anos, estudante do 9º ano, também reclama:

— Lá pelas 4 da tarde já tenho que colocar roupa quente. Aqui não se leva uma vida fácil: se chove, pinga dentro de casa; se venta, treme tudo — conta a adolescente que faz curso de Inglês pela internet e sonha em se tornar comissária de bordo.

> Neve é registrada em 28 cidades de Santa Catarina; veja fotos e vídeos

> 'Estalactites de gelo' em SC revelam intensidade do frio na Serra; veja fotos

A casa, explica, foi comprada há uns 30 anos pelo avô, vindo da região de Lages. A ideia era como tempo fazer melhorias, mas a situação financeira foi se agravando e Justino Lopes faleceu sem realizar o desejo de uma moradia mais digna.

O inverno extremo coincide com a pandemia que impactou a vida da família. Rosimar trabalhava como empregada doméstica, mas perdeu o emprego. Agora, cuida do filho menor e aguarda por uma vaga na creche onde o de quatro anos já frequenta.

Letícia estuda Inglês e sonha ser comissária de bordo.
Letícia estuda Inglês e sonha ser comissária de bordo.
(Foto: )

O marido dela, o músico Israel Lopes, 41 anos, perdeu a renda dos shows e apresentações em bares e restaurantes. Arrisca-se em pequenos serviços de pintura. A família depende de doações de cestas básicas. Nestes dias chegaram também alguns agasalhos. A única renda fixa da família é um salário de Adelaide.

> SC deve ter geada e novo amanhecer de frio extremo neste sábado

Letícia demonstra carinho para com a avó que a criou. Devido aos problemas de saúde, inclusive de visão, a idosa só se levanta para ir ao banheiro:

— A gente dá o braço, mas a vó dá um tapinha como se não precisasse de apoio. Ela vai no tato — diz.

> Denis Luciano: O lado nada romântico que o frio traz à tona

Linha divisória entre o morro e a cidade

Chega-se na casa dos Lopes pisando os 365 degraus de uma escadaria construída há cerca de 45 anos. Do alto, é possível se avistar a movimentada Avenida Mauro Ramos, a qual contorna o lado oeste do maciço.

Há quem compare Mauro Ramos à Faixa de Gaza, como referência às restrições impostas pelo estado de Israel ao povo palestino. É o que sugere a professora Luciana de Freitas, militante do Movimento Negro Unificado (MNU): trata-se de uma espécie de linha divisória entre o morro e o resto da cidade.

Ao se protegerem do frio com papelão e folhas de jornal os Lopes dão razão à professora e também moradora da comunidade.

Fé em Deus marca família de Neusa, apesar das dificuldades.
Fé em Deus marca família de Neusa, apesar das dificuldades.
(Foto: )

Milhares assim como os Lopes

Em Florianópolis, cerca 17 mil famílias estão inscritas no programa habitacional da prefeitura. A maioria vive de aluguel. Assim como os Lopes, muitos morando em áreas de vulnerabilidade. 

O município entregou dois conjuntos habitacionais nos últimos anos: na Ponta do Leal e no Jardim Atlântico. Mas reconhece que é preciso investir em moradias populares.

Rosimar com o filho de apenas 11 meses, tentando protegê-lo do frio.
Rosimar com o filho de apenas 11 meses, tentando protegê-lo do frio.
(Foto: )

Leia mais

Nevascas históricas em Santa Catarina; veja fotos e quando aconteceram

Pomar congelado e "bolhas de gelo": frio intenso em SC cria paisagens impressionantes

Conheça os 16 animais mais estranhos e raros vistos em SC

As diferenças entre as vacinas da Pfizer, Astrazeneca e Coronavac

Efeitos colaterais da astrazeneca; veja os sintomas mais relatados

SC tem quatro cidades entre as mais ricas do país; saiba quais

Colunistas