nsc
nsc

Opinião

Bolsonaro deveria fazer empréstimo para pagar as próprias férias

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
02/06/2021 - 08h15 - Atualizada em: 02/06/2021 - 09h36
Bolsonaro na Praia da Enseada, em São Francisco do Sul
Bolsonaro na Praia da Enseada, em São Francisco do Sul (Foto: Reprodução)

Empatia não é o forte do presidente da República. Mas, ao afirmar nesta terça-feira (1º) que os brasileiros descontentes com o valor do auxílio emergencial podem recorrer a empréstimo bancário, Jair Bolsonaro subiu mais um degrau na falta de noção.

Custo das férias de Bolsonaro em Santa Catarina e São Paulo ultrapassa R$ 2,3 milhões

Talvez o presidente da República não saiba, mas o cidadão que se candidata a um empréstimo no banco precisa, antes de tudo, provar que é um bom pagador. E isso tem sido cada vez mais difícil, em meio ao desemprego e ao custo de vida cada vez mais alto.

Em abril, segundo um levantamento da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), 67,5% dos brasileiros tinham entrado no mês com contas pendentes – dado que iguala o recorde histórico. Para os inadimplentes, nada de empréstimo.

Sem máscara, Bolsonaro tira fotos com banhistas e provoca aglomeração em praia de SC

Bolsonaro tem razão ao dizer que o valor do auxílio emergencial impacta nas contas do país. Mas, antes de sair atirando, deveria revisar os próprios gastos.

O presidente poderia, por exemplo, recorrer ao empréstimo bancário que sugeriu aos brasileiros na próxima vez em que resolver passar um feriadão em Santa Catarina, como fez no último Carnaval. A fatura saiu salgada: R$ 1,8 milhão.

Deputados entram na Justiça para que Bolsonaro devolva dinheiro gasto nas férias em SC

Entraram na conta as passagens aéreas e hospedagem dos agentes de segurança, manutenção e combustível da aeronave presidencial, e o cartão corporativo, onde estão os gastos pessoais. Só no cartão corporativo foram gastos mais de R$ 700 mil.

Nas férias de fim de ano, em que se dividiu entre São Francisco do Sul e Guarujá, no Litoral de São Paulo, o presidente gastou mais R$ 2,4 milhões.

Vale lembrar que Bolsonaro aumentou o próprio salário por meio de Medida Provisória. Mudou o cálculo do teto salarial e recheou, assim, os rendimentos dos aposentados que ocupam cargos de confiança.

Acabou a folia: Em SC, Bolsonaro curtiu Carnaval negado aos brasileiros

O presidente, que se aposentou como capitão do Exército, ganhou um reajuste de R$ 2,3 mil e passou a receber mais de R$ 41 mil - um pouco acima do teto do funcionalismo. Com esse salário, não terá dificuldades se precisar de empréstimo para curtir o próximo feriadão. Mesmo que o gasto seja milionário.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Leia também:

Santa Catarina avalia eventos-teste para Covid-19 a partir de julho

Promotor dá lição em homofóbicos em SC ao arquivar denúncia contra live 'Criança Viada'

Aeroportos de SC estão à mercê da variante indiana do coronavírus

Convocação de Moisés e Daniela é desvio de foco na CPI da Covid

Prefeitura de Florianópolis não pode suspender aulas por suspeita de Covid, decide Justiça

Ação de governadores para não depor na CPI da Covid já está no STF

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas