nsc
nsc

Política

Blumob vai à CPI do transporte de Blumenau falar o óbvio necessário

Compartilhe

Pedro
Por Pedro Machado
15/09/2021 - 18h42
Maurício Queiroz de Andrade (E) foi sabatinado por parlamentares nesta quarta-feira
Maurício Queiroz de Andrade (E) foi sabatinado por parlamentares nesta quarta-feira (Foto: Maicon Goldbach, Imprensa CMB)

Para quem acompanha os desdobramentos da crise do transporte coletivo de Blumenau, o depoimento na tarde desta quarta-feira (15) de Maurício Queiroz de Andrade, diretor jurídico institucional do Grupo Comporte, dono da Blumob, à CPI que investiga o contrato e a prestação do serviço na cidade não trouxe grandes novidades.

> Receba notícias de Blumenau e do Vale pelo WhatsApp

Sabatinado por parlamentares na Câmara de Vereadores, o executivo ressaltou que a pandemia chacoalhou a operação, que o desafio é geral – e se repete em todas as 17 cidades em que o grupo atua –, que é preciso reduzir custos, que a demanda pré-crise dificilmente será recuperada e que um sistema cuja única fonte de receita é a tarifa paga pelo usuário já não se sustenta. Falou o óbvio, embora muitas vezes até o óbvio precise ser dito e repetido.

E por que o óbvio, neste caso, é relevante? Porque este mesmo discurso já é adotado pelo poder concedente – a prefeitura – e pela agência reguladora – a Agir –, que fiscaliza o contrato de concessão. Não que a Blumob discordasse dele antes, pelo contrário. Mas era importante dar ares menos formais a esse posicionamento, que até então só aparecia em notas sucintas e pouco elucidativas enviadas à imprensa – quando a empresa se manifestava.

A partir de agora, fica claro que as três partes envolvidas nessa importante discussão estão alinhadas. O problema está identificado. O desafio é encontrar soluções que garantam que o sistema se sustente, pratique uma tarifa justa e garanta um mínimo de qualidade ao usuário. Não é tarefa simples.

— Não dá para pegar o contrato que foi feito em 2016 e falar: “Nada aconteceu, vamos executar o contrato”. Não é assim — argumentou Queiroz, que também disse que a empresa, neste momento, não pensa em lucro, mas em garantir a sobrevivência do sistema.

Subsídio impediu rombo maior, diz diretor

Queiroz ressaltou que a Blumob encerrou 2020, marcado pelo início da pandemia, com prejuízo de cerca de R$ 12 milhões, informação que a coluna já havia destacado. O déficit veio mesmo depois de ter recebido R$ 10 milhões em subsídios da prefeitura no ano passado – com novos aportes feitos em 2021, essa conta já chegou a R$ 24 milhões e ainda atingirá R$ 34 milhões.

Estes repasses estão sendo investigados pela CPI. Dado o cenário, o executivo considerou que eles têm sido fundamentais para prolongar a vida da operação, mas que nas atuais condições o contrato deixou de ser viável.

— Não há a menor condição de se operar o sistema de Blumenau ou de qualquer outra cidade somente com base na tarifa — disse o executivo.

Em julho deste ano, pelo modelo de fluxo de caixa, a tarifa de ônibus deveria ser de R$ 6,28 para que o sistema se pagasse. Com os subsídios, baixaria para R$ 5,95, ainda assim um valor bem superior aos atuais R$ 4,50.

Agenda

A próxima reunião da CPI está marcada para o dia 22 deste mês. Serão convocados representantes da Secretaria da Saúde e da Vigilância Sanitária. As aglomerações nos ônibus e o suposto descumprimento de normas sanitárias na operação também são alvo da investigação da comissão.

No dia 29, a agenda deve incluir um representante da Agir e no dia 6 de outubro será convocado um representante da Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes.

Receba notícias e análises do colunista Pedro Machado sobre economia, negócios e o cotidiano de Blumenau e região pelo WhatsApp ou Telegram

Leia também​

Licitação para a cervejaria oficial da Oktoberfest Blumenau não recebe propostas

Acionistas da Cia. Hering aprovam venda da empresa para o Grupo Soma

WEG compra empresa de 350 funcionários e faturamento de R$ 120 milhões

Blumenau terá novo parque gastronômico no bairro Vila Nova

A semana decisiva para a Oktoberfest Blumenau

Restaurante Seu Porco vai abrir filial em Timbó e prepara rede de franquias​​

Mesmo com 150 funcionários, Câmara de Blumenau vai contratar perícia externa para CPI

Novo gestor do Neumarkt Blumenau sobre a pandemia: "Foi um MBA na prática"

Empresa negocia naming rights da futura Praça da Estação em Blumenau

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Mais colunistas

    Mais colunistas