nsc
    dc

    Clima

    Ciclone no Sul do Brasil despenca temperaturas em SC e causa ventos fortes no Litoral

    Meteorologistas descartam se tratar de um ciclone bomba

    03/02/2021 - 16h19 - Atualizada em: 03/02/2021 - 20h30

    Compartilhe

    Clarissa
    Por Clarissa Battistella
    Ciclone extratropical
    Ciclone se forma no Sul do país nesta quinta-feira
    (Foto: )

    O ciclone extratropical, que se forma no Sul do país nessa quinta-feira (4), trará fortes ventos ao Litoral de Santa Catarina e baixas temperaturas para todo o Estado. Em algumas cidades, especialmente na Serra, os termômetros poderão marcar menos de 7ºC. Além disso, há alerta para as navegações, devido ao risco de ressaca no mar. 

    > Defesa Civil alerta para o risco de temporais com raios e granizo em SC

    > Quase uma tonelada de maconha é apreendida dentro de casa em Joinville

    Meteorologista da Epagri/Ciram, Clovis Correa explica que o ciclone vai se deslocar apenas sobre o Rio Grande do Sul, porém deve contribui para a formação de uma frente fria que chegará a SC na sexta-feira (5), declinando as temperaturas.

    Segundo alerta da Defesa Civil de SC, o mar também deve ficar bastante agitado, por conta do ciclone, com picos de ondas de 3,5 metros entre sexta-feira e sábado. Ainda pode ocorrer ressaca entre o Litoral Sul de SC e a Grande Florianópolis.

    > Começa pré-cadastro para vacinação de idosos contra o coronavírus em SC

    > Morador de Florianópolis joga R$ 25 mil no lixo e encontra dinheiro com ajuda de garis, diz Comcap

    Baixas temperaturas

    Na Serra, segundo o meteorologista Clovis Correa, os termômetros podem marcar entre 7ºC e 8ºC em São Joaquim e Urupema na madrugada de sábado (6). O Oeste e o Sul de SC também podem ter temperaturas mais baixas, de até 13ºC.

    Já as cidades litorâneas, que serão atingidas por rajadas de vento de até 60km/h devido ao ciclone, terão temperaturas mínimas mais amenas, que giram em torno de 17ºC a 18ºC nas regiões da Grande Florianópolis, do Vale do Itajaí e do Norte.

    > Tornados podem ter passado por SC junto com ciclone, diz Puchalski

    > CPF e dados vazados? Saiba o que fazer

    Ciclone bomba

    A meteorologia explica que o ciclone que se forma nesta semana é extratropical e, portanto, diferente de um ciclone bomba, como ocorreu em junho do ano passado, quando a maior parte de Santa Catarina foi atingida por ventos e tornados durante o seu deslocamento, que causaram estragos e mortes. 

    > Ciclone, vendaval, tempestade, tornado e tufão: entenda a diferença

    > Mãe dos trigêmeos de Itajaí morreu vítima de choque hemorrágico

    Conforme o meteorologista, Leandro Puchalski, o ciclone bomba é aquele que se intensifica muito rapidamente. 

    - Quando a pressão do ar cai 1 hPa por hora - hectopascal (hpa) é a unidade de pressão do ar - temos uma bomba. Esses ciclones são, em média, 5,1hpa mais intensos que os ciclones "tradicionais" ou não explosivos. Isso quer dizer que tem potencial de provocar ventos em até 60% mais intensos que a maior parte dos ciclones - explicou em sua coluna do NSC Total

    Leia também

    Ciclone em SC teve ventos de até 168 km/h, maior velocidade já registrada pela Epagri

    Prejuízos com "ciclone bomba" em SC chegam a R$ 500 milhões, diz secretário da Defesa Civil

    Galo que bota ovos vira atração no Meio-Oeste de SC

    Colunistas