nsc
    santa

    Segurança

    Casos de violência contra mulher crescem em Blumenau no primeiro semestre

    Balanço divulgado pela PM mostra queda no número de furtos e roubos, porém com aumento de 11% nos registros de violência doméstica

    08/07/2020 - 08h36

    Compartilhe

    Augusto
    Por Augusto Ittner
    Índice confirma sensação com os casos diários de violência relatados pelo Santa.
    Índice confirma sensação com os casos diários de violência relatados pelo Santa.
    (Foto: )

    O número de casos de violência doméstica cresceu 11% em Blumenau no primeiro semestre deste ano em comparação ao mesmo período do ano passado. É isso que mostra um relatório do 10º Batalhão de Polícia Militar divulgado nesta quarta-feira (8). Foram 408 ocorrências desse tipo atendidas durante os primeiros seis meses de 2020, contra 367 em 2019. São, em média, mais de dois casos por dia registrados pela PM de 1º de janeiro a 30 de junho deste ano.

    Esse índice confirma a sensação de aumento de casos desse tipo na cidade. Diariamente nos relatórios feitos pela PM de Blumenau há relatos de agressão contra mulheres. Nesta terça-feira (7), por exemplo, um homem agrediu e quebrou o dedo da própria esposa durante uma discussão. Ela teve de ser encaminhada ao Hospital Santo Antônio, contou aos agentes que estava com medo de voltar para casa, e foi levada a um abrigo junto com os três filhos onde será acolhida pela Assistência Social.

    Lembre casos que ocorreram em Blumenau

    Não é preciso fazer muito esforço para empilhar casos semelhantes em Blumenau. No final de maio, por exemplo, um homem foi preso depois de espancar uma mulher e arrastá-la nua por uma rua do bairro Velha, na Região Oeste da cidade. No mesmo dia, outro agressor embriagado foi preso por jogar café quente na companheira e destruir parte de um cômodo na residência onde moravam.

    > Violência doméstica em Blumenau: como e onde denunciar

    Em abril, um homem chegou a ameaçar jogar ácido na ex-esposa enquanto ela andava pelo bairro Itoupava Central, na Região Norte de Blumenau. Casos que remetem à tortura, como um agressor que queimou a boca da própria esposa ou de uma grávida que ficou desacordada após levar um soco na barriga também se somam aos índices negativos da cidade no primeiro semestre.

    Descumprimentos de medidas protetivas entre familiares — não necessariamente cônjuges — também entram nesse balanço feito pela PM blumenauense.

    Casos de outras cidades do Médio Vale não entram na soma

    Nesse relatório da PM, vale destacar, não são somados os casos de outras cidades do Médio Vale. Ocorrências graves de violência contra mulher foram relatados pelo Santa em dezenas de matérias publicadas desde o início do ano. Em Benedito Novo, um agressor descumpriu uma medida protetiva e esfaqueou a ex-esposa. Na mesma cidade, um homem ameaçou a companheira com uma foice durante uma briga.

    Um agressor que deu uma pedrada em uma mulher na cidade de Ascurra, outro que se irritou com o choro de uma bebê em Pomerode e bateu na mulher, e um que ameaçou colocar fogo com todos os familiares dentro de casa em Rodeio também foram casos registrados em municípios vizinhos a Blumenau.

    Registro de roubos, furtos e homicídios caiu em Blumenau

    No balanço divulgado pela PM de Blumenau, outros indicadores de segurança tiveram redução de casos. O número de homicídios no primeiro semestre, por exemplo, caiu de 21 no ano passado para 13 neste ano (-38%). Furtos foram 757 nos seis primeiros meses de 2019 contra 611 neste ano (-19%). Já o número de assaltos nesse mesmo período de comparação foi de 141 para 101 (28%).

    Foram, ainda, apreendidos 248 quilos de drogas e 35 armas de fogo, com 22 mil ocorrências policiais atendidas — média de 120 por dia — e 1.109 presas ou detidas e encaminhadas à Central de Polícia.

    Números importantes

    Polícia Militar

    - Telefone 190: quando presenciar ou vivenciar algum episódio de violência contra a mulher.

    Rede Catarina

    - Telefone 3378-9047 e e-mail 10bpmredecatarina@pm.sc.gov.br: para receber acompanhamento da polícia ou buscar orientação sobre as ferramentas de proteção à mulher.

    Central de Atendimento para Mulher em Situação de Violência

    - Telefone 180: para buscar orientação sobre direitos e serviços públicos à população feminina, bem como para denúncias ou relatos de violência.

    Delegacia de Polícia de Proteção a Mulher, Criança e Adolescente

    - Telefone 3329-8829: para registrar ocorrência de violência contra a mulher, bem como requerer medidas protetivas e iniciar processos contra agressores.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Polícia

    Colunistas