nsc
dc

Campo Belo do Sul

Suspeito de matar Ana Kemilli em SC consolou família, foi ao enterro e ajudou nas buscas

Homem de 21 anos foi denunciado junto com irmã pelo feminicídio de Ana Kemilli; a jovem tinha 14 anos

24/06/2021 - 12h57 - Atualizada em: 24/06/2021 - 14h17

Compartilhe

Catarina
Por Catarina Duarte
Adolescente foi encontrada morta amarrada em uma árvore em fevereiro deste ano
Adolescente foi encontrada morta amarrada em uma árvore em fevereiro deste ano
(Foto: )

O suspeito de matar Ana Kemilli, 14 anos, ajudou nas buscas pela jovem e foi ao enterro dela. O homem de 21 anos foi denunciado por feminicídio, ocultação de cadáver e corrupção de menor. Além dele, duas pessoas também respondem pelo crime. A morte da adolescente aconteceu em fevereiro deste ano em Campo Belo do Sul, na Serra catarinense. 

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

> Ex-namorado é denunciado por assassinato de Ana Kemilli na Serra de SC

A prisão do suspeito foi anunciada pela Polícia Civil no dia 17 de junho. Segundo a investigação, o homem tinha uma “paixão mórbida” pela adolescente. Os dois tiveram um relacionamento entre 2018 e 2019. O namoro, segundo o Ministério Público, terminou após o acusado agredir a menina com um soco.

A avó da adolescente conta que a neta e o suspeito foram criados juntos. Segundo Zenilda Taques, a mãe do suspeito era madrinha da adolescente e ajudou na criação da menina.

— Ele brincou com ela na infância, ajudou a cuidar dela muitas vezes. Quando a minha filha estava muito apurada com o serviço, a mãe dele levava a Kemilli para a casa dela para cuidar um pouco — conta.

A proximidade entre as famílias se manteve no período em que não se tinham respostas sobre o assassinato da adolescente. Keli Taques, mãe de Kemilli, conta que enquanto a polícia buscava pelo autor do crime, o homem chegou a ir até a casa da vítima consolar a família.

— Ele [suspeito] e a mãe dele vieram aqui em casa. Ele não chegou a entrar, mas ficou na parte de fora conversando com o meu marido como se nada tivesse acontecido — conta.

A irmã do suspeito, uma jovem de 19 anos anos também foi denunciada pelo MInistério Público pelo assassinato. Segundo o MP, ela foi até a casa da vítima e a convenceu a sair para acompanhá-la em parte do caminho de volta para sua residência. Depois disso Kemilli foi atraída por seu vizinho, um adolescente de 15 anos, a ir até um local onde o suspeito estava.

> Conheça o passo a passo do atendimento às vítimas de violência doméstica nas Dpcamis

O adolescente confessou participação no crime e foi responsabilizado pela Justiça. Ele cumpre uma medida socioeducativa. Segundo o MP, o jovem aceitou participar do assassinato por que o suspeito disse o ajudaria em um romance com a irmã.

Para Keli foi um choque descobrir a trama por trás do assassinato da filha mais velha. Desde do dia do desaparecimento, ela mobiliza por meio das redes sociais uma campanha pedindo justiça por Kemilli.

— A gente sempre espera justiça, mas ficamos abalados igual. Não sabemos o porquê de pessoas tão próximas fazerem uma coisa dessa. Pessoas que você conhece a vida toda — comenta.

Relembre o caso

Ana Kemilli foi encontrada morta amarrada em uma árvore em uma área de mata no interior de Campo Belo do Sul. O corpo foi encontrado em 8 de fevereiro, dois dias após o desaparecimento da jovem.

O adolescente responsabilizado pelo crime procurou a delegacia para confessar a participação um dia após a localização do corpo. A Polícia Civil, no entanto, suspeitou que ele não agiu sozinho e seguiu a investigação.

> Entenda por que mortes de mãe e filha não entraram na estatística de feminicídio em SC

O homem de 21 anos está preso preventivamente em Lages. Não há informações sobre a prisão da irmã do suspeito.

A reportagem não conseguiu localizar a defesa dos acusados.

Conheça os sinais dados antes do feminicídio:

Leia também:

Marido de mulher desaparecida há um ano no Alto Vale é preso em operação do Gaeco

Jovem de 19 anos morre em Blumenau vítima da Covid-19

Novo alerta em SC indica risco de tempestade severa e vento de até 80 km/h; veja onde

Efeitos colaterais da astrazeneca; veja os sintomas mais relatados

Colunistas