nsc
dc

Vice-presidente

No Brasil não existe racismo, diz Mourão sobre morte de Beto Freitas em mercado no RS

Declarações do vice-presidente ocorreram no dia da Consciência Negra, em meio a forte comoção após a morte de um homem negro espancado por seguranças de um supermercado em Porto Alegre

20/11/2020 - 15h03 - Atualizada em: 20/11/2020 - 15h14

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Hamilton Mourão, vice-presidente do Brasil
Hamilton Mourão
(Foto: )

O vice-presidente Hamilton Mourão lamentou o espancamento de um homem negro até a morte por seguranças de um supermercado Carrefour em Porto Alegre. Mas disse não considerar que o episódio tenha sido provocado por racismo. O Brasil marca nesta sexta (20), um dia depois da tragédia, o Dia da Consciência Negra

Ao comentar o episódio, filmado e divulgado desde o fim da noite de quinta, Mourão afirmou que a equipe de segurança do estabelecimento estava "totalmente despreparada", mas disse que não existe racismo no Brasil. 

> Vídeo: amigo de homem negro morto em supermercado diz que 'ele gritava que não conseguia respirar'

As declarações do vice ocorreram no dia da Consciência Negra, em meio a forte comoção após a morte de João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos que foi espancado por dois seguranças de uma loja do supermercado Carrefour localizada no bairro Passo d´Areia, na zona norte de Porto Alegre. 

— Lamentável isso aí. A princípio é a segurança totalmente despreparada para a atividade que tem que fazer — disse o vice, ao chegar em seu gabinete no Palácio do Planalto, em Brasília.

> Hackers invadem com ofensas racistas e homofóbicas debate virtual sobre direitos humanos em SC

Questionado se considerava que o episódio mostrava um problema de racismo no Brasil, Mourão respondeu: 

— Não, para mim no Brasil não existe racismo. Isso é uma coisa que querem importar, isso não existe aqui. Eu digo pra você com toda tranquilidade, não tem racismo. 

> Morte de negro em supermercado é crime “bárbaro”, diz Gilmar Mendes

O vice foi novamente perguntado por jornalistas se não enxergava um componente racial no episódio. Ele reiterou que não considerava um caso de racismo. 

— Não, eu digo para vocês pelo seguinte: porque eu morei nos Estados Unidos. Racismo tem lá. Eu morei dois anos nos Estados Unidos. Na minha escola, o pessoal de cor andava separado, [algo] que eu nunca tinha visto isso aqui no Brasil. Saí do Brasil, fui morar lá, era adolescente, e fiquei impressionado com isso aí. 

> Vereadora eleita Ana Lúcia Martins sofre ameaça de morte e ataques racistas em Joinville

Mourão afirmou que morou nos EUA no final da década de 60, quando o debate sobre direitos civis e segregação estava no auge.

— Isso no final da década de 60. Mais ainda, o pessoal de cor sentava atrás do ônibus, isso é racismo. Aqui não existe. Aqui, o que vc pode pegar e dizer é o seguinte: existe desigualdade. Isso é uma coisa que existe no nosso país. Nós temos uma brutal desigualdade aqui, fruto de uma série de problemas, e grande parte das pessoas de nível mais pobre, que tem menos acesso aos bens e as necessidade da sociedade moderna, são gente de cor.

*Por Ricardo Della Coletta.

> Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui

> Consciência Negra: "Racismo ameaça a vida das pessoas", diz vereadora atacada em Joinville

> Denúncias por racismo e injúria racial em Joinville aumentam 110% em dois anos

> “A gente tem mais tempo de escravidão no Brasil do que sem ela”, diz filósofa Djamila Ribeiro

Colunistas