nsc
dc

Pandemia

Moisés e governadores de RS e PR vão discutir compra de vacinas e medidas contra a Covid-19

Encontro deve discutir possíveis ações conjuntas contra o avanço do coronavírus e consórcio para aquisição de doses

17/03/2021 - 06h00

Compartilhe

Jean
Por Jean Laurindo
Carlos Moisés vai se reunir com governadores do RS e PR para discutir ações contra Covid-19
Carlos Moisés vai se reunir com governadores do RS e PR para discutir ações contra Covid-19
(Foto: )

O governador Carlos Moisés (PSL) vai receber nesta quarta-feira (17) os governadores do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), e do Paraná, Ratinho Junior (PSD), para discutir possíveis medidas conjuntas dos estados para conter o avanço do coronavírus na região Sul. O encontro ocorre às 15h, na Casa d’Agronômica, em Florianópolis.

> Mãe e filho morrem no mesmo dia à espera de leito de UTI Covid em Ituporanga

Os governadores também devem discutir a possibilidade de formar um consórcio para a aquisição de vacinas contra a Covid-19 e de insumos para a saúde. Além disso, está na pauta ainda uma estratégia conjunta de apoio econômico aos estados no momento atual da pandemia.

Os três governadores já se reuniram anteriormente em encontro virtual. Na reunião presencial desta quarta, devem buscar ações conjuntas para enfrentar problemas comuns dos Estados, como o novo avanço da pandemia e o ritmo lento da campanha de vacinação.

Antes dessa reunião, às 14h, técnicos do Centro de Operações de Emergência em Saúde (Coes) se reúnem para decidir sobre a adoção de um possível lockdown em Santa Catarina. De acordo com uma decisão judicial da 2ª Vara da Fazenda Pública de Florianópolis, o que os técnicos decidirem deverá ser acatado pelo Estado. O governo de SC, no entanto, tenta recorrer da decisão e retomar a autonomia sobre a gestão da pandemia no território catarinense.

> Receba notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

SC tem colapso na saúde e disputa judicial sobre lockdown

Santa Catarina vive a expectativa de possíveis medidas contra o coronavírus porque vive o pior momento da pandemia, com recorde de mortes diárias e lotação em UTIs dos hospitais.

O governo do Estado já adotou nos últimos três finais de semana um lockdown parcial, com fechamento do comércio e manutenção apenas dos serviços essenciais entre a noite de sexta-feira e a manhã da segunda. No entanto, especialistas apontam que a medida não seria suficiente para aumentar o isolamento e, consequentemente, conter a pandemia no Estado.

Em meio a essa discussão sobre possível endurecimento das restrições, o Estado tem também uma disputa jurídica acerca de um possível lockdown. Uma ação do Ministério Público de Santa Catarina (MP-SC) tentou fazer com que o Estado adotasse um lockdown por 14 dias. A Justiça definiu que a decisão caberá ao Coes, formado por técnicos. O governo tenta reverter a decisão e retomar a autonomia sobre a decisão de fechar ou não atividades econômicas como estratégia de combate à Covid-19.

* Com informações da assessoria de imprensa do governo de SC

Leia também

> "SC não precisa criar auxílio emergencial porque não há desemprego", diz Paulo Eli

> SC espera mais 147 mil doses de CoronaVac, maior lote em dois meses de vacinação

> Morre catarinense de 59 anos que foi transferido ao Espírito Santo para tratar a Covid

Colunistas