nsc
nsc

Negócios

Acionistas da Hering manifestam apoio à venda da empresa para o Grupo Soma

Compartilhe

Pedro
Por Pedro Machado
27/04/2021 - 14h32
Cia. Hering
Sede da Cia. Hering no bairro Bom Retiro, em Blumenau (Foto: Patrick Rodrigues)

Dois dos principais acionistas da Cia. Hering que não têm ligação direta com a família fundadora manifestaram apoio à operação que prevê a incorporação da companhia pelo Grupo Soma. O negócio, avaliado em R$ 5,14 bilhões, foi anunciado em conjunto pelas partes nesta segunda-feira (26).

> Receba notícias de Blumenau e do Vale pelo WhatsApp

A Atmos, gestora de recursos que administra fundos titulares de 14,14% do capital social da empresa, classificou a operação como “benéfica à Hering e seus acionistas” em correspondência endereçada à companhia.

No documento, tornado público pela própria Cia. Hering, a Atmos acrescenta que os negócios das duas companhias são complementares e que a operação, além de trazer sinergias, “irá garantir e acelerar a continuidade do processo de modernização da Cia. Hering que já se encontra em curso”.

> Evandro de Assis: "Venda da Hering marca o fim de uma era para Blumenau"

A Velt Partners, gestora de investimentos detentores de 8% do capital da companhia, seguiu linha semelhante, ressaltando que a operação representa “um importante passo para a Hering”.

Também em correspondência, lembrou que o histórico e a experiência do Grupo Soma em processos de incorporação, com preservação da cultura e marcas envolvidas, “nos leva a crer que o projeto de revitalização e modernização da Hering hoje em curso poderá ser acelerado e fortalecido”.

> Netos de Eulália Hering buscam na Justiça nulidade de negócios com patrimônio da avó

O apoio de fundos de investimento é importante, mas a palavra final de herdeiros tem mais peso. O “sim”, no entanto, não será problema. Os chamados “acionistas de referência” da Hering já assinaram um compromisso que prevê voto favorável à aprovação da operação em assembleia, que deve ser convocada em maio e realizada em junho.

Em apresentação ao mercado nesta segunda-feira (26), executivos das duas empresas, incluindo Fábio Hering, presidente da Hering, também informaram que estimam que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprove a operação até o fim de junho. 

A proposta de R$ 5,14 bilhões inclui R$ 1,5 bilhão em dinheiro e o restante em ações da Soma a serem distribuídas a acionistas da Cia. Hering – que passarão a ter 34,4% do capital da empresa combinada.

> Após oferta de compra, Hering anuncia empréstimo de R$ 100 milhões no Itaú

Juntas, as duas empresas formarão um conglomerado de moda dono de pouco mais de mil lojas e receita bruta somada de R$ 3,74 bilhões – considerando dados de 2019. A marca Hering, principal da companhia blumenauense, vai manter a autonomia operacional e será comandada por Thiago Hering, que vinha sendo preparado para suceder o pai, Fábio Hering, na presidência da empresa. Fábio, por sua vez, assumirá a cadeira de presidente do Conselho.

Jogou a toalha

Depois de ser ultrapassada pelo Grupo Soma nas tratativas com a Cia. Hering, a Arezzo divulgou comunicado ao mercado nesta terça-feira (27) informando que não vai fazer uma nova oferta pela companhia. 

A empresa ressaltou também “que seguirá fiel à sua bem-sucedida estratégia de crescimento, orgânico e por aquisições, sempre observando a racionalidade e a defesa dos interesses de todos os seus acionistas”.

Receba notícias e análises do colunista Pedro Machado sobre economia, negócios e o cotidiano de Blumenau e região pelo WhatsApp ou Telegram

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Mais colunistas

    Mais colunistas