nsc
    nsc

    Economia

    Como a BRF, oitava maior exportadora do País, começou a vender para fora

    Compartilhe

    Estela
    Por Estela Benetti
    10/09/2018 - 05h25

    As duas marcas da BRF, Sadia e Perdigão, se fortaleceram nos primeiros anos vendendo carne suína e derivados para São Paulo, mas a estreia no mercado internacional foi longe do Brasil. Ambas começaram a exportar carne de frango para o Oriente Médio nos anos 1970. A Sadia foi pioneira, em 1974. Em 1975 foi a vez da Perdigão começar as vendas para aquele mercado. O produto catarinense agradou tanto que até hoje a Sadia é top of mind em vários países, onde atua com a própria marca, especialmente na Arábia Saudita.

    Embora estratégico para alimentar o mundo, o mercado internacional de proteína animal é muito disputado e regulamentado. Na trajetória lá fora, uma das conquistas mais difíceis foi a abertura do mercado do Japão para a carne suína catarinense. Após cerca de 15 anos de cuidados especiais com a sanidade animal, incluindo o reconhecimento de SC como livre de aftosa sem vacinação, o mercado japonês foi aberto em julho de 2013. A BRF, com a marca Sadia, foi a primeira empresa a embarcar carne suína ao país asiático. Os cortes foram produzidos na unidade de Campos Novos e embarcados pelo Porto de Itajaí para pedido da Mitsubishi, um dos maiores players do setor de carne do Japão que já tinha uma relação comercial com a empresa desde os anos 90 com a importação de frango. 

    Oitava maior exportadora do Brasil no ano passado, a BRF obteve 51% da receita líquida com exportações e cresceu 4,1% no exterior no período. Este ano enfrenta mais dificuldades. No segundo trimestre, as exportações da companhia, em volume, caíram 13,7% frente ao mesmo período do ano passado.

     As principais razões são o maior protecionismo de alguns países, embargos devido à Operação Carne Fraca e a greve do transporte. 

    – Ao final de maio, a Comissão Europeia excluiu 12 plantas da companhia localizadas no Brasil da lista de estabelecimentos habilitados a exportar para o bloco europeu, inviabilizando as exportações a partir de nossa principal plataforma de produção. Não enxergamos razões técnicas para referendar tal decisão, uma vez que cumprimos rigorosamente com todas as regras e legislações sanitárias locais e internacionais. Já protocolamos nossa apelação junto à Corte de Justiça da Comissão Europeia e aguardamos o resultado desta solicitação – explica a BRF. 

     

    Uma das mais internacionais do País

    Uma das empresas mais internacionalizadas do país, a BRF possui 23 fábricas no exterior, situadas na Argentina, Holanda, Reino Unido, Turquia, Malásia, Tailândia e Emirados Árabes Unidos. Mas em junho deste ano, por enfrentar crise financeira, a companhia anunciou plano de desinvestimento de ativos na Argentina,  Europa e Tailândia para obter geração de caixa de R$ 5 bilhões. As unidades ainda não foram vendidas. Apesar disso, a companhia continua com o foco de estar em todos os principais mercados mundiais. 

     

    Veja também:

    90% das exportadoras de SC vão vender mais para o exterior neste ano e em 2019 

    54% da receita líquida da WEG vem de exportações 

    Ideia de negócio: como empresa de Blumenau inventou ralo inovador

    Empresa de SC coloca Brasil entre países produtores de chocolates finos

    Empresa catarinense vai vender cosméticos veganos e hipoalergênicos para o exterior

    Tecnologia de moda de SC passa a ser fabricada também na Itália 

    Tupy vende 83% da produção para outros países

    Empresa de Caçador tem duas fábricas dedicadas exclusivamente para exportações 

    Como a Apex-Brasil ajuda empresas a começar a exportar

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas