Iomani Engelmann, presidente da Associação Catarinense de Tecnologia (Acate)
(Foto: Arte NSC)

O ecossistema de inovação catarinense tem ganhado cada vez mais relevância no país e no mundo. Cresce exponencialmente o número de empresas e soluções que são referências e que levam o nome de Santa Catarina para outros mercados e públicos. Só em 2021, contabilizamos quase R$ 10 bilhões em movimentações financeiras na área de tecnologia de SC, com diversas companhias recebendo investimentos significativos, estreando na Bolsa ou sendo adquiridas. 

Continua depois da publicidade

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Outro dado importante aparece no Tech Report 2021, estudo do Observatório da Associação Catarinense de Tecnologia (Acate) e Neoway. O levantamento mostra que o estado teve o maior crescimento do país no número de empresas de tecnologia entre 2015 e 2020: 63,2%, alcançando 17.720 negócios. O desempenho é bem acima da média nacional (26,1%) no mesmo período. 

Por trás desse crescimento, há um amplo trabalho do governo do Estado, prefeituras, universidades, instituições, entidades e demais atores fundamentais neste processo. E, para manter esse cenário de desenvolvimento do ecossistema de inovação e apoio às empresas, a Acate, principal representante do setor de tecnologia no estado, estabeleceu recentemente as prioridades estratégicas até 2025. Um dos focos para os próximos três anos é fomentar a formação de talentos. 

Continua depois da publicidade

> Santa Catarina é exemplo para o país na área de tecnologia

A associação já tem apoiado diversas iniciativas neste sentido – Entra21, Floripa Mais Empregos, edital para formação em parceria com universidades, Programa Jovem Programador, DEVinHouse, Prototipando a Quebrada – e a meta é impulsionar ainda mais esses e outros programas. O objetivo é incentivar a Jornada de Formação de Talentos, movimento de longo prazo e que deve englobar todas as fases de aprendizado, desde despertar crianças para a tecnologia até qualificar profissionais com experiência e formar C-Levels para atuar em empresas do segmento. 

Outro ponto prioritário para os próximos três anos é a descentralização do ecossistema de inovação em Santa Catarina, já que trabalhamos para sermos um estado de inovação. Atualmente a Acate está presente em todas as regiões catarinenses, por meio de 10 polos. 

> TI em SC: número de empresas cresce 28% e negócios com ações ficam perto de R$ 10 bi

A meta é ampliar essa rede para desenvolver ainda mais as características e vocações econômicas de cada mesorregião. Para isso, iremos impulsionar a governança e sustentabilidade dos polos regionais, presentes em Blumenau, Brusque, Chapecó, Criciúma, Florianópolis, Itajaí, Joinville, Lages, Rio do Sul e Tubarão. 

Por fim, é fundamental reforçar a jornada segmentada de excelência com foco no reforço do portfólio de serviços. A Acate atende 1,5 mil associadas e tem programas e benefícios disponíveis para cada etapa da jornada dessas empresas, desde o apoio à criação do negócio, busca por investidores, acesso facilitado a recursos, internacionalização e suporte para maturidade da companhia. O planejamento consiste em intensificar os serviços para cada fase e para empresas de todos os portes e localizadas em qualquer região catarinense. 

> Neoway, RD e mais: fusões e aquisições destacam o setor de tecnologia de SC

Nosso planejamento e prioridades até 2025 estão pautados no coletivo, em tornar o setor de tecnologia ainda mais inclusivo e fomentar o ecossistema de inovação em Santa Catarina. Todo esse processo é fundamental para impulsionar o desenvolvimento econômico e social do estado e do país.

Continua depois da publicidade

*Por Iomani Engelmann, presidente da Associação Catarinense de Tecnologia (Acate).

Leia também

Havan abre mais de 100 vagas em tecnologia com opção de home office

Alemão que liderou a T-Systems em Blumenau encara o desafio da própria empresa

Catarinense Mhnet cresce 92,31% em banda larga no país em 2021

Destaques do NSC Total