nsc
nsc

Final feliz

Articulação nos bastidores mudou destino e evitou o pior na novela do Sesi em Blumenau

Compartilhe

Pedro
Por Pedro Machado
31/07/2022 - 16h00
Entendimento inicial em Brasília quase travou venda do complexo para a prefeitura
Entendimento inicial em Brasília quase travou venda do complexo para a prefeitura (Foto: Patrick Rodrigues)

Blumenau terminou a semana celebrando a compra do Complexo Esportivo do Sesi, encaminhada após o aval do conselho nacional da entidade em reunião na quarta-feira (27). Pouco mais de um ano depois do início das conversas, a novela teve um final feliz para a cidade. Mas o desfecho dela poderia ter sido bem diferente. Por pouco, na verdade, não foi pior.

> Receba notícias de Blumenau e do Vale pelo WhatsApp

Inicialmente, o Sesi nacional tendia a rejeitar a proposta de R$ 31,3 milhões apresentada pela prefeitura. Um parecer contrário chegou a ser elaborado. Como a coluna revelou, havia em Brasília quem defendesse a tese de que a venda deveria incluir não apenas as benfeitorias construídas, mas o próprio terreno. A prefeitura, que cedeu a área à entidade na década de 1970, torceu o nariz. Discordou e avaliou que, nestes termos, não tinha negócio.

> Verba de R$ 31 milhões para a compra do Sesi voltará a Blumenau por outro caminho

Coube ao presidente da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), Mário Cezar de Aguiar, entrar em campo para resolver o impasse. Crédito para ele, que trabalhou nos bastidores, inclusive com visitas pessoais a Brasília, para convencer o conselho nacional do Sesi de que a venda era um bom negócio para a entidade.

A articulação deu resultado. Um novo parecer, que ficou pronto na noite de terça-feira (26), véspera da votação, foi finalizado. O documento agora recomendava a venda do complexo. Aguiar fez a defesa da proposta. No fim, os conselheiros a aprovaram por unanimidade. Foi como um gol da vitória aos 45 minutos do segundo tempo.

Um dos principais argumentos da Fiesc para defender a venda, levado à capital federal, foi a mudança de foco na atuação. A entidade passou a se dedicar mais às áreas de educação e promoção da saúde e segurança do trabalhador da indústria. Com isso, o esporte passou a fazer pouco sentido.

— A estrutura foi importante em determinado período, mas hoje não tem mais finalidade — explica Aguiar.

Receba notícias e análises do colunista Pedro Machado sobre economia, negócios e o cotidiano de Blumenau e região pelo WhatsApp ou Telegram

Leia também

Blumenau recebe aval do Ministério da Economia para empréstimo milionário

Senior Sistemas desacelera e espera mercado melhorar para negociar ações na Bolsa

Investidor quer novo Museu do Futebol em Blumenau aberto a tempo da Oktoberfest

O especial apelo dos empresários de Blumenau aos candidatos ao governo de SC​

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Mais colunistas

    Mais colunistas