nsc
dc

Pobreza menstrual

Riscos de usar produtos inadequados durante a menstruação

Alternativas como miolo de pão e jornal podem ser perigosas para a saúde

17/10/2021 - 04h00 - Atualizada em: 20/10/2021 - 12h02

Compartilhe

Mayara
Por Mayara Souto
Distribuição de absorventes em SC
Projetos em SC auxiliam mulheres de baixa renda doando absorventes e outros itens de higiene básica
(Foto: )

O Brasil começou a discutir a distribuição gratuita de absorventes para pessoas de baixa renda, após o Senado aprovar uma lei para fornecer absorventes em escolas públicas, para moradoras de rua, e presidiárias. Porém, o presidente Jair Bolsonaro vetou o projeto.

A lei seria um primeiro passo para diminuir a pobreza menstrual no Brasil. Esse termo trata sobre as pessoas que menstruam e não tem acesso a itens básicos de higiene durante este período. 

> Receba as notícias do NSC Total em seu WhatsApp

O relatório "Pobreza Menstrual no Brasil - Desigualdades e Violações de Direitos", do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), mostra alguns dados alarmantes da realidade de brasileiras entre 10 e 19 anos. Conforme os dados, 713 mil mulheres e meninas não têm banheiro ou chuveiro em casa, e 570 mil não têm acesso nenhum a água encanada.

> Veto de Bolsonaro a distribuição de absorventes é criticado em SC: “Vai gastar com o SUS depois”

Sem o mínimo de acesso sanitário, e sem renda para adquirir produtos de higiêne menstrual, as pessoas que menstruam recorrem a soluções improvisadas para conter o fluxo de sangue. Miolo de pão, jornal e panos, podem ser algumas alternativas.

Riscos de utilizar itens inadequados para conter a menstruação

O médico de família e comunidade, Ronaldo Zonta, que atende pelo Sistema Único de Saúde (SUS) de Florianópolis afirma que utilizar itens que não sejam recomendados para o cuidado menstrual "podem levar ao maior risco de infecções vaginais e da vulva da mulher, como, por exemplo, infecções fúngicas, bactérias, candida".

Já a médica ginecologista e obstetra Juliana Ribeiro Figueira, que trabalha na Prefeitura de Balneário de Itajaí, comenta que "se ela [a mulher] estiver usando um paninho que foi ela mesma quem cortou, higienizou, passou um ferro quente, não teria problemas". Porém, alerta que "se o material estiver contaminado pode gerar infecção".

Além disso, o especialista comenta como a situação pode se agravar e atingir outros níveis de problema de saúde: 

— A pessoa corre o risco que aquele item fique no canal vaginal e seja necessário algum tipo de procedimento,desde pequeno até cirúrgico, para retirar o objeto. Não se deve usar produtos que não sejam específicos para o cuidado menstrual.

> Pobreza menstrual tem lei? Como o Rio de Janeiro combate o problema

Segundo Zonta, muitas meninas e mulheres não conversam sobre o assunto nas consultas por sentirem vergonha, então, para ele, também é importante que se invista no "treinamento em habilidades de comunicação dos profissionais de saúde para identificar esta demanda da mulher e que ela se sinta a vontade de falar sobre isso". 

Itens recomendados para o período menstrual

Existem muitas opções atualmente de absorventes para utilizar durante o período menstrual. Veja lista abaixo:

  • Absorvente higiênico externo
  • Absorvente higiênico interno (OB)
  • Absorvente de pano
  • Calcinhas absorventes
  • Coletor menstrual
  • Esponja absorvente

Porém, é necessário entender também que essas alternativas mais ecológicas podem custar mais caro e ficar ainda mais distante para pessoas de baixa renda.

> Podcast 'Naqueles Dias' do NSC Total trata sobre pobreza menstrual

Métodos contraceptivos para pausar menstruação

Quando entra em discussão a questão da pobreza menstrual, muitas pessoas questionam, "mas por que não utilizar anticoncepcionais para parar a menstruação, então?". A médica ginecologista e obstetra, Juliana Ribeiro Figueira, responde que "nenhum método a gente consegue garantir que ela vai ficar sem menstruar. Mas, tem alguns métodos que são mais possíveis de diminuir ou até cessar".

— Não tem problema nenhum esses métodos que interrompem a menstruação, porque quando a gente usa está bloqueando a ovulação. Não acumula menstruação, não sobe para a cabeça, não tem nenhum problema.

Alguns exemplos de métodos contraceptivos que podem causar esse efeito são os anticoncepcionais, DIU mirena e injeção anticoncepcional trimestral. No caso das pílulas anticoncepcionais, é necessário emendar cartelas, sem deixar dias de espaçamento. Porém, a médica alerta que é "recomendado fazer uma pausa no quarto mês para vir a menstruação". 

A médica também alerta que "sempre antes de utilizar algum anticoncepcional, a mulher precisa passar por consulta com médico, para fazer análise médica detalhada, ver histórico médico, fazer alguns exames". 

Vale dizer que utilizar um método contraceptivo para cessar a menstruação é uma opção para quem assim o desejar. Porém, não acaba, nem diminui, o problema da pobreza menstrual. 

Projetos de distribuição de absorventes em SC

Em Santa Catarina, algumas cidades já contam com iniciativas para combate a pobreza menstrual.

Em São José, uma lei de 2020, em parceria com o coletivo Menstruando sem Tabus, propõe o fornecimento de absorventes nas escolas públicas.

Já em Florianópolis, uma proposta da câmara de vereadores propõe um programa de erradicação da pobreza menstrual. Recentemente, em 2021, a prefeitura anunciou que irá distribuir na rede municipal 16 absorventes por menina ao mês.

> Opinião: Pobreza menstrual é um problema social, sim

Já em Criciúma, aprovou um projeto de lei que estabelece a Política Pública Menstruação sem Tabu, desde a metade de 2021.

O projeto de lei barrado

O projeto de autoria da deputada federal Marília Arraes, do PT de Pernambuco estabelece a distribuição gratuita de absorventes higiênicos para estudantes dos ensinos fundamental e médio da rede pública, mulheres em situação de vulnerabilidade e detentas.

A lei atingiria pessoas que menstruam da faixa etária de 12 a 51 anos no Brasil. Para isso, as cestas básicas entregues pelo Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional contariam com absorvente higiênico feminino como item essencial.

O governo afirmou que o programa “contraria o interesse público, porque criaria despesa obrigatória de caráter continuado”. E também disse que o item de higiene não se enquadra “em insumos padronizados do SUS”.

Veja galeria de fotos sobre pobreza menstrual

Entenda o que é a Pobreza Menstrual

Conheça o podcast 'Naqueles Dias' sobre Pobreza Menstrual

Leia também:

Salário de professor pode chegar a R$ 11 mil em SC; entenda

Vídeo flagra cadeirante sendo atropelado ao tentar atravessar a rua em Joinville

Segurança escapa por pouco de carro que invadiu shopping em Florianópolis; veja vídeo

Colunistas